Audiência – Análise de 02/06 a 08/06: Pose, Succession, Dietland, The Four e mais

Análise, Análise da Audiência, Dietland, Pose, Succession, The Four,
Imagem: FX/Divulgação; AMC/Divulgação; HBO/Divulgação; Fox/Divulgação;

Com os grandes números restritos a Stanley Cup e as finais da NBA na ABC, tivemos de tudo nessa semana. Grandes e surpreendentes estreias, como Cuomo Prime Time na CNN ou até mesmo retornos de títulos consagrados que apesar da idade continuam fortes, como é o caso Whose Line Is It Anyway?.

Porém, também dedicados (grande) parte da coluna dessa semana para discutir os problemas que alguns canais da TV a cabo devem enfrentar nesse ano uma vez que grandes promessas, começaram sem qualquer apetite por grandes números. Vamos de Pose até Cloak & Dagger.

Além disso também temos a audiência da primeira grande noite de eleições de 2018, a final do Britain’s Got Talent e o novo fenômeno britânico conhecido como Love Island.

ABC

A vitória do Golden State Warriors em cima do Cleveland Cavaliers (122-103) rendeu outros números gigantescos para ABC no domingo. O segundo jogo da final registrou 6.5 no demográfico alvo e atraiu a atenção de 18.47 milhões de pessoas, bem acima dos números de 2017: 5.7 no demo e números totais em 15.46 milhões de telespectadores. Esses números, segundo o departamento de imprensa da ESPN, fazem do Jogo 2 a terceira maior audiência desde 2011.

Como esta coluna previu na semana anterior, The Bachelorette subiu. O segundo episódio da temporada fez 1.6 no demográfico alvo, uma subida considerável de 0.2. Sua audiência total também chama atenção – 5.81 milhões de pessoas, a maior da noite. Em seguida, a cancelada The Crossing marcou 0.6, uma oscilação positiva dos 0.5 da semana anterior.

O Jogo 3 da final da NBA, que contou com a terceira vitória do Golden State Warriors, marcou 6.4 no demográfico alvo e atraiu a atenção de 17.85 milhões de telespectadores. O quarto (e último) jogo das finais da NBA fez 5.4 no demo e foi visto por 12.86 milhões de pessoas.

NBA, Audiência da NBA, Números de Audiência da NBA
Imagem: Mix de Séries/Reprodução

NBC

Mesmo mantendo os números anêmicos da semana anterior, Taken tem se destacado no acumulado de três dias. De acordo com a NBC, o episódio exibido na semana passada cresceu 81% no demográfico alvo (de 0.21 para 0.38)  e ganhou um milhão de telespectadores no L+3.

Na segunda-feira, o quarto jogo da Stanley Cup fez 1.6 no demográfico alvo, empatando pelo primeiro lugar com The Bachelorette. A partida ainda atraiu a atenção de 5.06 milhões de dólares, números similares ao Jogo 1 que a NBC exibiu na segunda-feira passada (1.7/5.19 milhões). A grande noite da emissora foi, novamente, em Washington D.C. e Las Vegas, cidades natal dos finalistas, o Vegas Golden Knights e o Washington Capitals.

Top 10 dos Principais Mercados do 4º jogo da Stanley Cup

1. – Washington, DC –  22.09 no demográfico alvo (18-49 anos)
2. – Las Vegas, Nevada – 20.48 no demográfico alvo (18-49 anos)
3. – Baltimore, Maryland – 12.39 no demográfico alvo (18-49 anos)
4. – Richmond, Virgínia – 10.54 no demográfico alvo (18-49 anos)
5. – Buffalo, Nova York – 8.88 no demográfico alvo (18-49 anos)
6. – Pittsburgh, Pensilvânia –  6.92 no demográfico alvo (18-49 anos)
7. – Mineápolis, Minnesota – 6.53 no demográfico alvo (18-49 anos)
8. – Denver, Colorado – 5.13 no demográfico alvo (18-49 anos)
9. – St. Louis, Missouri – 4.60 no demográfico alvo (18-49 anos)
10. – Nashville, Tennessee –  4.71 no demográfico alvo (18-49 anos)

Na terça-feira, o America’s Got Talent caiu um pouco na sua segunda semana ao oscilar de 2.5 para 2.2, enquanto World of Dance acompanhou ao despencar de 1.7 para 1.5. No entanto, uma curiosidade – a programação da NBC fez uma média de 2.0 das 20h às 23h, mesmos 2.0 feitos pela ABC, CBS, Fox e CW somados.

Na quarta-feira, a NBC transformou um episódio regular de American Ninja Warrior num episódios especial do reality show com a temática de Jurassic Park. Não é a toa haja vista que eles precisam divulgar o novo filme da franquia, Jurassic World: Reino Ameaçado, cuja estreia nos Estados Unidos em 22 de junho. O programa manteve-se firme com a estreia de 1.2 na semana passada. Mais tarde, Reverie (0.5) também caiu 0.1 em comparação com sua Series Premiere.

Por fim, na quinta-feira, tivemos a final da Stanley Cup numa transmissão surpreendente e espectacular para os fãs de esporte. A vitória do Washington Capitals em cima do Vegas Golden Knights (4-3), a primeira vez para um time esportivo profissional de Washington D.C. desde 1992, rendeu números excelentes para NBC. O jogo foi visto por 1.9 no demográfico alvo e (X) milhões de telespectadores.

Top 10 dos Principais Mercados do 5º jogo da Stanley Cup

1. – Las Vegas, Nevada –  27.6 no demográfico alvo (18-49 anos)
2. – Washington D.C.  – 25.2 no demográfico alvo (18-49 anos)
3. – Baltimore, Maryland – 12.5 no demográfico alvo (18-49 anos)
4. – Richmond, Virgínia – 11.4 no demográfico alvo (18-49 anos)
5. – Buffalo, Nova York – 11.2 no demográfico alvo (18-49 anos)
6. – Pittsburgh, Pensilvânia –  10.7 no demográfico alvo (18-49 anos)
7. – Mineápolis, Minnesota – 7.9 no demográfico alvo (18-49 anos)
8. – Fort Myers, Flórida – 6.6 no demográfico alvo (18-49 anos)
9. – Denver, Colorado – 6.4 no demográfico alvo (18-49 anos)
10. – St. Louis, Missouri –  5.9 no demográfico alvo (18-49 anos)

O canal ainda lembra que a final bateu recorde de audiência local em oito mercados: Baltimore, Richmond, Pittsburgh; Norfolk, Kansas City, Salt Lake City, Los Angeles e Miami.

FOX

O retorno de um dos principais programas da Summer Season, uma lenda “incancelável” conhecida como o So You Think You Can Dance, estreou com 0.7 no demográfico alvo. Abaixo dos 0.9 da estreia do ano passado, mas marcando a mesma média de 2017 (0.7). O que isso quer dizer? A Fox renovou o reality show com esses números antes, deve fazer de novo se eles continuarem oscilando entre 0.5-0.8.

Na terça-feira, Beat Shazam (0.7) e Love Connection (0.5) caíram 0.1 em relação a Season Premiere da semana passada, cujo acréscimo na audiência acumulada de três dias foi baixo. O game show teve um crescimento de apenas 12% (foi de 0.8 para 0.9), enquanto o reality show de namoro foi impulsionado por 17% (um pulo de 0.6 para 0.7). São resultados problemáticos para ambos, mas a Fox não tem nada de melhor para colocar no ar contra os carros chefes da NBC.

As duas horas do MasterChef que a Fox exibiu na quarta-feira (06) fez uma média de 0.9, uma queda de 0.2 se compararmos com a Season Premiere exibida na semana passada. Na quinta-feira, The Four: Battle for Stardom não teve um retorno tão estrelado. Indo contra a final da Stanley Cup, o reality show marcou 0.7, uma queda considerável de 0.5 em relação ao Series Premiere em janeiro deste ano.

Continua após a publicidade

CBS

No sábado (02), Ransom manteve seus 0.2 da semana anterior, enquanto Instinct subiu (+0.1) para 0.5. Lembrando que apesar dos números baixos, o drama já está renovado para um 2º ano. Na segunda-feira, Elementary subiu ótimos 0.2 para 0.6. Code Black fez 0.6 na quarta-feira, uma queda de 0.1 em relação aos medianos 0.7 da semana passada. O último original da semana para a emissora, Undercover Boss: Celebrity Edition teve uma leve queda em relação a semana anterior ao oscilar de 0.7 para 0.6. Números estáveis, o que a CBS precisava para concorrer contra a NBA e desbravar às sextas-feiras da Summer Season.

CW

Segunda-feira também foi um bom dia para Supergirl. O drama cresceu 0.1 para 0.5, números ótimos quando lembramos que estamos na Summer Season. A estreia da nova temporada de Whose Line Is It Anyway? marcou 0.3 e 0.4 às 21h e 21h30, respectivamente.

Números bem superiores aos 0.2 da Season Premiere de 2017, mas na linha da média final da 13ª temporada de 0.30. A atração de improviso foi resgatada pela CW em 2013 e desde então é um dos seus melhores programas do canal para a temporada. É estável, barato e tem uma base leal de telespectadores.

Competindo contra a força da NBA, The Originals caiu ainda mais ao oscilar de 0.3 para 0.2. Curiosamente, números ainda superiores aqueles que Life Sentence fazia nas suas primeiras semanas e olha que estamos na Summer Season.

Super Terça – Parte I

Para quem ainda não percebeu, grande parte das eleições nos Estados Unidos são feitas às terças-feiras. Raras exceções escapam para quinta ou para o sábado. Porém, quando há um grande número de estados votando no mesmo dia chama-se de Super Tuesday. Foi o que tivemos na última terça-feira (05), onde oito estados desde a Califórnia a Dakota do Sul foram às urnas.

Gavin Newsom
Imagem: AP Photo/Jeff Chiu

Como de costume, nenhum dos cinco canais da TV aberta liberaram seus sinais para as afiliadas, limitando a cobertura para o jornal local às 23h. Na TV a Cabo, o cenário foi bem diferente. Embora o principal estado em votação no dia (Califórnia) iniciasse sua apuração horas após o início do horário nobre da costa leste, as emissoras limitaram-se a pequenos flashes sobre o resultado.

Às 21h (horário local), a MSNBC e a Fox News deram início às coberturas com os primeiros resultados na tela, mas The Rachel Maddow Show Hannity seguiram com seus programas normais. Já a CNN deixou o Cuomo Prime Time seguir sem interferência. Às 22h, Don Lemon focou na polêmica da NFL; Laura Ingraham nos pseudo-escândalos do FBI; Lawrence O’Donnell na investigação do Conselho Especial na interferência da Rússia.

Os canais de notícia só deram alguma importância quando os votos da Califórnia começaram a aparecer. A cobertura da MSNBC a partir das 00h foi quem venceu a noite. O canal marcou 0.3 no demográfico alvo (25-54 anos) e atraiu a atenção de 1.50 milhão de pessoas.

TV a Cabo

Imagem: Divulgação

No domingo, Westworld conseguiu uma leve recuperação. O drama foi de 0.37 para 0.50, um crescimento de 35% no demográfico alvo e de 24.5% (de 1.11 milhão para 1.38 milhão). Na AMC,  Fear The Walking Dead retornou do final de semana de folga com uma queda (-0.22), mas ainda assim registrou saudáveis 0.60. Mais tarde, Into The Badlands também teve uma queda de 0.12, terminando com 0.26 no demo.

A Showtime foi uma das poucas a experimentar uma alta. Billions subiu 0.02 para 0.21, enquanto I’m Dying Up Here oscilou positivamente para 0.04. Na terça-feira, The Last O.G. fez 0.51 (+0.03), Animal Kingdom com 0.37 (+0.06), enquanto a recém renovada Legion subiu para 0.21 (0.06).

Na TV Land tivemos uma noite importante de retornos. O Season Premiere da já renovada Younger fez 0.18, uma queda de 0.09 em relação ao retorno de 2017. Já a volta de Teachers registrou 0.10, uma queda de 0.04 em comparação com a volta de 2017, que no caso foi em 2017. Ainda na terça-feira, Humans fez 0.13, uma queda de 0.07 com o Season Premiere de 2017. Já Genius ficou estável nos 0.05.

O CMT Music Awards fez 0.28 na CMT, mas com a transmissão simultânea na Paramount Network (0.12) e na TV Land (0.08), registrou 0.48 ao todo. No History Channel, Six despencou no seu terceiro episódio para 0.15. Para os fãs da série, é bom se preparar porque esses não são números de alguém que busca renovação.

Entrada triunfal, saída estável

O especial da conclusão de The Fosters fez: 0.27 na segunda-feira; 0.28 na terça-feira e 0.27 na quarta-feira. Tais resultados estão com a média da 5ª temporada (0.25), assim como a reta final da 4ª temporada (0.28). Essa também foi uma semana muito importante para CNN não só pela primeira grande noite de eleições em 2018, mas porque o canal resolveu investir no principal horário da guerra dos canais a cabo: às 21h.

A estreia de Cuomo Prime Time ficou em segundo lugar na segunda-feira com 0.30 no demográfico alvo (25-54 anos), vencendo Hannity, mas perdendo para o The Rachel Maddow Show por 0.03. Na terça-feira, o programa manteve os números fortes ao repetir seus 0.30 no demo de 25-54 anos. Com grandes entrevistas na quarta-feira (Senador Chuck Schumer e Sarah Sanders) a atração fez 0.31. Por fim, na quinta-feira a audiência foi de 0.26, apesar de um excelente debate entre o apresentador e o Senador Bernie Sanders sobre um sistema de saúde estatal.

Na quinta-feira, Jersey Shore: Family Vaction venceu a noite de forma espetacular (com 1.0), apesar de uma queda de 0.23 no demográfico alvo. Já RuPaul’s Drag Race retornou de uma semana de folga com estáveis 0.31 e American Woman estreou com medianos 0.21 no Paramount Network, longe dos estrelados 0.38 do lançamento de Waco.

Internacionais

Imagem: Divulgação (06)

No sábado (02) foi a primeira vez que o popular British Soap Awards foi exibido ao vivo pela ITV. A premiação foi vista por uma média de 4.2 milhões de telespectadores, sua maior audiência desde 2015 quando foi assistida por 05 milhões de pessoas. Quem ganhou o aqui? Só clicar aqui. Já no domingo, a aguardada final da temporada do Britain’s Got Talent recebeu a atenção de uma média de 8.7 milhões de telespectadores, maior desde 2015.

Top 07:

2012 – 11.9 milhões
2013 – 11.1 milhões
2014 – 10.8 milhões
2015 – 11.7 milhões
2016 – 8.5 milhões
2017 – 8.2 milhões
2018 – 8.7 milhões

Ainda no domingo, A Very English Scandal manteve números respeitáveis apesar da forte competição ao ser assistido por 4.4 milhões de pessoas. Na segunda-feira, tivemos a estreia da nova temporada da bem sucedida Love Island. O retorno do reality show foi um verdadeiro estouro. Como observamos no ranking abaixo, vimos um pulo de 43% em relação a estreia de 2017. Acredito que os números abaixo falam por si.

Top 04:

2015 – 600 mil
2016 – 800 mil
2017 – 1.3 milhão
2018 – 3 milhões

Embora o The Voice Australia tenha caído ainda mais em relação a semana anterior (816 mil x 896 mil), o reality show musical venceu seu principal oponente. Isso porque o MasterChef Australia teve uma queda impressionante ao oscilar dos fortes 903 mil telespectadores da semana passada, para 781 mil nesta.

Ainda na sexta-feira (1º), o The X Factor Spain mostra claros sinais de cansaço. Isso porque o reality show marcou uma nova Series Low, ao ter uma participação de apenas 10% e um total de 1.2 milhão de pessoas. A competição com o noticiário político, que ficou conectada por cinco dias nos escândalos do governo espanhol e na queda de Mariano Rajoy, certamente não ajudou. Quem preferiu cobrir política na Espanha, se deu muito bem.

Mantendo sua exibição mais tarde,  MasterChef Spain fez o dobro de share de Supervivientes: Conexión Honduras (20.8% x 10.3%), mas um total de telespectadores não muito diferentes: 2.69 milhões e 1.95 milhão, respectivamente. Na Coréia do Sul, Suits (슈츠teve uma grande subida em relação a semana passada ao marcar 9.2 e 9.7 no demográfico alvo em Seul e ao redor do país, respectivamente.

Análise Especial da Semana: A TV a cabo e sua semana terrível, horrível, nada boa e muito ruim

Pose, Dietland, Succession
Imagem: FX/Divulgação; AMC/Divulgação; HBO/Divulgação

Com a Summer Season entrando com sua força total, as primeiros grandes títulos começaram a estrear nesta semana. Nenhuma delas chamou atenção pelos motivos esperados. É bom lembrar que, como está coluna já analisou acima, todos os três dramas competiram com competições esportivas (bem) populares. Seja a NBA no domingo ou a Stanley Cup na segunda-feira.

Pose

Pose
Imagem: FX/Divulgação

No FX tivemos a estreia da nova série de Ryan Murphy, Pose. O drama com o maior número de atores transgêneros da história fez 0.24 no demográfico alvo, números positivos se compararmos com a estreia de Trust (0.20) e o Series Finale de The Americans (0.22).

Porém, os números não são nada animadores de compararmos com outros títulos mais bem sucedidos do canal. Feud (0.52); Taboo (63); Snowfall (0.58); 2ª temporada de American Crime Story (0.72); 7ª temporada de American Horror Story (2.02).

Os problemas não só números, mas sim o investimento que o FX fez na série. É verdade que é um entretenimento de nicho, não é para o grande público. Mesmo assim o canal foi com a força total em anúncios. De acordo com análise do iSpot e da Broadcasting & Cable, foram quase 2 milhões de dólares investidos na última semana. Existia expectativa de sucesso. Aparentemente, ele não apareceu.

Continua após a publicidade

Succession

De acordo com o The Washington Post, a HBO enviou sete dos dez episódios de Succession para avaliação da imprensa. Em tempos de Rotten Tomatoes, sabemos que o sucesso e fracasso de filmes são, muitas vezes, determinados pela forma na qual eles são avaliados pelos jornalistas especializados. Infelizmente, isso parece não ter funcionado na televisão.

Succession
Imagem: HBO/Divulgação

O novo drama da HBO recebeu uma avaliação majoritariamente positiva dos críticos. Seja qual jornal você ler, qual crítico se interessa ler toda semana, a visão foi unânime: a série era um verdadeiro achado. Não é este que vos escreve que fez tal afirmação, mas sim o The Guardian, Esquire, The Wall Street Journal ou San Francisco Chronicle.

Foram 0.15 no demográfico alvo, uma queda fantástica de 70% dos números de Westworld e 60% inferiores do que Last Week Tonight faria *mais tarde*. O que significa? A audiência saiu quando Westworld terminou e voltou quando o talk show de John Oliver começou. Uma aparente rejeição de Succession.

É importante lembrar que a HBO não liga muito para audiência. Mas sim assinaturas. Isso porque o telespectador americano só terá HBO na sua residência, caso assine a HBO, uma vez que ela não pertence a nenhum pacote básico de TV a cabo e não é comercial, portanto não precisa de anunciantes para manter sua programação no ar. Mesmo assim, os números de Succession são problemáticos.

Dietland

A adaptação do livro de Sarai Walker não foi entregue de bandeja para AMC. Muito pelo contrário. O canal teve que competir com diversos outros canais e plataformas mais interessados e que, sinceramente, faziam mais o perfil de Dietland. De acordo com o Deadline, a competição variava desde a Hulu, HBO, Amazon e outros.

Dietland
Imagem: AMC/Divulgação

Além de encomendar um talk show apresentado por Aisha Tyler, tratamento que a AMC confere apenas aos seus dramas bem sucedidos (como as franquias de The Walking Dead e Breaking Bad), eles pediram ajuda dos outros canais da AMC Networks Inc. para lançar a série. Nada ajudou.

O drama estreou com apenas 0.16 na AMC, além de 0.05 na WE tv e 0.01 na Sundance TV, que somados dão poucos 0.22. Unapologetic que veio em seguida fez 0.06 no demo alvo, longe do que Talking Dead fez no domingo (0.13).

Mesmo não sendo o sucesso que muitos esperavam, Dietland é um passo da AMC no desconhecido. A emissora não está acostumada a falar com mulheres, muito pelo contrário. Seus principais programas no ar hoje são destinados aos homens, seja The Son, The Terror ou Preacher.

Cloak & Dagger

Principal produção da Freeform para esta Summer SeasonCloak & Dagger não rendeu nada do que se esperava. Nem da Marvel, nem da emissora e muito menos da Disney. Num momento que Agents of S.H.I.E.L.D. começa a flertar com seu final na ABC, Agent Carter Inhumans foram canceladas e se prepara para tirar todo seu catálogo da Netflix por um streaming próprio, esperava-se que a série, a primeira com uma pegada mais adolescente, conseguisse trazer uma nova base de fãs para a produtora.

Cloak & Dagger
Imagem: Freeform/Divulgação

Com 0.32 na primeira hora e 0.25 na segunda hora (uma média de 0.29), o drama ficou aquém do resultado de Siren (0.30), já renovada em virtude um enorme sucesso na audiência acumulada, mas atualmente marca a melhor média da temporada da Freeform. O que parece positivo, mas a expectativa era outra.

Com investimento de mais de 40 milhões de dólares. Repito. Mais de 40 milhões de dólares (A Forma da Água custou 19 milhões), a Disney queria um  sucesso não só para salvar a Freeform de uma crise de audiência sem precedentes, mas para manter os super heróis rentáveis na televisão.

Nós precisamos esperar os números oficiais do L+3 e do L+7 para pensar em falar sobre fracasso e sucesso, mas lembro ao leitor que Pretty Little Liars: The Perfectionists não foi encomenda com a ideia de produzir mais um sucesso, mas de enfim produzir um.

O que veremos na próxima semana: The Tony Awards; Game Shows da ABC e Claws estão de volta; Belmont Stakes é o principal evento esportivo do final de semana; a Copa do Mundo começa; When Trump Met Kim e muito mais.

About Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.