SEAL Team, The Brave ou Valor: Qual a melhor nova série militar da temporada?

Imagem: CBS/CW/NBC

Para quem gosta de série militar, a fall trouxe vários títulos estreantes para satisfazer a galera dos mais variados gostos. Com um breve resumo, darei minha opnião de qual vale mais a pena maratonar.

Começando com SEAL Team, a nova série da CBS que tem como personagem principal o eterno Booth de Bones, David Boreanaz.

A série é até boa, mas preciso dizer que as vezes eles forçam a amizade. SEAL Team vem nos contar a história do grupo de operações especiais da marinha americana. Eles são responsáveis por resgates de americanos sequestrados, perdidos ou em perigo em várias regiões do mundo. Sempre seguindo seu líder, Jason Hayer (David Boreanaz), a equipe corre risco e enfrenta tiro, porrada e bomba para completar suas missões.

Imagem: CBS/Divulgação

São ao todo 5 homens que sempre juntos vão à campo, eles também contam com uma equipe na base americana para dar suporte. A série mostra também o treinamento dos homens que querem integrar estas equipes e como é o convívio deste militares com suas família, já que é algo perigoso, estressante e cheio de segredos, pois a maioria das missões é confidencial.

Não posso dizer que achei a serie ruim, não, não achei. Mas vamos combinar? Forçadaaaaaa.

Tipo, beleza que os cara são super-treinados, são da elite do comando americano e blábláblá, mas teve hora em alguns episódio que eu só parei e pensei: “serio isso?”. Acho que se os produtores querem emplacar mesmo, precisam dar uma melhorada na pirotecnia que tá demais (Cito o Booth, digo, Jason, enfrentando sozinho, num carro velho, uns 10 caras armados ate nós dentes e sair ileso, ele e o carro. Oi?). Resgates mirabolantes e pesquisas mal feitas, (o último episódio supostamente começou no Brasil, mas usaram ônibus e um cenário Uruguaio) estão forçando muito a série  e deixando um gostinho de “sei não, em”.

Já a também estreante Valor, CW, é focada na sub-tenente da aeronáutica Nora Madani, uma co-piloto de fuga do exercito que juntamente com o Comandante Gallo, teve seu helicóptero atacado em um resgate e foram forçados a abandonar os amigos para sobreviver. Só que 2 dos caras estavam vivos e foram sequestrados por terroristas, o que deixou a sub-tenente e o Comandante em alerta máximo, já que eles mentiram em seus relatórios.

Imagem: CW/Divulgação

Gostei muito da série sim, achei bem dinâmica e mostra bem que o exército americano está longe de ser aquela fortaleza impecável que eles querem mostrar. Senti a dor da esposa de um dos sequestrados com sua tristeza e angustia por não saber onde o marido estava e ter que mentir para o filho para não magoá-lo. Também achei bem legal quando a sub-tenente foi colocada em cheque e sucumbiu ao trauma e a dor. Ela, afinal, não foi é uma super-humana e não estava totalmente recuperada, e mesmo querendo provar o contrário, ficou evidente que os acontecimentos a machucaram física e psicologicamente. Acredito que haverá sim uma temporada inteira e, até quem sabe, uma renovação?

Agora, a série que, para mim, chegou chegando foi The Brave da NBC.

Mesmo com todos os rumores que a mesma já estaria cancelada, boato desmentido pelos produtores da emissora em contato exclusivo com o mix de séries, ela não deixou a peteca cair não. Os episódios são bem feitos, bem elaborados, a equipe é bem contruída, com todo um aparato em zona de guerra e em Washington. Enfim, eles conseguem o que querem, mas ralam pra burro.

A série que também fala de uma equipe de operações especiais como SEAL Team, inclusive são bem parecidas, mostra o dia a dia da equipe de Top e seus companheiros. Os caras giram o mundo resolvendo todos os problemas que surgem e o governo não pode oficialmente se meter. Com uma equipe que conta com uma central em Washigton e agentes na base da Turquia , eles são subordinado à vice-diretora de inteligência e defesa americana Patricia Campbel (Anne Heche) que, preciso dizer, me impressionou com sua força, e tem o suporte de uma equipe totalmente voltada ao apoio às operações.

Imagem: NBC/Divulgação

Dentre os agentes de campo temos o lider Top ou Adan (Mike Vogel), o Pastor (Demetrius Grosse), a atiradora de elite Jaz (Natacha Karam), o lindão (desculpem meninos) médico da equipe McG (Noah Mills) e o super espião Amir (Hadi Taball). Cada um com habilidades diferentes, juntos eles conseguem completar as missões sem deixar a gente com aquele desgosto no fim do episódio.

Muitas reviravoltas, uma pitada de amizade e uma torcida adiantada da minha parte para um futuro casal “fodástico”, fecham bem essa série que, na minha opinião, é a melhor estreia do gênero desta Fall.

Como eu disse, tem série para todos os gostos. Mulheres e homens, heróis e humanos, mostrando que até mesmo o exército mais bem treinado do mundo tem duas faces.

No final, acabam que cada uma tem o seu potencial, e cabe ao leitor decidir o estilo e formato que mais se identificam.

Espero que gostem das dicas de hoje e deixem seus comentários dizendo como foi a maratona, fechou?

Comments

comments

About LaryCarvalho

Mãe de 3 princesas, de 2 anjos de 4 patas e esposa dum homão da porra! Mantenho a mente sã legendando e assistindo série. Sempre tento ver as coisas pelo lado bom e espero sempre o melhor dos outros. Brasileira, mineira e feliz, Uai!