The Flash – 3×21 – Cause and Effect

Imagem: CW/Divulgação

Para toda ação há uma reação.

Este episódio começa no exato segundo onde o último episódio foi deixado, com Barry conversando com o Barry do futuro após a descoberta de sua identidade. A partir daí, muitas informações e respostas quanto a Savitar e sua origem nos é apresentada. Toda a explicação, tanto durante a conversa entre os dois onde o Barry do futuro explica quem ele é e como se tornou Savitar, seguida por Cisco explicando tudo detalhadamente para o grupo, foi incrível… e confuso ao mesmo tempo. Foram tantas as informações para absorver que tive que pausar e rever todas as falas (algumas mais de uma vez), tanto que os primeiros 10 minutos de episódio levei quase 30 minutos pra concluir (não, não sou lerdo. Só quis entender tudo melhor).

Savitar é mais uma – e a maior de todas – consequência do Flashpoint Paradox, evento criado por Barry no início da temporada. Toda a temporada se desenvolveu seguindo as mudanças, erros e aberrações causadas por essa viagem no tempo e agora culminamos no seu principal e maior problema, um reminiscente do tempo. E pra piorar, um que conhece todos os seus pensamentos e sabe todos seus passos, o que deixa Barry e toda sua equipe num beco sem saída. Então porque não mexer em sua memória, fazendo assim com que a memória de Savitar também seja afetada? Só poderia dar problema não é mesmo? E essa foi a premissa do episódio.

Nessa semana, The Flash teve um dos seus episódios mais engraçados e tocante em muito tempo. Grande parte do episódio eu passei rindo de Barry e Cisco. A série prova mais uma vez quão talentoso Grant Gustin é, principalmente envolvendo cenas cômicas, muitas vezes de forma sutil. Seja um gesto, uma expressão ou uma simples frase. Sua ações sem suas memórias nos levaram de volta aos tempos da primeira temporada e mostrou como esta série já foi e ainda pode ser sem todo esse peso dramático pelo qual tem passado no último ano, algo bem próximo do que vimos no episódio musical. Foi interessante ver também como essa mudança afetou o vilão Savitar e por consequência até mesmo Wally West (que adquiriu seus poderes graças a “ajuda” do deus da velocidade).

O papel de Íris dentro do episódio foi um ponto que me chamou muita atenção e talvez tenha sido quem teve uma abordagem mais interessante. Depois de Barry perder a memória, ela passa a notar nele sentimentos e características que com o tempo o personagem foi perdendo: seu humor e sua simplicidade. Cogitar não recuperar as memórias de Barry para que ele tenha uma chance de recomeçar sua vida pode parecer egoísmo, mas fez todo sentido para o momento dos personagens. Os diálogos entre os dois deixaram de ser os clichês maçantes que foram em episódios anteriores e se tornaram cenas muito boas para os atores em tela. Tanto que foi de uma dessas que saiu o melhor diálogo do episódio: quando Barry está refletindo sobre o que tornou o reminiscente do tempo no que ele é, e o que ele próprio terá que se tornar para derrotá-lo.

Nevasca começou a dar indícios de que poderá se recuperar em breve, infelizmente. E digo dessa forma pois ver Caitlin como Nevasca foi a melhor coisa que já aconteceu a personagem na série e tem sido uma das melhores tramas dessa temporada. Ver isso ser desfeito em breve será desanimador. Queremos ver a vilã causando mais problemas na vida da equipe. Quanto a sua cena final no elevador, abrem-se duas vertentes (que poderão ter suas respostas já no próximo episódio): o olho de Caitlin piscou em um momento de recaída da personalidade de Nevasca, ou pode até mesmo ter mostrado que Caitlin esteve ali consciente esse tempo mas que se aliou a Savitar com alguma intenção. Talvez para de alguma maneira encontrar uma forma de derrotá-lo, o que seria um rumo interessante também. Mas por enquanto fico na torcida para o lado má da personagem.

Os efeitos visuais do episódio estiveram impecáveis nesse episódio, como tem sido nos últimos também. Somando isso ao bom desenvolvimento que a série tem tido, podemos dizer que as expectativas para os dois últimos episódios são boas. Apesar do respiro cômico que tivemos nesse episódio, o começo e o final foram bem amarrados à trama de Savitar. Agora é questão de não se perderem e deixarem a qualidade cair, para que possamos ter ao menos uma boa conclusão nesse interessante terceiro ano.

PS: Cisco dizendo ao Bandido Térmico sobre seu nome: “Eu gosto. Acho o máximo”. Morri!

EASTER EGGS:

– Neste episódio, após perder a memória, Barry Allen pede para ser chamado de Bart. Nos quadrinhos, Bart Allen é o neto de Barry e Íris. Ele também ganha os poderes de um velocista e se torna o herói Impulso. Mais tarde quando Barry é morto e Wally (até então o Kid Flash) se torna o novo Flash, Bart vira o novo Kid Flash. O personagem foi introduzido em Flash #91, em junho de 1994.

– O vilão piromaníaco Lucious Coolidge, o Bandido Térmico, que apareceu nesse episódio, não existe nos quadrinhos.

– Mick Rory, o Onda Térmica, é mencionado pela CCPD como desaparecido, indicando que a polícia não sabe sobre seu paradeiro. Rory é membro do team Legends of Tomorrow e não se encontra nem em Central City, nem em 2017.

– Cisco falou negativamente sobre Hartley Rathaway, seu ex-colega de trabalho que se tornou o vilão Flautista. Entretanto, em sua última aparição, a personalidade de Hartley pareceu alterada graças às viagens no tempo de Barry. Hartley ajudou o team Flash e pareceu estar em bons termos com Cisco. É possível que o incidente em Flashpoint possa ter alterado o personagem de volta a seu comportamento arrogante.

– Barry Allen nasceu em 14 de Março de 1989.

– Na carteira de motorista de Barry, vemos que ela foi renovada em 10 de Março de 2014, o que é impossível já que Barry esteve em coma de 11 de Dezembro de 2013 a Setembro de 2014.

– No colegial, Barry era um grande fã de Dragon Ball Z. Coincidentemente, este episódio foi exibido no mesmo dia em que no Japão se comemora o “Goku Day”.

– Referências Nerds by Cisco Ramon:
Cisco: “Como em Star Trek, quando o transportador divide o Kirk entre o Kirk do bem e o Kirk do mal. [Para HR] Diga que tem Star Trek em sua Terra.”
HR: “Voyager
Cisco: “Eu odeio spin offs
Cisco se refere ao episódio 1×05 “The Enemy Within” da série clássica (1966). HR cita a segunda série spin off, Star Trek: Voyager (1995).

Cause and Effect

Nota do Episódio - 8

8

Review do vigésimo primeiro episódio da terceira temporada de The Flash, da The CW, intitulado "Cause and Effect".

User Rating: Be the first one !

Comments

comments

About Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.

Check Also

Quantico – 2×22 – RESISTANCE [SEASON FINALE]

Com um final mais pensativo e fluente que o da primeira temporada, Quantico fecha mais …