Fanatismo sobre “romance” entre atores de Stranger Things já extrapolou da conta

Imagem: Netflix/Divulgação

Se existe uma coisa que pode matar a credibilidade ou a adorabilidade de uma série, são seus fãs.

Existem muitas séries por aí que possuem uma fã base extremamente fiel, a ponto de sair do racional e ir até o absurdo apenas para defender seu show ou uma verdade que muitos tendem como a certa. Tal comportamento chegou aos fãs de Stranger Things, e não é de hoje. Entretanto, atingiu um ponto que definitivamente extrapolou da conta.

Neste caso, me refiro aos fãs “torcerem” para que os atores Finn Wolfhard (Mike) e Millie Bobby Brown (Eleven) NAMOREM NA VIDA REAL. Sim, gente, porque não basta torcer para que os personagens namorem, agora também tem que torcer para que os atores se envolvam. E não preciso nem lembrar que estamos falando de duas crianças, certo?

Pois é. Chega a ser vergonhoso a forma como os fãs de Stranger Things estão tratando deste caso. Soa até mesmo como um abuso. Abuso de boa vontade, de ética e de repeito que eles precisam ter com os seus ídolos. Você torcer para que exista uma “quedinha” ou até mesmo um “primeiro amor” entre Mike e Eleven é uma coisa. Agora ficar criando TEORIAS, mandando mensagens, e dizendo absurdos sobre a relação dos dois atores, beira a um fanatismo doentio.

A última que vi, recentemente, foi em um grupo no Facebook, quando um fã questionou (e chorou) devido a Millie não ter parabenizado Finn por seus quinze anos – completados essa semana. E ainda começou a teorizar se haveria acontecido algo, preocupado com seu “Milleven“.

Se aconteceu algo, amigo? Claro que aconteceu. Esse tipo de comportamento, de “shippar” atores, ainda mais sobre crianças é desrespeitoso. Já achava um cúmulo aqueles vídeos virais, mostrando que um ignorava a paixão do outro nas entrevistas, mas agora chegou a um ponto insuportável.

Os fãs de Stranger Things precisam crescer. Amadurecer. Porque essas crianças já reclamaram sobre o assédio que estão sofrendo, e ainda por cima associado à uma “adultização” desnecessária.

Vamos deixar Millie e Finn serem crianças, desfrutarem desse momento, e venerar apenas o trabalho dos dois em tela? Porque não vamos querer carregar o fardo de termos sido culpados pela saída de um deles na série, por um possível mal comportamento de ambos, ou por começarem a ignorar os fãs. Porque do jeito que a situação está, é provavelmente isso que irá acontecer.

Cresçam. É a palavra de ordem para os fãs de Stranger Things, que ainda estão obcecados com essa história.

About Anderson Narciso

Anderson Narciso
Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.