Sem acordo com distribuidora, Starz sai do ar na virada do ano

Imagem: Starz/Divulgação (03)

Negociações até as últimas horas de 2017 com a distribuidora Altice USA, não preveniram que o Starz e o Encore saíssem do ar na virada do ano na grande Nova York. As informações são do Deadline.

De acordo com a Altice, o canal recusou um contrato de curta duração para prevenir o apagão após a meia noite do dia 1º de janeiro. Com pouco menos de 05 milhões de assinantes na região metropolitana da cidade de Nova York e em alguns estados do meio-oeste, a distribuidora ainda afirma que fazer um acordo com o Starz forçaria um aumento de preço além do valor que a emissora cobra para o uso do seu próprio serviço de streaming.

Nós estamos focados em trazer o melhor conteúdo e experiência para nossos clientes e continuamos avaliando quais canais correspondem suas necessidades em relação ao custo da programação imposto pelos detentores do conteúdo,” afirmou a Altice USA em nota à imprensa. “Sabendo que o Starz está disponível para todos os consumidores através da sua plataforma digital, nós não acreditamos que faz sentido cobrar de todos os assinantes o custo da programação do Starz, particularmente num momento que a audiência está caindo e a maioria dos consumidores não assistem ao Starz,” completou.

A emissora respondeu. “Altice demonstrou sua má vontade em negociar de boa fé em detrimento dos nossos consumidores em comum, e eles removeram o Starz da sua plataforma. Nós continuamos disponíveis para discutir um acordo justo e razoável que servirá os melhores interesses dos nossos telespectadores mais leais,” disse a assessoria em nota.

Até que seja feito um acordo, a distribuidora vai substituir o Starz e o Encore por 17 canais aos assinantes de Nova York, como Hallmark Drama, Sony Movies, MGM HD e outros. O impasse é bem parecido com o que vimos entre a Sky e a Fox no início de 2017 e que provavelmente veremos entre a Sky e a Turner em 2018.

About Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.