Audiência – Oscar, The Bachelor e Grey’s Anatomy: Análise de 03/03 a 08/03

Audiência, Mix de Audiência, The Bachelor, Oscar, Grey's Anatomy,
Imagem: ABC/Divulgação (03)

Ufa! Que semana tumultuada, não é mesmo? Começamos com o Oscar no domingo, seguimos com um chocante The Bachelor e uma queda de Grey’s Anatomy. Analisaremos em detalhes os números da premiação, assim como uma surpreendente reta final do reality show de “amor”.

Buscaremos uma explicação do porquê a série médica mais lôngeva atualmente no ar caiu com força. Sem deixar de lado os diversos destaques da TV a cabo. Vamos em frente?

ABC

Um dos maiores destaques da ABC e da televisão nesta semana foi o dramático final de The Bachelor. O que é um tanto curioso, porque todo o desenvolvimento do reality show neste ano foi puro tédio. A emissora sabe que escolheu o homem errado, mas entregou uma final sensacional. Não digo apenas criativamente, mas também em números. Nas três horas exibidas na segunda, o programa fez 2.2, o que é um +0.4 em relação a semana anterior.

Já o The Final Rose na terça fez bons 2.2. A Season (ou Series?) Finale de Kevin beneficiou-se da reunião ao marcar 0.7 (+0.1). Na quarta-feira, a ABC teve uma noite curiosa. As quatro comédias subiram +0.1, enquanto Desiganted Survivor manteve-se nos horríveis 0.6 no demográfico. Mas vale lembrar que o drama consegue um grande crescimento na audiência acumulada, na verdade é a que mais cresce de toda a TV aberta.

Já na quinta-feira temos as três séries sangrando. Grey’s Anatomy foi de 2.0 para 1.7; Scandal caiu 0.1 para 1.1, enquanto How To Get Away With Murder desapou de 1.1 para 0.9. Esses números acontecem, provavelmente, por causa de algumas afiliadas da CBS e CW ao redor do país exibiram basquete universitário. Que assim como o futebol universitário é extremamente popular nos centros menos populosos.

NBC

Imagem: NBC/Divulgação

A edição do The Voice na segunda-feira caiu 0.3 e ficou com 2.5, forçando uma queda de 0.2 de Good Girls para 1.3, que contiuam sendo números saudáveis. Na terça, o reality show musical também caiu 0.3 para marcar 2.1. This Is Us teve uma queda de 0.2, mas ainda forte nos 2.3. Chicago Med continou estacionada ns 1.4 no demográfico alvo.

Na quarta-feira, The Blacklist SVU experimentaram uma alta leve para 1.0 e 1.2, respectivamente. Superstore subiu pouquinha coisa (0.9 x 1.0); AP Bio nos mesmos 0.7; Will & Grace viu uma queda (1.1 x 1.0); Já a estreia de Champions foi interessante. A comédia registrou 0.7, o que não é bom, mas também não motivo de orgulho.

crossover beneficiou pouco as séries de Dick Wolf. Chicago P.D. ficou nos mesmos 1.2, enquanto Chicago Fire subiu (1.1 x 1.2).

FOX

Lucifer perdeu fôlego (0.7), mas The Resident subiu para 0.9, o que é uma excelente notícia para quem quer ver a série médica renovada. Lethal Weapon caiu um pouquinho (1.0 x 0.9), mas LA to Vegas The Mick ficaram estacionadas com 0.7 e 0.6, respectivamente.

The X-Files 9-1-1 subiram e registraram 0.9 e 1.6, respectivamente. Números que para ambas as séries, principalmente a última, são sensacionais. Na quinta, Gotham caiu (0.8 x 0.7) e Showtime At Apollo nos mesmos 0.6 da semana passada.

CBS

A emissora continua encontrando problemas com o seu bloco de comédias. Living Biblically perdeu 0.1 e ficou com medianos 0.7 no demo, enquanto Kevin Can WaitMan With a Plan Scorpion estacionaram nos seus números anteriores. Já Superior Donuts foi a única que subiu e marcou 0.9. NCIS ganhou 0.2 (indo para 1.4), o que não foi capaz de empurrar Bull (1.1) ou NCIS: New Orleans (0.9) para cima.

Survivor manteve os 1.7 da semana anterior, enquanto SEAL Team voltou ao horário normal com bons 0.9. Já Criminal Minds, que retornou depois de um longo período de férias, caiu de 1.0 para 0.9. Na quinta-feira, The Big Bang Theory subiu (2.6), assim como Life In Pieces (1.2) e SWAT (0.9). Mom Young Sheldon ficaram inalterados com 1.5 e 2.2 respectivamente.

CW

Legends of Tomorrow manteve-se firme nos 0.4, enquanto iZombie oscilou negativamente de 0.3 para 0.2. Já na terça-feira, The Flash (0.7) e Black Lightning (0.5) ficaram firmes. Riverdale subiu 0.1 para 0.5, enquanto Supernatural caiu (0.5) e Arrow ficou estável nos 0.4. Na quarta-feira, também tivemos a estreia de Life Sentence, que foi um verdadeiro desastre. A série não só marcou os mesmos números de Dynasty (0.2), como não conseguiu capitalizar em nada a subida que Riverdale experimentou naquele noite.

TV a Cabo

Imagem: Divulgação

The Walking Dead continuou afundando. Em relação com seu episódio de retorno, a série despencou 0.78 no demográfico algo, o que é realmente um desastre e evidencia os problemas da AMC para o futuro. Ainda no domingo, tivemos alguns finais na HBO. Crashing Divorce variaram negativamente. A primeira foi de 0.16 para 0.14, enquanto a segunda acompanhou de 0.14 para 0.12. Já Here and Now perdeu todo o ganho da semana passada. O drama caiu de 0.11 para 0.06. Lembro que é apenas uma questão de tempo para a emissora anunciar seu cancelamento.

Season Finale das Kardashians fez 0.61, o que é uma subida saudável de 0.16. MacMafia perdeu 0.2 e registrou 1.2, enquanto UnReal subiu de leve (0.09). A partida do Houston vs. Oklahoma City que a TNT exibiu na quarta-feira fez ótimos 0.77. No FX Versace mantém sua jornada de queda ao oscilar negativamente para 0.28 (-0.06).

Análise Especial da Semana: Oscar

Oscar
Imagem: ABC/Divulgação

Assim que os números saíram na segunda-feira, acredito que todos já esperavam quais seriam as manchetes. “Audiência do Oscar de 2018 foram os piores da história,” foi o que a revista Time escreveu. O presidente dos Estados Unidos, inclusive, foi ao twitter para caçoar da premiação em virtude dos seus números medonhos. O problema é que Trump tem razão. Abaixo você consegue observar o tamanho do declínio desde 2013. É nesse momento que você me pergunta: porque eles caem? Confesso que é uma explicação complexa porque envolves diversos fatores, mas tentarei ser breve.

Desde sempre existiu uma grande diferença cultural entre as áreas urbanas e rurais. Após as eleições, entretanto, o país ficou muito mais polarizado. Hollywood, por sua vez, não tem um apelo muito positivo entre o eleitorado que ajudou a eleger o presidente. Muitos classificam a maior festa do cinema como a “reunião das elites”. Isso quer dizer que apelo dos “americanos médios” em relação a premiação é praticamente inexistente. Porque vou assistir uma premiação que não me respeita e me vê como deplorável?

Nós ainda não temos os números por regiões deste ano, mas vamos olhar os números de 2017 (abaixo). Com uma análise simples, é possível inferir que o naco mais de audiência vem da onde? Dos grandes centos urbanos. Nem pergunte da audiência em Oklahoma City, de Mobile ou de Pensacola.

Top 05 (2017):

1º. – New York City (31.1 no demo de 19-49 anos)
2º. – San Diego (30.7 no demo de 19-49 anos)
3º. – Los Angeles (30.5 no demo de 19-49 anos)
4º. – Chicago (30.5 no demo de 19-49 anos)
5º. – San Francisco (30.3 no demo de 19-49 anos)

Outro problema são os indicados. O jornalista Andrew Kirell pontuou com exatidão que as cerimônias de maior audiência foram aquelas cujos vencedores foram Titanic O Senhor dos Anéis. Ou seja? Foram filmes que todos assistiram. Ninguém quer assistir uma premiação para ver um longa que você não viu (e não vai assistir). A Forma na Água ficará abaixo dos 70 milhões de dólares na bilheteria americana; Moonlight fez menos de 27 milhões em 2017.

Exatamente por isso você escuta cada vez mais reclamações do porque Deadpool ou Mulher Maravilha não foram indicados a Melhor Filme.

Top 06:

90th Oscars: 6.7 no demográfico alvo; 26.5 milhões de telespectadores (2018).
89th Oscars: 8.7 no demográfico alvo; 32.9 milhões de telespectadores (2017).
88th Oscars: 9.7 no demográfico alvo; 34.4 milhões de telespectadores (2016).
87th Oscars: 10.3 no demográfico alvo; 37.3 milhões de telespectadores (2015).
86th Oscars: 12.1 no demográfico alvo; 43.7 milhões de telespectadores (2014).
85th Oscars: 13.0 no demográfico alvo; 40.4 milhões de telespectadores (2013).

About Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.