Crítica: Segunda temporada de Ozark se apresenta mais intensa e sombria

Imagem: Netflix/Divulgação

A familia Byrde navega em águas mais escuras

Quando Ozark começou sua trajetória, a comparação com Breaking Bad era inevitável. Um homem de família que depois de uma reviravolta na vida encontra no mundo do crime a única saída para salvá-la de um colapso. A primeira temporada da série mostrou que, apesar de algumas semelhanças, ela era original. Já o segundo ano vem para provar que são duas produções distintas e que Ozark tem vida própria e pode caminhar sozinha.

Retornamos ao ponto final da primeira temporada. Os Snells criaram um problema que está longe de terminar. Mas as consequências da chocante morte são deixadas de lado a medida que novas complicações surgem. Marty precisa lidar com outras questões e os problemas parecem se acumular. Praticamente, a cada episódio, surge um novo problema para os Byrdes resolverem. Tudo se torna uma potencial ameaça a família.

Continua após a publicidade

Os Byrdes, agora, trabalham com uma advogada inescrupulosa do cartel, Helen Pierce, vivida pela atriz premiada Janet McTeer que foi enviada para cidade para agitar as coisas. O novo trabalho de Marty e Wendy é abrir um cassino em tempo recorde a fim de lavar mais dinheiro e compensar o cartel por todo transtorno caudado.

A construção, leis sobre jogos e licenças para estabelecimento são pequenos incômodos que eles precisam driblar para finalizar o trabalho. Basicamente, a história da segunda temporada gira em torno do cassino e o lucro que pode gerar para os três pilares do crime da cidade, os Byrdes, Snells e Navarro.

Imagem: Netflix/Divulgação

Podemos dizer que agora que a lavagem de dinheiro se torna, de fato, o negocio da família quando vemos os filhos, Charlotte e Jonah mostrando que também têm talento para o negócio. Enquanto Jonah busca maneiras de ganhar atenção do pai criando sua própria demanda de lavagem de dinheiro, Charlotte segue a velha narrativa de adolescente rebelde que no final das contas toma a decisão de se emancipar.

Wendy agora está a frente do negócio com o marido. Essa relação de amor e ódio que eles vivem é testada a todo momento, principalmente quando ganham uma nova ameaça, Helen Pierce. Eles precisam provar que são bons parceiros, pelo menos nos negócios para garantir a segurança de sua família. Os dois tem a incrível habilidade de se adaptar as situações, principalmente quando estão mentindo. Mas a comunicação entre eles é péssima e isso é sempre motivo de discussão.

A frieza da advogada Helen Pierce é tão assustadora quanto a presença ameaçadora de Del, que já não está mais presente graças ao surto de Darlene no final da primeira temporada. Falando nos Snells, eles continuam incrivelmente lunáticos e brutais e suas vidas mudam muito nessa temporada. O agente do FBI Roy Petty mantém sua personalidade descontrolada e agressiva. Ele continua a incomodar Marty. Sua investigação se tornou uma obsessão e ao final encara seu destino.

Ruth foi sem dúvida a personagem de maior destaque

Não tem como falar de Ozark e não citar Ruth. Ela é uma das personagens que mais evoluiu desde o episódio piloto. Uma trajetória marcada por vícios, problemas familiares, que testam seu caráter e moral. Seria triste dizer que Ruth é vitima das circunstâncias, porque ela não se sente vitima. Ela aprendeu a se virar com todas as situações que foram acontecendo em sua vida.

Cuidar dos primos, gerenciar um clube de strip, os trabalhos paralelos de Marty e ainda ter que lidar com o retorno de seu pai abusivo e alcoólatra é muito para uma garota tão jovem. Ruth não tem os benefícios que Marty tem, segurança familiar e financeira. Mas as vezes se mostra mais forte que seu chefe quando tem que agir sob pressão. A atuação de Julia Garner é sempre intensa e explosiva. Sendo seguro dizer que Ruth é a personagem mais humana da história.

A cidade mais uma vez funciona como um segundo protagonista da história apresentando uma fotografia sempre azulada e meio sombria. A familia Byrde está presa em Ozark, então toda trama está presa na cidade também. O plano de finalizar o cassino e fugir de Ozark se mostra cada vez mais difícil de alcançar. E quando tudo parece melhorar, Marty se dá conta que está preso a cidade e não há para onde fugir.

Continua após a publicidade

A segunda temporada aprofunda e amplia a questão da corrupção, lavagem de dinheiro e se arrisca a pontuar questões políticas. Mesmo achando que a duração dos episódios é longa demais para a trama (em media 1h de duração), Ozark apresentou uma boa segunda temporada marcada por algumas mortes. Alguns inimigos foram derrotados, mas a família ainda está presa ao esquema de lavagem e a cidade. Em uma possível terceira temporada há muito drama familiar a ser explorado e novas complicações para testar ainda mais a resistência da família Byrdes.

Ozark 2a Temporada

Nota da temporada - 8.5

8.5

Crítica da Segunda Temporada de Ozark, da Netlfix.

User Rating: Be the first one !

About Yuri Alves

Yuri Alves
Bacharel em Direito, fascinado pelo universo dos heróis e um viciado por séries e filmes. Um escritor a procura de seu espaço. Amante dos livros e da boa música. A série da minha vida, The OC. No Mix, sou responsável pela review das séries, The Defenders, Dynasty, Blinspot, Ozark entre outras. Quando não estou no cinema ou maratonando uma série estou me aventurando na cozinha.