Don’t Trust The B**** In Apartment 23: Quem avisa amigo é

Imagem: ABC/Divulgação

Antes de conquistar uma legião de fãs ao interpretar a heroína Jessica Jones na parceria entre Marvel e Netflix, Krysten Ritter conseguiu a façanha de ser amada e odiada ao mesmo tempo numa inesquecível comédia, que teve seu fim precoce, infelizmente.

Imagina que você conseguiu o emprego dos sonhos em uma das cidades mais badaladas do mundo e, ao chegar no primeiro dia de trabalho, descobre que a empresa fechou. Nada contente, precisa arranjar um teto para morar e um novo emprego para se manter, e ainda por cima no dia do próprio aniversário flagrar seu noivo na maior pegação com sua nova roomate. Senhoras e senhores, isto é Don’t Trust The B**** In Apartment 23.

Lançada durante a midseason de 2012 pelo canal ABC, a série mostrava a história de June, uma jovem de Indiana, que se muda para Nova York. O que era para ser seu grande momento torna-se seu pesadelo e a personagem, então, precisa recomeçar do zero para não ter que voltar para a sua cidade natal como uma perdedora. Nessa sua nova jornada ela acaba conhecendo Chloe, interpretada por Ritter. Politicamente incorreta, sem qualquer tipo de pudor, a moça possui um histórico nada bom quando o assunto é dividir o apartamento com alguém.

Tudo o que ela faz é proposital, e nos primeiros dias ela faz a vida da dócil June um verdadeiro inferno. Chloe sempre arma para expulsar suas colegas de quarto, mas dessa vez acaba provando do próprio veneno, pois a ex-executiva mesmo sofrendo nas mãos da morena, mostra-se persistente em ficar no local. A partir disso tudo as duas, aos poucos, vão se aproximando numa relação cheia de altos e baixos. E nessa imprevisível amizade, acabamos descobrindo mais sobre a “vadia do apê 23” no decorrer dos 26 episódios que o show tem.

O legal da série é que nem tudo gira apenas ao redor das duas. O terceiro protagonista da atração é o ator James Van Der Beek, que dá vida a si próprio. Na história ele é melhor amigo de Chloe, e que faz de tudo para tentar decolar sua carreira novamente, após o fim de Dawson’s Creek, série que o consagrou mundialmente. Aliás, não podemos esquecer de quando ele decidiu participar do Dancing With The Stars, que foi um dos melhores plots da comédia. Um dos pontos positivos de Apartment 23 é justamente isso, a forma como o ator lida com a sua carreira, e faz piada em cima disso. Podem falar o que for, mas para mim esse foi até agora o melhor papel dele na TV, pois era nítido o quão à vontade ele ficava em cena, sem contar a química com Ritter e Dreama Walker.

Imagem: ABC/Divulgação

Os personagens secundários também davam seus shows à parte, tendo os respectivos destaques os quais lhe eram cabíveis. Como não se lembrar de Robin, uma das primeiras colegas de quarto de Chloe? Quando June chega, a moça alerta sobre a crueldade da morena, só que ela possui uma certa obsessão pela personagem, e isso é simplesmente formidável. Não podemos esquecer também de Eli, o inconveniente vizinho de janela das moças, e que está sempre se metendo nos assuntos que acontece no apartamento delas.

De todos esses os melhores, sem dúvida, são Mark e Luther. O primeiro começou como chefe de June, quando ela decide então trabalhar de garçonete numa cafeteria para sobreviver. A química entre os dois era algo inexplicável, e era praticamente impossível não shippar a dupla. O problema é que quando então rolou um clima entre eles, esse encanto meio que passou, vai entender. Agora o segundo é o assistente pessoal de James, dono de um temperamento fortíssimo, e que sempre protagonizava as melhores cenas em seus conflitos com Chloe, pela atenção do ator.

O ponto exato de Apartment 23 era justamente seu humor totalmente no sense, com histórias que podemos considerar bem improváveis, mas que chegava uma hora em que não surpreendia mais. Um dos momentos mais caóticos da série foi quando Chloe armou um encontro para June, após ela terminar o noivado. O que a loira não esperava foi o fato de que o cara com quem saiu era o pai de sua colega, e que o rapaz ainda estava casado com a mãe dela, uma cadeirante. Imagina a situação embaraçosa e constrangedora.

A série estreou em abril de 2012, tendo seus dois primeiros episódios disponíveis no iTunes, Hulu e na ABC.com. A resposta da audiência em relação a comédia foi satisfatória de cara, a ponto de após a exibição do piloto na TV, o anúncio então de sua renovação então era feito. Porém um problema muito sério aconteceu depois disso. A atração teve uma audiência até que satisfatória, para os padrões de midseason, só que a emissora decidiu promovê-la para a fall season daquele ano, e realmente isso acabou sendo um verdadeiro tiro no pé. A audiência não respondeu a altura, amargando baixíssimos índices. O resultado? Apartment 23 foi cancelada em abril do ano seguinte, e tirada imediatamente do ar, faltando oito episódios ainda a serem exibidos.

 

Pouco tempo depois, a ABC decidiu então disponibilizar os episódios que ainda faltavam, em plataforma online. Eles foram exibidos entre os meses de maio e junho, porém mesmo assim deixando um final digno em aberto. Talvez ela fosse a série certa, porém no canal errado. E se tivesse sido exibida pela FOX, por exemplo, será que estaria ainda no ar? Isso jamais saberemos, mas que ela merece toda a atenção possível, mesmo com pouco tempo de vida, isso é fato.

Se você ficou curioso para acompanhar as confusões de Chloe, June e James, as duas temporadas de Apartment 23 estão disponíveis na Netflix. Corre lá, que a série é tão maravilhosa, que nem sentirá a maratona de tão rápida que será feita.

Comments

comments

About Eduardo Nogueira

Eduardo Nogueira
Administrador apaixonado por séries e música, sou fã assumido de Friends, e tenho guilty pleasure pelas séries da CW. No Mix sou editor de reality show, cobrindo atrações do gênero como as franquias The X Factor , The Voice, American Idol, entre outros. Faço também reviews das séries Mom, Supergirl, The Good Place, Scream, Fuller House e da brazuca A Garota da Moto. Além disso, deixo vocês sempre atualizados com as nossas Bolhas de Cancelamento, e também escrevo as colunas de Elenco e Teu Passado Te Condena. No tempo que me sobra faço um café para as visitas, rs. Ufa!
  • Juk

    Uma série hino dessas bicho <3
    Lembro que vi as duas temporadas em dois dias de tão gostosa que era, nem sei passar

    • Eduardo Nogueira

      Essa série era maravilhosa, uma pena ter acabado tão cedo!