Grey’s Anatomy – 14×07 – Who Lives, Who Dies, Who Tells Your Story

Imagem: ABC/Divulgação

Acreditem que os sonhos possam se realizar, pois isso é um fato. Depois de 300 episódios mesclados com muito drama, humor, tensão e lágrimas que poderiam criar uma represa, Grey’ Anatomy nos presenteia com um episódio de puro amor para celebrar essa conquista.

Como se fosse uma carta aos fãs, esse episódio foi perfeito do começo ao fim e foi impossível não segurar as lágrimas ao vermos pacientes parecidos com Cristina, George e Izzie. Tivemos homenagem ao Derek, ao Mark, à Little Grey; o retorno de Sophia e a clássica abertura, além de muita tensão. Até Cristina Yang apareceu toda sorridente ao ligar para Mer e comemorar mais uma conquista de sua BFF. Enfim, a nostalgia esteve presente e eu só me senti orgulhosa de se ser fã desse seriado.

A forma como os roteiristas encontraram de homenagear personagens que amamos e aprendemos a superar a sua partida foi linda. Com certeza, foi uma bela homenagem aos fãs de Grey’s Anatomy. Em cada cena, eu procurava achar algum defeito e eu não consegui. A história estava bem amarrada, as reações de Mer, Alex, Bailey e Richard ao encontrarem os babies George, Cristina e Izzie foram perfeitas, sem mencionar nas insinuações que os roteiristas jogaram com os primeiros episódios do seriado. Lotado de easter eggs, o episódio 300 de Grey’s Anatomy me conquistou. Uma cena em específico, fez meu coração parar e eu desabei de chorar: quando vi a foto da Callie, do Mark e da Arizona segurando a pequena Sophia.

Achei lindo a forma como Alex contou para Jo como imagina que Izzie esteja e realmente isso foi uma patada para os fãs que ainda torcem para que Katherine Heigl faça uma participação especial no seriado. Eu confesso que eu sempre shippei Izzie e Alex, mas reconheço que um possível retorno da personagem está completamente fora de questão. Talvez seja por isso que achei maravilhoso o episódio como um todo. Eu já esperava que Bailey não iria reagir bem com a notícia de Ben largar a medicina para virar bombeiro, mas confesso que acabei me surpreendendo com as atitudes dela e revi a velha Nazi atacando seu marido pelos quatro cantos do hospital.

Eu ainda não consegui superar a separação de Owen com a Amelia e, talvez seja por isso, que eu não consigo curtir a irmã tarada por estudar orgasmos com Owen. Se eu ainda tivesse que ver Owen voltando para os braços da Cristina ou descobrindo que sempre amou a Teddy, eu até entenderia, mas esse lenga lenga ridículo em tentar fazer com que Amelia e ele sejam melhores amigos não dá para engolir. Eu espero que os roteiristas não aprontem mais nada tosco para os dois, porque eu não vou me segurar de tanta raiva.

Aliás, ainda não consegui entender qual é a dos roteiristas em querer achar um casinho do passado do DeLucca para estremecer o hospital? Tudo bem que é muito gratificante ver a evolução do personagem e eu até que me interessei em saber que ele tem um passado que não seja ser o ex da Maggie ou o cara que defende Jo e fica de quatro por ela, mas ainda quero descobrir o intuito de tudo isso se existem personagens que merecem mais destaque no seriado. Nem preciso mencionar que estou amando esses novos internos e senti um leve toque do MAGIC presente nas cenas deles.

Entretanto, nada me preparou para ver Meredith Grey ganhando o prêmio Harper Avery. Sério, eu chorei ao ver todos aguardando o momento que Mer ganhasse e foi uma linda surpresa que Bailey e Richard fizeram para a protagonista. Mer é o sol do seriado e mereceu esse prêmio. Ellis Grey deve estar se remoendo no túmulo por descobrir que estava errada ao dizer que sua filha era uma pessoa comum; Meredith Grey é extraordinária e a força que essa mulher tira para continuar andando no carrossel é incrível. O discurso de Jackson para ela foi lindo e representa exatamente tudo o que Meredith é. Sem contar que ela merece todos os aplausos do mundo por ter abdicado de uma noite de gala para fazer o que ela sabe de melhor: salvar vidas.

“Dr. Grey has experienced more loss in her life than, I think, most of us would deem fair. She lost her little sister, Lexie Grey, who I know would love to be here tonight with us. She lost her husband, Dr. Derek Shepherd, who knew with total certainty that this night would happen. And she also lost her mother, Dr. Ellis Grey, who won this Award twice, once as a resident, and probably would’ve won a few more if she hadn’t been taken from all of us so young. The most amazing thing about Meredith, though, is that she takes all that pain, all that loss, and she turns into drive. Drive to save lives, to make things better. And despite all that she’s lost, she continues to find joy in her work as a surgeon, as a teacher, as a mother. And she managed to share that joy through her spirit of discovery and of possibility and of hope, right in the face of darkness. I am profoundly grateful for the lessons that I have learnt from Meredith Grey. And it is my distinct honor to accept this Award on her behalf. Congrats, Meredith!” (Jackson Avery)

É claro que ver Zola afirmando que quer ser neurocirurgiã como o pai dela foi uma forma maravilhosa de nos mostar que o seriado ainda tem muitas coisas para nos presentear. Eu mesmo acharia lindo e incrível ver Zola sendo médica e seguindo os passos de seus pais. A fala dela ao dizer que ainda sente saudades do Derek me deixou sem ar, até porque até hoje ainda não superei a morte do personagem, embora eu entenda que foi uma forma digna de encerrar a jornada do OTP do seriado sem que tivéssemos aquela sensação de que Derek e Mer se separaram porque quiseram. Na verdade, hoje eu entendo que Shonda Rhimes quis mostrar que somente a morte poderia separar o casal mais amado de Grey’s Anatomy.

E, assim, encerro essa review já ansiando para mais 300 episódios.

Who Lives, Who Dies, Who Tells Your Story

Nota do Episódio - 10

10

Review do sétimo episódio da décima quarta temporada de Grey's Anatomy, da ABC, intitulado de "Who Lives, Who Dies, Who Tells Your Story".

User Rating: 4.45 ( 1 votes)

Comments

comments

About Gabriella Siggia

Quem eu sou? Eu sou uma em um milhão: escritora nas horas vagas, seriadora de coração, cinemática de plantão e amante da literatura. Divertida, alto astral e bastante bem humorada. Só não achei ainda minha outra pessoa. Ah, música faz parte da minha vida.
  • Paola Rezner

    Excelente review,mais discordo a parte do owen e carina ali não vai durar muito,ali é apenas sexo, é forçado Owen é extremamente frio,mais quero Amélia bem longe do Owen,amei Amélia mostrando para ele que estava errado na cirurgia , Owen precisa aprender e muito com seus erros,precisa ficar sozinho sem pegar ninguém

    Feliz pela Meredith
    Feliz para Arizona com a volta de Sófia