Temporada 3B de Fuller House traz a série definitivamente de volta às origens

Imagem: Netflix/Divulgação

O presente de Natal chegou um pouquinho antecipado por parte da Netflix. Na última sexta-feira (22), a plataforma streaming disponibilizou a segunda parte do terceiro ano da comédia Fuller House. Depois do cliffhanger deixado na fall finale, o primeiro episódio da nova leva mostrou o que esperávamos nesses últimos três meses: a viagem ao Japão.

Tudo foi muito rápido, porém necessário. Seria um absurdo estender essa viagem por mais de um episódio, e em menos de meia hora vimos Matt pedindo DJ em casamento e tudo indo contra Steve e CJ. Esse lance da cerimônia ser em outro país lembrou muito o matrimônio de Ross e Emily em Friends, que ocorreu na Inglaterra. Cheguei a pensar que Steve, inclusive, fosse trocar os nomes, mas isso não aconteceu. Seria muita falta de originalidade, mas gostei da honestidade dele. Ao mesmo tempo, DJ deu um fora no noivo, rendendo um episódio pra lá de bombástico.

Um receio que tive foi de focarem no pós casório, afinal de contas, temos um outro plot muito mais interessante de se acompanhar. Apesar de ter adorado o que aconteceu, achei bem coerente o lance de DJ dar um tempo para pensar em tudo que aconteceu entre eles, pois assim daria oportunidade para o tão esperado bebê de Stephanie.

Na minha última review de Fuller House, eu havia apostado que a assistente de Matt e DJ na clínica poderia ser uma possível barriga de aluguel para Steph, mas depois que o texto subiu, passei a pensar algo totalmente diferente. Seria algo meio louco, mas já visto em Friends, que seria Kimmy se voluntariando para que seu sobrinho ou sobrinha possa se desenvolver até seu nascimento. Pois bem, foi dito e feito, com direito em vermos a personagem em repouso após o procedimento de fertilização, igual ocorrido com Phoebe. Pelo menos eles saíram um pouco das inúmeras referências a Full House, não é mesmo?

Imagem: Netflix/Divulgação

Por mais que Max seja um dos meus personagens prediletos da série, nessa segunda metade da temporada quem se acabou se sobressaindo mais foram seus irmãos. Tommy está se tornando a versão masculina de Michelle, preenchendo assim o espaço da personagem na série, já que suas insuportáveis intérpretes não querem voltar nem para uma participação especial (não fazem mais falta). Achei bacana, inclusive, um episódio só para ele e ver o quanto o bebê já cresceu. A velhice bateu de vez quando Fernando lhe comprou uma cama, aliás, que dupla ele com Tommy, não acham? Claro que Fernando e Max são meu segundo bromance favorito da série, mas esse que acabou surgindo se tornou o meu terceiro com lugar cativado no coração.

Jackson continua evoluindo, mostrando que essa temporada foi dele, em relação ao elenco juvenil. Finalmente colocaram a embuste da Lola para correr (não vai fazer falta), e colocaram Rocky em mais evidência. Aliás, que casal! Amei os dois juntos, e eu os shippei desde o começo, para o desespero de DJ, já que a garota é filha de Gia, por quem a veterinária não morre de amores. Falando na amiga de infância de Steph, gostei dela aparecendo mais nesses episódios, e a amizade delas sendo retomada. Que ela apareça mais vezes na possível quarta temporada.

Quem não teve tanta sorte assim nesses episódios foi Ramona, que a senti muito apagada. A filha de Kimmy e Fernando é maravilhosa, mas seus plots infelizmente foram totalmente desnecessários. Uma pena isso acontecer, pois ela é uma das melhores personagens de Fuller House e merece uma maior atenção. Vamos torcer para que isso se reverta na próxima temporada. E Jimmy? Literalmente foi esquecido no churrasco, sendo lembrado apenas nos dois últimos episódios.

Eu gostei de DJ finalmente escolhendo Steve para ficar junto, afinal de contas um nasceu para o outro, mas a enrolação para isso acontecer me deixou revoltado. Com isso, será que não veremos mais Matt com tanta frequência? Pois na sua última aparição, até o momento, o veterinário revelou que abrirá uma nova clínica encerrando a sociedade com nossa protagonista. Sinceramente eu queria muito, por mais que seja ironia do destino, vê-lo junto com CJ, vamos aguardar. Aliás é capaz de vermos a personagem de volta para mais alguns episódios, ainda mais com a volta de Rose na season finale. O romance dela com Max é coisa mais linda e genuína da série, por mais que há quem garanta que o garoto possa ser gay. Deixem as crianças em paz, curtir a história deles, e depois pensa nisso (ou não).

Imagem: Netflix/Divulgação

Com o desfecho do triângulo amoroso principal, os dois últimos episódios foram focados totalmente em Stephanie. Além disso, tivemos a presença do elenco veterano de volta, como forma de comemorar também os 30 anos de Full House. A reta final da temporada contou com grandes surpresas, como a volta de Vicky, ex-noiva de Danny. Quando a personagem retornou juro que quase dei um grito aqui, pois sempre shippei loucamente os dois e lamento até hoje de não terem terminado juntos. Mas será que veremos mais dela na próxima temporada? Danny dará uma nova chance, ou se tornarão apenas bons amigos?

Depois de muito suspense, Kimmy revelou estar grávida e, pra mim, foi um dos momentos mais emocionantes da temporada, perdendo apenas para a cena seguinte. O que foi Danny dizendo que ela sempre foi da família? Meus amigos, juro pra vocês, o emocional aqui ficou abaladíssimo e quase morri de chorar nessa parte. Espero que explorem a gravidez do começo ao fim do ano quatro da série. Será que vem trigêmeos? Porque tenho certeza que não será apenas uma criança a caminho.

Encerro essa crítica demonstrando um pouco de incomodo com uma coisa apenas: a volta dos veteranos. Do nada todos voltam para San Francisco, e tipo só a parte de Jesse e Becky que curti. Se pararmos para pensar, Joey virá com aquelas crianças insuportáveis que são seus filhos, mas será que tem coerência Danny voltar a morar com as filhas? Eu acho isso algo arriscado, e tirar um pouco a essência da série, mas posso estar enganado também. Só sei de uma coisa, o terceiro ano de Fuller House entregou um desfecho redondo, trazendo a comédia de volta às origens, e já estou ansioso para ver essa casa mais cheia ainda, mesmo com um pé atrás.

Até a próxima temporada! Netflix, agiliza logo o anúncio da renovação!

Temporada 3B de Fuller House traz a série definitivamente de volta às origens

Nota da Temporada - 9

9

Resenha da segunda metade da terceira temporada de Fuller House, da Netflix.

User Rating: 5 ( 1 votes)

Comments

comments

About Eduardo Nogueira

Eduardo Nogueira
Administrador apaixonado por séries e música, sou fã assumido de Friends, e tenho guilty pleasure pelas séries da CW. No Mix sou editor de reality show, cobrindo atrações do gênero como as franquias The X Factor , The Voice, American Idol, entre outros. Faço também reviews das séries Mom, Supergirl, The Good Place, Scream, Fuller House e da brazuca A Garota da Moto. Além disso, deixo vocês sempre atualizados com as nossas Bolhas de Cancelamento, e também escrevo as colunas de Elenco e Teu Passado Te Condena. No tempo que me sobra faço um café para as visitas, rs. Ufa!
  • Ana

    Parece que você pegou tudo que eu pensei ou falei durante a temporada e colocou no seu texto hahaha