The Voice US – 12×17/18 – Playoffs Live Shows

Imagem: NBC

Chegamos aos live shows, finalmente! Como de costume, nessa fase de playoffs os candidatos se apresentam e apenas doze vão para a próxima etapa. Agora o público começa a ter o poder de decisão, enquanto os jurados tomam seus últimos vereditos.

Além disso, nessa temporada tivemos o retorno do wildcard, elemento extra que traz de volta candidatos recém eliminados na disputa. Os escolhidos da vez foram: Johnny Hayes (Team Adam), Jack Cassidy (Team Alicia), Felicia Temple (Team Blake) e Johnny Gates (Team Gwen).

Vamos ao que interessa, não é mesmo?

 

TEAM BLAKE

 

Casi Joy – “Parachute”

Bernardo: Casi jogou na sua zona de conforto até aqui. Foi muito bonitinho e até mesmo prazeroso ter acompanhado sua jornada desde das audições. Entretanto, estamos na fase do “ao vivo”, e eu esperava mais, muito mais.

Edu: Blake e sua necessidade em transformar seus acts totalmente country, mas até que gostei do que ele fez com menina Casi. Como eu disse na apresentação dela nas blinds, a candidata possui uma diversidade muito grande, e sua sorte é evidente por conta disso. Foi uma performance boa, não vou negar, mas acho que outra música teria explorado bem mais seu incrível potencial.

Luke: Eu achei que Casi abriu a noite com uma performance sólida, mas não foi minha preferida dela na competição. Particularmente senti falta daquele detalhe único que ela tem na voz, mas tá valendo.

 

Felicia Temple – “Defying Gravity”

Bernardo: Essa música é muito difícil, até mesmo para alguns artistas da Broadway. Felicia tem muito talento, mas foi uma péssima escolha de música. Ela tem capacidade para fazer mais e ser mais impactante, por isso espero que ela continue para que mostre sua capacidade.

Edu: Fiquei muito feliz em saber que Felicia foi o wildcard de Blake, pois me partiu o coração em vê-la saindo no knockout, sem ter sido salva por ninguém. Agora, o que foi essa performance? Gente, Felicia é um fenômeno, e eu particularmente amei sua apresentação. A evolução em apenas uma semana foi evidente, teve alguns erros sim, mas bem menores de quando ela cantou Celine em sua última aparição.

Luke: Acho Felicia dona de um talento imenso, mas gente, só eu achei que essa música pra ela não foi a melhor escolha? Ela tem uma voz potente e incrível, mas pra mim não conseguiu mostrar seu verdadeiro potencial com a música.

 

Aaliyah Rose – “Brass In Pocket”

Bernardo: Aaliyah Rose é uma das mais irregulares do time do Blake, sendo uma hora surpreendente e em outra afunda de vez. Não acredito que ela sobrevive, porque não tem expressividade, mas vamos ver o que acontece. Depois de 2016, digo com muita certeza que os americanos, ou 46% deles pelo menos, não sabem votar.

Edu: Sinceramente achei essa performance muito, mas muito chata. Música erradíssima, senti Aalyiah perdida, limitada, e sua voz não combinou em nada com a canção. Se depender desse número em específico, ela pode rodar por mim, mas vamos ver os próximos acts.

Luke: Assim como aconteceu com Felicia, achei que essa foi uma escolha musical nada certa para Aaliyah. Pelo que já tinha visto nas performances anteriores dela na competição, estava esperando algo diferente, mas pra mim não rolou.

 

TSoul – “Knock On Wood”

Bernardo: TSoul é o meu favorito do team Blake, e continuará sendo. Foi uma performance boa, bastante sólida e seguindo exatamente com tudo aquilo que ele fez até o momento. Acredito que ele precisa se arriscar um pouco mais em outros gêneros, mas com Knock On Wood” foi ótimo mais uma vez. E um elogio muito especial aos backing vocals, trabalho excepcional como sempre.

Edu: Próximo!

Luke: Eu gostei bastante! Acho TSoul um tanto quanto avulso no #TeamBlake, mas que o cara tem um baita talento isso sem sombra de dúvida,s e dessa vez ele me ganhou demais com a performance.

 

Aliyah Moulden – “Mercy”

Bernardo: Essa é uma das minhas preferidas. Duffy fez um trabalho ótimo nessa música, ao abrir várias oportunidades para explorar as nuances da sua voz. Aliyah, evidentemente, não chega a esse nível, pelo menos ainda não, mas fez uma boa apresentação. Nada de espetacular, mas aceitável.

Edu: Quando vi o ensaio de Aliyah não dava nada por ela, mas me surpreendi. Não foi nada memorável, porém foi um número bom, acima das expectativas que criei, de que seria algo morno e sem graça. Palmas!

Luke: Mas gente, isso que é um acerto na song choice! Adorei a performance da Aliyah, porque pra mim ela conseguiu se soltar ao longo da música e conquistar aquele palco todo. Foi uma bela surpresa!

 

Lauren Duski – “Someone Else’s Star”

Bernardo: Como diria Chris Matthews, está faltando “fogo na barriga e que diga o porquê chegou lá”. Infelizmente, não foi o que tivemos aqui.

Edu: zZzzZZZzz

Luke: Julgando todos os #TeamBlake, particularmente Lauren tem uma das minhas vozes preferidas e consigo enxergar fácil ela chegando bem longe na competição. Não vou dizer que essa foi sua melhor performance, porque estaria mentindo, mas achei que ela fez um bom trabalho.

 

TEAM ALICIA

 

Chris Blue – “Love On The Brain”

Bernardo: Eu gostei. Foi ousado e trouxe algo diferente, ou melhor, bem diferente para nos surpreender. Gostei dessa versão e da pegada mais autoral do Chris, muito bom.

Edu: Pela milésima vez venho dizer que essa é uma das melhores músicas de Riri, a melhor do álbum ANTI, porém não gostei tanto assim dessa versão de Chris. Achei que rolaram muitas oscilações, o que deixou a apresentação muito inconstante. 

Luke: Pera, o menino foi apenas o primeiro act do #TeamAlicia e conseguiu pisar em todo o #TeamBlake de uma única vez. Que destruição foi essa meu povo? Preciso dizer que arrepiou aqui do começo ao fim, porque Chris conseguiu pegar esse monstro de música da RiRi e colocar seu estilo próprio, sem fugir da originalidade da canção. Foi lindeza demais!

 

Anatalia Villaranda – “Stand By Me”

Bernardo: É um clichê de todo e qualquer reality show musical e, por incrível que pareça, eles tendem a entregar a mesma apresentação. Mesmos erros e os pontos fortes. Isso deveria ganhar um especial no Globo Repórter, sinceramente.

Edu: Estava demorando para cantarem “Stand By Me”, dessa vez foi mais rápido que “Make It Rain”. Confesso que fiquei decepcionado, pois gosto muito de Anatalia, mas essa música não casou em nada com seu estilo. Alicia derrapou legal com a garota, na minha humilde opinião.

Luke: Anatalia é uma candidata que me ganhou aos poucos, pois lembro bem que não tinha topado muito com a audição dela. Pra mim ela fez uma boa apresentação nessa semana, mas também não foi seu melhor momento.

 

Jack Cassidy – “Don’t Let The Sun Go Down On Me”

Bernardo: Jack é sensacional. Um dos melhores do time da Alicia e que tem a força necessária, pelo menos até agora, para brigar por um título. Não merecia ter saído, ou melhor, quase saído, mas quem sabe esse susto não tenha sido bom para que ele saia da zona de conforto e dê o seu melhor ainda mais no resto dessa temporada.

Edu: O PULO QUE DEI POR JACK TER VOLTADO, AMEI! Eu fiquei tão chateado dele saindo, mas também depois de duelar com o furacão Vanessa não tinha como, só que o santo wildcard o trouxe de volta, ainda bem. Jack retornou em grande estilo, com mais uma de suas performances emocionantes e honestas, admito que me comoveu, inclusive. Que ele prossiga ao Top 12, nunca pedi nada!

Luke: Lá no começo do episódio eu já pulei quando disseram que Jack tinha sido o escolhido pela Alicia para voltar, até porque ele tem uma baita voz, que me destruiu em cada performance. Pra variar, ele novamente fez uma apresentação linda e poderosa, deixando claro ali o quanto mereceu mais essa chance.

 

Vanessa Ferguson – “Lean On”

Bernardo: Odiei essa versão de Lean On” da Vanessa. Porém, como eu me comovo facilmente, acredito que ela vez um esforço louvável para fazer com que essa apresentação rendesse e trouxesse o seu melhor.

Edu: Com licença, pois a dona do team Alicia está passando. Vanessinha veio como quem não quer nada, e fez uma versão incrível desse hit farofa. Fiquei boquiaberto com a parte final dessa apresentação, e não consigo fechar minha boca desde então.

Luke: Gente do céu, o que é essa Vanessa? Toda essa vibe e originalidade me faz ficar cada vez mais apaixonado por essa mulher. Pegou uma música super atual e pronto, colocou seu estilo ali e novamente entregou uma baita performance!

 

Ashley Levin – “I Can’t Stand The Rain”

Bernardo: Melhor fingir que isso nunca aconteceu.

Edu: Que vergonha alheia. E aquelas caras e bocas? Ela achou que estava fazendo audição para cantar no KISS?

Luke: Ela tem uma voz interessante, mas pra mim não rolou foi nada.

 

Stephanie Rice – “Every Breath You Take”

Bernardo: Stephanie mostrando para a maioria dos cantores até agora como é que se faz uma excelente e explosiva apresentação no The Voice. Teve emoção, teve força e paixão. Exatamente o que a gente gosta de assistir por aqui. Bravo! Bravo!

Edu: UM TIRO DOERIA MENOS! Gente, essa foi a segunda melhor versão desse maravilhoso clássico do The Police – porque a primeira continua sendo da Hannah na final da S10 -, e estou arrepiado. Stephanie é muito rainha, e esse número com certeza a garantiu no Top 12 facilmente. Pra mim essa foi a melhor performance desse primeiro dia de playoffs disparado, não há nem o que discutir.

Luke: É aquela história, Stephanie pode não ter a melhor voz da competição, mas é só essa mulher abrir a boca pra cantar que já me leva pra outro lugar aqui. Chega a ser engraçado o quanto ela mexe comigo, e o quanto sua voz e estilo me arrepia, enquanto assisto suas apresentações. Pra variar, ela novamente fez uma performance linda e emocionante, transmitindo toda essa sinceridade pela voz e pra mim foi uma das melhores da noite!

 

TEAM GWEN

 

Johnny Gates – “Hands To Myself”

Bernardo: Não gostei, nossa não gostei mesmo. Parece que Johnny retornou ao nível mediano que a maioria dos participantes entrega na fase das audições. Foi preguiçoso e poderia ter feito mais, muito mais.

Edu: Essa apresentação foi séria? Senti como se fosse um daqueles vídeos de covers divulgados no Youtube, mas não querendo desprezar quem faz isso, pois há diversos materiais incríveis na internet, mas na forma como o rapaz conduziu tudo. Johnny se esqueceu por um momento que está numa disputa pela VOZ dos Estados Unidos, e fez disso algo como diversão. Tudo bem que a melhor coisa é ver os candidatos bem à vontade, mas não também deixar o botão do f*#%-se ligado. Gostei dele ter sido wildcard da Gwen, mas não entendi o propósito da performance.

Luke: Sério que vocês não gostaram nada? Eu particularmente fiquei um pouco surpreso com a song choice, e pra mim, o Johnny conseguiu entregar uma apresentação bacana.

 

Troy Ramey – “A Case Of You”

Bernardo: Gosto quando os cantores colocam sentimento na apresentação. Me emociona, me fazendo imaginar e sentir tudo o que ele passou, deixando a performance intimista e pontual para o nível de espírito daqueles precisando pensar na vida. Pode não ter sido o mais explosivo, mas Troy me conquistou muito nessa apresentação.

Edu: Ele teve a melhor das intenções, cantando para o pai e tal, mas achei bem sono essa apresentação. Próximo!

Luke: Gostei, e gostei demais! Troy fez uma performance muito bonita, colocando muita emoção e contando uma história junto com a música, que por sinal eu nunca tinha ouvido, e achei maravilhosa!  

 

Quizz Swanigan – “My Girl”

Bernardo: Sabe quando aquele seu amigo fanho resolve participar do karaokê naquela tarde quando todos já estão bêbados? Pois é, esse foi Quizz Swanigan com My Girl”.  

Edu: Como Gwen Stefani autorizou esse embuste assassinar um dos maiores hinos da história da música? A sensação que tive foi de ouvir um gato envenenado agonizando, antes de morrer. Cruzes!

Luke: Sabe assim, acho que Quizz tem bastante talento, mas pra mim parece mais que toda semana é a mesma coisa, e ele nunca faz nada de diferente.

 

Brennley Brown – “Fly”

Bernardo: Brennley é impecável! Tem uma voz maravilhosa, uma afinação melhor ainda e um feeling impressionante para escolher uma música. É o pacote completo! Mas este mero mortal, que vos escreve, quase caiu de sono no decorrer dessa apresentação. Sorry!

Edu: Abram alas, pois a provável vencedora da temporada está passando. Agora me digam, tem como se decepcionar com essa maravilhosa? Acho difícil, pois mais uma vez ela veio com uma apresentação poderosa, linda, simples, com uma música destruidora, enaltecendo novamente sua incrível voz. Já podem encerrar a temporada e dar o título a ela.

Luke: E mais uma vez Brennley vem e me surpreende, de um jeito que só vendo. Que voz linda! Que performance linda! Foi de longe uma das melhores do Team Gwen, e após terminar a apresentação, fiquei numa baita torcida pra que ela passe pra próxima fase. Maravilhosa!

 

JChosen – “Nothing Compares 2 U”

Bernardo: Como disse no comentário na apresentação do Troy, aprecio e respeito todos aqueles que, por pior que a vida esteja do lado de fora, eles conseguem canalizar essa dor, angústia e essa emoção na performance. Foi emocionante vê-lo cantando para sua mãe, mas certamente tocando o coração de muitos americanos passando pelo mesmo drama.

Edu: Essa foi a apresentação mais honesta desses playoffs, assim como a melhor de JChosen na disputa. A escolha da música caiu como uma luva nesse momento delicado que o candidato passa, com sua mãe doente. Ele cantou com a alma, conectado à pessoa mais importante da sua vida. Foi lindo e emocionante.

Luke: Outra performance linda! JChosen tem uma voz e estilo bem único, que toda semana me faz viajar junto com a música. Todo esse drama que ele está vivendo com a mãe faz com que suas apresentações fiquem ainda mais intensas, e o resultado é sempre maravilhoso.

 

Hunter Plake – “Elastic Heart”

Bernardo: Nossa, que coisa mais chata, Senhor Jesus. Quase morri aqui.

Edu: Fiquei simplesmente impressionado da forma como Hunter pegou um hit farofa, transformando-o em algo seu, não tendo que fugir do seu estilo para isso. Ele tem uma vibe toda alternativa, e a música encaixou perfeitamente a isso. Essa foi sem dúvida a melhor apresentação de Hunter na disputa, e é questão de honra ele ir ao Top 12.

Luke: Então né, Hunter na final sim ou com certeza? Gente do céu, que performance mais maravilhosa foi essa? Ele não pegou apenas uma das minhas preferidas da menina Sia, ele pegou e colocou aquele toque especial, que vem mostrando desde as blinds. Dono da noite com essa apresentação, e não aceito que digam o contrário.

 

TEAM ADAM

 

Johnny Hayes – “Ain’t Too Proud To Beg”

Bernardo: Que apresentação mais divertida que o Johnny trouxe. Adam deu os conselhos certos, fez os ajustes devidos e seu garoto prodígio promete muito ainda.

Edu: Olha, até que gostei de Johnny ter sido o wildcard do Adam, mas o que foi sua performance? Animada, contagiante, ele mostrou uma evolução indescritível, com uma presença de palco impressionante. Team Adam começando muito bem esses playoffs.

Luke: Johnny é mais um que acho bastante talentoso, todo solto e com uma ótima presença de palco, mas particularmente não consigo enxergar ele indo longe na competição. A performance foi bem gostosa de assistir, e valeu a pena o Adam ter dado a ele chance de voltar para a competição.

 

Hanna Eyre – “Skyscraper”

Bernardo: Essa é uma música muito poderosa da Demi Lovato, que foi lançada num muito difícil da vida, e da carreira da cantora. Então há um componente muito sentimental e delicado nessa composição, que exigem ainda mais daqueles que venham a se arriscar em canta-la. Não foi perfeito, longe disso. Porém, Hanna se esforçou e, por enquanto, o telespectador vai levar em conta na hora de votar.

Edu: “Skyscraper” é uma música que mexe comigo de forma única, e amei saber que Hanna a cantaria. Vou ser bem sincero que ela não me decepcionou em momento algum, e amei a versão feita, pois se aproximou bem da original. É claro que não chegará perto daquela cantada por Sam Bailey na final do The X Factor UK de 2013, mas ficará marcada também.

Luke: Hanna me surpreendeu bastante. Quando vi que ela cantaria essa música fiquei meio com o pé atrás, mas no final das contas a guria acabou fazendo um ótimo trabalho, conseguindo mostrar o melhor de sua voz, sem deixar o nervosismo tomar conta da performance. Foi ótima!

 

Josh West – “More Than A Feeling”

Bernardo: Pisquei e passou, sorte a minha.

Edu: Josh é uma grata surpresa dessa temporada, pois fazia tempo que um act com perfil de “rockstar” não chegava tão longe no The Voice. O problema agora é que seus dois adversários anteriores mandaram muito bem, e ainda tem mais três na jogada, sendo uma delas favorita do público. A performance foi boa, a evolução vocal dele foi nítida, mas eu acho que ele deveria ter vindo com outro clássico do rock, de proporção maior. Quero muito que ele prossiga ao Top 12, mas sinceramente não sei.

Luke: Eu juro que tento gostar dele gente, mas pra mim não rola.

 

Mark Isaiah – “All Time Low”

Bernardo: All Time Low”, poderia jurar que era música que falava sobre a audiência do The Voice no momento, mas por incrível que pareça, o Mark conseguiu trazer algo ainda mais insuportável do que a NBC insistindo em duas temporadas por ano.

Edu: Essa música é chata, mas até que Mark conseguiu fazer uma boa limonada com esses limões bem azedos. Fiquei satisfeito com o resultado desse número, pois tinha tudo para ser um tédio sem fim, e ele conseguiu provar exatamente o contrário.

Luke: Definitivamente não foi o melhor momento do Mark na competição. Ficou bem óbvio ali que ele continuaria na competição, se não fosse pelo voto do público, seria pelo voto do próprio Adam, mas particularmente não acho que ele fez jus nessa semana. Pode fazer melhor? Com toda certeza, mas já vi apresentações dele melhores que essa.

 

Lilli Passero – “It’s Too Late”

Bernardo: Fraquinha… acho que deveria cantar músicas como It’s Too Sleepy, It’s Too Boring”...

Edu: Lilli é aquela act tão maravilhosa, e que dá um medo gigante de ser a próxima India Carney ou Amy Vachal do rolê, tendo grandes chances de ser finalista, porém rodando na semifinal sangrenta. Mais uma vez ela veio com uma performance tão gostosa, enaltecendo sua voz, e provando que ela é o elemento coringa do team Adam. Amei, e vou defendê-la até o último segundo.

Luke: Adoro Lili e essa voz deliciosa, mas não consegui topar com essa música, gente. Me deu aquele sono por aqui, porém continuo na torcida por ela, porque é uma lindeza pura.

 

Jesse larson – “Sir Duke”

Bernardo: Olha, o que é isso na tela do computador? Uma joaninha, talvez?

Edu: Ai achei tão chato, que acabei me distraindo com coisas melhores.

Luke: Ele canta? Sim. Toca? Com certeza. Mesmo assim é mais uma performance que não rolou pra mim.

 

RESULTADOS

Bernardo: Para quem acompanhou as reviews que o Mix de Série postou sobre essa temporada do The Voice, sabe que a maneira que eu vinha comentando sobre o Team Blake era sugestiva de que algo de errado estava acontecendo ali. Estava entediado, cansado e pensando em quanto tempo demoraria para que alguém aparecesse e explodisse tudo para todos os lados. Esse momento nunca aconteceu, evidentemente. Blake não deu seu melhor em dar os melhores conselhos, de buscar as melhores músicas para o seu time e surpreender não só o telespectador, como também todos que ali estavam. Alicia é completamente o inverso. Apesar de alguns desastres, que já é notório em qualquer ano, mas está bem claro que o dever de casa foi feito ali. As apresentações são boas, bem acabadas, bem polidas e que tem aquele sentimento, aquela ansiedade e aquele fogo de mostrar o talento que cada um tem. Seria o Team Gwen o próximo a participar do abate?

Edu: Começo esse tópico de results, com um R.I.P. Team Blake. Estou impressionado como ele conseguiu assassinar o próprio time, tornando-o pior que do Adam. Por mais que eu tenha odiado a performance dela, foi justa a escolha de Lauren em continuar, mas foi uma surpresa Alyiah ter passado pela audiência também, pois jurava que seria Casi. Agora, que raios ele teve na cabeça em escolher TSoul? Ele errou feio com Casi e a deixou partir? Simplesmente inadmissível, e agora vou torcer para essa ser a primeira temporada dele sem nenhum finalista. Agora team Alicia era óbvio que Chris e Vanessa seriam escolhidos pelo público, e nada mais do que justo. O rapaz pode não ter me ganhado nessa performance em específico, mas seu histórico no programa é bom, sendo plausível sua permanência, enquanto Vanessa não há nem o que discutir. Diferente de seu colega, nossa girl on fire foi mais que sensata ao escolher Stephanie, dona da noite. Com isso, o team Alicia está indo forte ao Top 12, e só lamento Jack partindo mais uma vez. A América me surpreendeu com as escolhas do team Gwen, passando os dois mais fortes do time, Brennley e Hunter, e francamente não fizeram mais que a obrigação. Eu queria que ela tivesse escolhido JChosen, e confesso que fiquei um pouco incomodado da opção dela ter sido Troy, mas vida que segue, pois depois da derrapada na fase do knockouts, o time dela se fortaleceu novamente. Agora em relação a Adam, estou de cara com o público passando o Jesse, ao invés de Hanna. COMO ASSIM? Doeu ver Josh saindo, mas já era previsível que a escolha dele seria em Mark. Estou bem triste de minha menina ter saído, mas pelo menos o time dele está mais forte em relação às etapas anteriores, e passou o bastão de flop da temporada para Blake. Com o Top 12 formado, na minha opinião os times agora estão da seguinte maneira: Alicia > Gwen > Adam >>>>>> abismo >>>>>>> Blake.

Luke: Convenhamos que o #TeamBlake estava bem morno nessa semana, hein amigos?! Eu gostei da Lauren ter seguido pra próxima fase, e pra mim é a única que pode garantir o time do Blake por mais tempo na competição. Talvez Casi teria sido uma boa escolha, mas não rolou. TSoul vou continuar curioso, pois o estilo e voz do cara realmente me agrada, agora Alyiah, por mais que ache uma graça, não enxergo chegando muito longe. Agora pulando pro time da rainha Alicia, fiquei bem triste com o Jack indo embora novamente, mas gente, o negócio estava bem difícil ali, porque tinha Vanessa, Chris, Jack e Stephanie, que fizeram performances maravilhosas. No final das contas eu adorei a escolha do público, mas pulei mesmo com Alicia salvando Stephanie, porque essa mulher não pode ir embora tão cedo! #TeamGwen lindamente destruindo a casa toda mais uma vez. Essa mulher tá maravilhosa e merece muito levar a temporada (de preferência se for com o Hunter). Gostei de como ficou o top 3 dela, Hunter OBVIAMENTE tinha que seguir, enquanto Brennley mereceu pela performance linda que fez. Estava meio na dúvida se ela escolheria Troy ou JChosen, mas no final das contas não discordo com o Troy saindo na frente, porque o rapaz realmente teve um momento bacana com sua apresentação. Dos eliminados só senti mesmo pelo JChosen, porque o cara realmente é um baita cantor. Agora sobre o #TeamAdam, preciso concordar que está ainda mais tapado depois dessa. Do top 3 a que mais gosto é Lili, porque os outros dois vou ficar só esperando pra ver o que vai dar.

 

O top 12 então ficou formado da seguinte forma:

Team Adam: Jesse Larson, Lilli Passero, Mark Isaiah

Team Alicia: Chris Blue, Stephanie Rice, Vanessa Ferguson

Team Blake: Aliyah Moulden, Lauren Duski, TSoul

Team Gwen: Brennley Brown, Hunter Plake, Troy Ramey

 

O top 12 ficou da forma como vocês queriam? Na semana que vem a disputa ficará a cargo totalmente da audiência, e os candidatos terão a ilustre presença da icônica Shania Twain, como mentora deles.

Até mais!

Comments

comments

About Team Mix Reality

#TeamReality no Mix de Séries é responsável pelos realities shows.
  • Renata Ribeiro

    Não entendo como a Gwen não salvou o JChosen??? fiquei muito puta de raiva.

    • Eduardo Nogueira

      Re eu também não consegui engolir essa, e francamente JChosen foi muito mais comovente que o Troy.