#TBT: Há uma semana começava a CCXP 2017! Relembramos os melhores painéis

Imagem: Anderson Narciso/Mix de Séries.

Há apenas uma semana começava a Comic Con Experience 2017. Há menos tempo, o evento acabava. Em quatro dias, a feira nos entregou belos painéis. Muitas novidades e gente bacana passou pelo palco do auditório principal, o Cinemark. Hoje, no nosso #TBT, relembramos os cinco melhores painéis da CCXP.

Para começar, o mais emocionante: a homenagem à Fernanda Montenegro. Era impossível segurar as lágrimas ao ver a maior atriz do país emocionada. Assistir aos vídeos especiais, que resgatavam trechos da brilhante carreira da atriz, serviu para comprovar que uma das maiores atrizes do mundo reside aqui, no Brasil. Num papo cheio de energia, Fernanda falou sobre a importância de se fazer arte no Brasil, do seu amor pelo palcos e sobre jamais andar só. Para ela, ninguém evolui e é feliz sozinho.

Imagem: Daniel Deak/CCXP

Dentre os estúdios, quem começou chutando o pé na porta de verdade foi a Fox. Com seus principais lançamentos, a empresa iniciou com novidade. Com a presença do diretor Robert Rodriguez e do mega produtor Jon Landau, o filme Alita: Anjo de Batalha foi apresentado com seu primeiro trailer. O vídeo, já disponível na web, impressiona pelos efeitos e pela coragem em adotar certas liberdades visuais. Outras convidadas foram Maísa Silva e Thalita Carauta, dubladoras da animação O Touro Ferdinando, dirigida pelo brasileiro Carlos Saldanha. Além de destacarem a importância da dublagem, que vai além do mero uso de voz, a dupla ainda apontou Ferdinando como um longa-metragem necessário e importante para as crianças, e que mais produções do tipo devem ser incentivadas, já que é preciso uma semente de bondade já nos primeiros anos de vida.

O ponto alto do painel contudo, foi Maze Runner: A Cura Mortal. Com a presença de Dylan O’Brien, o estúdio ainda revelou um novo trailer e os onze primeiros minutos de filme. E o resultado é incrível: repleto de ação ininterrupta, o trecho exibido no auditório Cinemark empolga até quem não é fã da saga. Bem orquestrada, a sequência prepara o terreno para o que parece ser um emocionante final de trilogia. Simpático, O’Brien falou pouco, mas empolgou a plateia, cheia de fãs. Além do já conhecido amor pelo Brasil esbanjado pelos artistas, o ator destacou o sentimento agridoce em finalizar no mesmo período, duas das produções mais importantes de sua carreira: Teen Wolf e Maze Runner.

Quem também fez bonito foi a Sony. Aliás, o melhor painel de estúdio da CCXP 2017 talvez seja o da Sony. O motivo é simples: respeito ao público, novidades, material realmente inédito e surpresas. Muitas surpresas. Dentre os pontos altos, as presenças – não esperadas – de Chris Miller e Phil Lord já mostravam que o estúdio estava investindo alto na feira. Arrebatando a plateia, os diretores trouxeram o primeiro trailer de Homem Aranha no Aranhaverso, animação anunciada no palco do Cinemark. Quem também deu as caras foi Nick Jonas, representando Jumanji: Bem-Vindo à Selva.

Imagem: Daniel Deak / CCXP

Nada havia preparado o público para o que vinha depois. Em um link ao vivo, no telão do auditório, surge Ruben Fleischer, diretor de Venom. A plateia delira. O cineasta fala diretamente com o público diretamente do set da nova superprodução do estúdio. A coisa fica realmente insana quando Tom Hardy surge no vídeo. O astro explica que a ideia era fazer uma breve visita ao Brasil, mas a neve que caía impediu o voo. Assim, eles resolveram compensar com um recado ao vivo, além de camisetas personalizadas exclusivas da CCXP 2017. Ao fim, uma enorme bandeira negra foi estendida sobre o público de 3500 pessoas. Um dos momentos mais épicos da Comic Con brasileira!

Quem também fez bonito foi a Warner. E aqui vale citar três momentos específicos: primeiro a entrevista com Simon Pegg e Tye Sheridan, representando o novo filme de Steven Spielberg: Jogador Nº 1. Com um novo e empolgante trailer na bagagem, a dupla falou sobre a experiência de trabalhar com um dos maiores diretores de Hollywood, além das dificuldades da captura de movimentos. Outra convidada que arrancou aplausos da plateia foi Alicia Vikander. Embora o filme Tomb Raider não empolgue e a atriz pareça fechada demais, este foi outro bom momento da Warner na CCXP, que encerrou da melhor maneira possível: anunciando os próximos lançamentos da DC Comics, dentre eles, Justice League Dark, Green Lantern Corps e Batgirl.

E como não poderia faltar, a Netflix também fez um belo painel – duas vezes! Em um dia, trouxe as novidades dentre as séries, como as novas temporadas de 3% e o final de Sense8. O ponto principal, contudo, foi Altered Carbon, novo show estrelado por Joel Kinnaman. Além de trechos impressionantes (talvez uma das maiores produções originais da plataforma), o elenco conquistou o público: comunicativos, os atores envolveram a plateia em um papo descontraído e bem articulado, um dos mais interessantes e arejados de todos os painéis.

Imagem: Daniel Deak /CCXP

No domingo, foi a vez da Netflix trazer Bright, seu novo filme original. E o grupo exibiu na íntegra a nova produção de David Ayer, estrelada por Will Smith e Joel Edgerton. E foram justamente esses três que subiram ao palco ao fim do filme. E Will Smith é um showman. Sempre sorridente, o astro parece ter nascido para agradar multidões. E faz isso com maestria. Além de divertir, ainda conversou sobre o filme, uma mistura de Dia de Treinamento com O Senhor dos Anéis, segundo ele. Will fez rap, gargalhou, declarou que quer morar no Brasil e ainda cantou o tema de Um Maluco no Pedaço. Épico!

About Matheus Pereira

Matheus Pereira
Gaúcho, estudante de jornalismo e viciado em séries. Tem séries pra assistir de mais e tempo de menos. Séries favoritas? Six Feet Under e Breaking Bad.