Star Trek: Discovery – 1×03 – Context is for Kings

Imagem: SpoilerTV/CBS/Divulgação

Agora sim temos o início de fato da série. Os dois primeiros episódios serviram como um prólogo para entendermos os acontecimentos de Star Trek: Discovery. Em “Context is for Kings”, seis meses após ter sido presa por causar o início da guerra entre a Federação e o reintegrado Império Klingon, Michael agora é peça fundamental nessa batalha galáctica.

Desde o início do episódio, fica evidente que a presença de Michael na Discovery é mais do que uma simples missão de resgate e transporte de prisioneiros. Apesar de ter se amotinado, a personagem é uma das melhores oficiais da história da Frota Estelar e isso, com certeza, seria aproveitado pela Federação. Ela parece estar bastante arrependida e inundada pelo sentimento de culpa por ter causado a morte de mais de 8 mil tripulantes da USS Europa, que foi atacada por uma nave Klingon no episódio anterior.

Diferente de Michael, Saru foi promovido após o motim. Agora primeiro oficial, o personagem é o único que parece, de fato, ainda ter um certo carinho por Michael. Embora tenha medo de uma nova insubordinação, ele ainda acredita no potencial da ex-integrante da Frota. O personagem tem bastante potencial para ser bem aproveitado no decorrer da série. Sua seriedade e comprometimento deve ser fundamental nos combates dessa guerra.

Entre os personagens introduzidos no episódio, o Capitão Gabriel Lorca é, de longe, o com os objetivos mais obscuros. Por fora o personagem passa a imagem de totalmente preocupado com os interesses da Federação, entretanto, internamente o misterioso comandante parece ter seus próprios objetivos com esse embate. O final do episódio deixou isso mais evidente. Qual a razão para manter capturada a criatura monstruosa que matou seus colegas e Klingons na USS Glenn? No mínimo suspeito.

Um personagem que me confundiu no episódio foi o arrogante e mal humorado Tenente Paul Stamets. O astromicologista (nem sabia da existência desse termo) começou o episódio parecendo que ia ser um tormento na vida de Michael. Mas com o decorrer da história, seus reais motivos ficaram claros e, confesso, criei uma certa empatia pelo personagem. Eu também não iria querer que a Federação se apoderasse do trabalho da minha vida.

Por fim, tivemos a introdução da divertida Sylvia Tilly, cadete e uma das melhores em engenharia da Frota. A personagem, engraçada e falante, é exatamente o oposto de Michael, quieta e pouco humorada. A relação delas deve ser um dos alívios cômicos da série, o que é bastante importante para que a trama não fique apenas em momentos de tensão e batalhas espaciais.

Easter-eggs:

  • Na primeira cena, os andorianos, a raça dos seres azuis, foram, mais uma vez, mencionada na série, indicando que eles devem logo aparecer em Discovery.
  • Na cena em que mostra o laboratório do capitão Lorca, é possível ver exemplares de várias espécies presentes no universo de Star Trek. Por exemplo, um esqueleto de um gorn é visto na cena.
  • O Prêmio Zee-Magnees mencionado pelo tenente Stamets já foi recebido pelo Dr. Richard Daystrom, personagem da série original.
  • Michael lembra que, quando criança, sua mãe adotiva lia “Alice no País das Maravilhas” para ela e seu irmão adotivo, o inesquecível Spock. Na série animada, Spock menciona que sua mãe era fã do trabalho do autor do famoso livro.
  • Durante a cena em que Lorca mostra a capacidade do uso dos esporos, Michael é “transportada” para vários lugares da galáxia. Entre eles, o planeta de Amerinda. Nele é possível ver a figura de um obelisco, estrutura mostrada na série original.

Continue acompanhando as reviews semanais de Star Trek: Discovery aqui no Mix de Séries. Abaixo, assista a promo do próximo episódio.

Context is for Kings

Nota do Episódio - 8.5

8.5

Review do terceiro episódio da primeira temporada de Star Trek: Discovery, da CBS, intitulado "Context is for Kings".

User Rating: Be the first one !

Comments

comments

About Matheus Ronconi

Paulista, universitário e viciado em séries. Gosto de um pouco de tudo, desde a simplicidade dos sitcoms da CBS até as grandiosas produções da HBO, passando por tudo que envolva super-heróis. No Mix faço review de The Exorcist, The Big Bang Theory e Star Trek: Discovery.