The Voice US – 14×01/02 – Blind Auditions

Imagem: Trae Patton/NBC/Divulgação

Um dos reality shows mais populares e de maior sucesso, tanto na TV mundial quanto aqui no Mix de Séries, está de volta! Começou essa semana o primeiro ciclo de 2018, a décima quarta edição, do The Voice US.

Essa temporada já chegou repleta de novidades, como o retorno de Alicia Keys à bancada. Após a temporada passada ter cedido o lugar a Jennifer Hudson, ela voltou com tudo, e disposta a conquistar o bicampeonato. Outra novidade é a tão aguardada vinda de Kelly Clarkson. A ex-American Idol já chegou com tudo, e com uma naturalidade como se estivesse no programa desde o começo dele.

Outra novidade é a ferramenta “block”. Agora nas blind auditions, os coaches podem bloquear um colega que também virou para um candidato, para ter mais chances de ser escolhido. Sem contar que o visual do programa sofreu grandes mudanças, com cenário, cadeiras e vinheta totalmente reformulados.

Chega de papo e vamos conferir o que rolou nessa primeira semana de audições?

 

PRIMEIRO DIA

 

Britton Buchanan – “Trouble”

Bernardo: Ah que coisa mais linda!!! Em todos os sentidos, claro. Britton foi uma excelente maneira de começar essa temporada. Vou ser honesto em dizer que não o vejo chegando na final, muito menos vencer esse ano, mas quer saber? Vamos começar do começo. Ele arrasou e é isso que importa, por enquanto.

Edu: A temporada já começou com tudo! Britton surpreendeu pela pouca idade, mas pela incrível potência vocal que possui. Eu curti por demais sua performance, sendo trabalhado da forma correta tem tudo para ir muito longe na disputa. Ele tem o perfil ótimo para o team Adam, mas como Blake já estreou seu “block” no músico, vai ser interessante ver sua parceria com Alicia.

Luke: Mas gente, foi pra abrir bonito essa temporada que ta prometendo demais, né? O guri tem APENAS 17 ANOS e uma voz muito boa. Ouviria fácil um álbum inteiro na voz dele, porque realmente gostei muito. Curioso pra ver ele e Alicia trabalhando juntos. Pra melhorar ainda mais, deu pra ver o Blake sendo tombado já no primeiro momento.

Renata: Minha nossa senhora! Essa temporada vai ser uma bomba, hein?! Achei maravilhoso, uma voz que prende de verdade, além de belíssimo! Meu Blake já meteu um “block” e deu um presente para Alicia.

 

Brynn Cartelli – “Beneath Your Beautiful”

Bernardo: Vocês só podem estar brincando que a Brynn tem 14 anos. Sério, concordo com o Adam em dizer que a impressão é que ela tem uma longa carreira nas costas, seja pela forma de cantar ou pelas emoções na qual ela transmite. Pode apresentar algumas falhas em razão da pouca idade no futuro, mas como disse anteriormente, o que importa é o momento.

Edu: 14 ANOS? Meu Senhor! Brynn tem um talento único pela pouca idade que tem, é incrível sua presença de palco e o quão é madura. Algo me diz que Kelly vai investir pesado na garota.

Luke: Precisa nem falar o quanto sou apaixonado por essa música, né? Toda vez que alguém canta fico aqui babando feito um best, a e não foi diferente enquanto assistia a blind da Brynn. Ainda assim achei que rolaram algumas falhas ali, mas ela mereceu muito passar pra próxima fase, pois tem uma voz bem interessante que bem trabalhada pode surpreender demais. Detalhe é o fato dela ter só 14 anos, tipo, os novinhos começaram roubando a cena.

Renata: Eu apenas estou impactada com a idade de Brynn! Gente, como isso é possível? Achei uma performance bem encantadora. Estou ansiosa para ver o desenrolar de Kelly na temporada, e o quão ela vai ajudar essa garota a crescer.

 

Rayshun LaMarr – “Don’t Stop Believin”

Bernardo: Esse é um daqueles clássicos que sempre aparecem por aqui de vez em quando, sem contar que eu sempre lembro dos tempos gloriosos de Glee, onde a música era constantemente repetida. De qualquer forma, eu tive dificuldades em encontrar uma opinião firme sobre o trabalho que o Rayshun apresentou aqui. Por um lado, ele acertou nos principais momentos, mas tropeçou noutros não muito importantes. Sinceramente, eu não viraria, acredito que ele precisa de um pouquinho mais de treino. Como eu não vendo nem limonada, aqui estamos.

Edu: Antes da blind já estava aqui emocionado, por conta da história de vida dele. Pra ajudar ainda mais, Rayshun (Raichu, o Pokémon?) vem com esse hino de música. A performance teve algumas falhas, isso é claro, mas foi um ótimo número. Infelizmente ele tem aquele perfil que, se não bem trabalhado, virá com apresentações escandalosas demais. Ainda bem que Adam será seu coach, então é capaz disso acontecer o mínimo possível.

Luke: Eita nós, hein?! Meio que impossível não se emocionar junto com a história do Rayshun, e depois surtar só de ver sair tudo aquilo de voz e empolgação na performance dele. A música ajudou muito, pois deu aquela misturada do que tínhamos visto no VT, e trouxe ainda mais emoção pro negócio. Pasmei bonito aqui com ele escolhendo o Adam, porque tava na certeza que Alicia seria a primeira escolha. E pra fechar, me julguem, mas tive uns momentos Glee com essa música aqui.

Renata: Menino,que eu arrepiei toda! Sou louca por essa música, e achei uma performance explosiva e emocionante. Super merecido passar para a próxima fase. Estou torcendo muito para que ele consiga ir longe. Tenho grandes receios que participantes tão bons se percam no caminho.

 

Kyla Jade – “See Saw”

Bernardo: Eu gostei da atitude e do poder da voz da Kyla, mas quer saber? Não foi o que eu esperava. É surpreendente saber que ela vem de Nashville, berço da música americana, o que talvez indica que ela goste de outros gêneros além do R&B. Não estou aqui para reforçar estereótipos, algo que eu odeio, mas julgando pela escolha, algo me diz que vem coisa boa por aí.

Edu: Eu já tinha visto a leaked audition de Kyla no domingo, e realmente amei por demais. Ela tem uma voz poderosa, porém alguns vícios que podem ser reparados já na próxima fase. Sinceramente não entendi dela escolhendo Blake, mas convenhamos que nas últimas edições ele vem fazendo bom trabalho com candidatos mais voltados ao R&B. Vamos ver como será os próximos passos de Kyla na disputa. Que não seja uma Keisha Renee 2.0, com performances oscilando entre o incrível e o péssimo.

Luke: Gostei da voz da Kyla, definitivamente é super poderosa e tem muito potencial, mas pra ser sincero não foi aquela audição que me ganhou de primeira. Fiquei sim bastante feliz por ela ter seguido pra próxima fase, mas vou esperar ansiosamente pra ela cantar algo um pouco mais diferente. Sei lá, quem sabe não me surpreenda um pouco mais? Tipo, sério que ela escolheu o Blake? Está sendo uma tombada atrás da outra, hein?!

Renata: Usando o bordão dos jovens: você quer potencial @?, então toma! Tem grandes chances de crescer na disputa, mas, desde Regina Love, fico com pé atrás pra decepção ser menor. Tenho um fraco por esse perfil de voz forte e firme, mas sempre me decepciono no final.

 

Blaise Raccuglia – “Wanted”

Bernardo: Sabe quando você canta ligeiramente bem no karaokê depois do trabalho e os colegas lhe dizem – “Cara, se inscreve no The Voice que você vai mandar muito bem!”. Blaise é o exemplo do que acontece quando essa história dá errado.

Edu: Ai eu bem dormi aqui, desculpa. Próximo!

Luke: Poxa, adoro essa música e curti sim a voz do Blaise, mas concordo que rolaram alguns problemas com a audição. Que ele ouça os conselhos dos técnicos, trabalhe nesses pontos e volte na próxima temporada.

Renata: Achei bem fofo e com uma voz que prende, mas só! Talvez, seja melhor se preparar para a próxima assim aumenta as chances.

 

Kelsea Johnson – “Like I’m Gonna Lose You”

Bernardo: Eu preciso dizer antes de mais nada que eu adoro, simplesmente adoro, essa música. É uma das minhas preferidas porque mexe comigo de uma forma indescritível. Dito isso, acredito que a Kelsea conseguiu fazer jus à tamanha expectativa. É claro que está bem longe da versão original, mas sinceramente? Ninguém está esperando por isso aqui, então continue firme, porque eu não vejo a hora de ver o que ela tem para oferecer.

Edu: QUE VOZ!! Eu amo essa música de uma forma surpreendente, e casou perfeitamente com Kelsea. Que ser mais divino, meu Deus! Ela tem personalidade, carisma, e faz jus ao nome do programa. Alicia fará dela sua nova Wé McDonald sim ou com certeza?

Luke: Kelsea pra mim foi uma bela surpresa, pois não estava esperando aquela voz dela. Achei que soube escolher muito bem a música pra sua audição e mostrou bastante potencial ali. Tenho certeza que Alicia vai extrair muito mais dela e deu sim pra ficar ansioso aqui.

Renata: Que meu coração não aguenta essa música. Que pessoa maravilhosa! Perfil que Alicia ama lapidar, quero muita performance pra chorar. Quero as próximas fases ligeiro!

 

Drew Cole – “Sex and Candy”

Bernardo: Quer saber? Ele nasceu para o time da Adam. Não digo apenas pelo estilo de voz ou da maneira de se vestir, mas sim porque o Adam é o correto para corrigir as falhas que o Drew apresentou. Não é a minha vibe, quem sabe quando numa realidade alternativa onde eu moro em Los Angeles e venda baseado para viver? Mas por hoje eu esperarei para ver o que Drew vai apresentar.

Edu: Uma vibe gostosa de se ouvir, daquelas que você fecha os olhos e viaja. Drew tem um quê a mais na voz, que destaca. Algo me diz que Adam fará escolhas incríveis para o rapaz, e fará de tudo para não deixá-lo partir, pelo menos não nas batalhas.

Luke: Com uma total vibe Maroon 5 esse Drew fez minha audição preferida dessa premiere. Sério, o cara me ganhou total com esse tom de voz e toda essa apresentação deliciosa de assistir. É aquele estilo musical que eu sou fanzão aqui, então fiquei torcendo demais. Não tenho dúvidas que ele e Adam vão seguir me surpreendendo mais a frente. Quem sabe não rola algo do Gavin DeGraw na voz dele, hein?! Seria coisa linda.

Renata: VEM CÁ! QUE GANHOU MEU CORAÇÃO! Quando o vi, achei que a voz seria totalmente diferente. Gente, quando abriu a boca eu amei de um tanto que vocês não imaginam. Meu tipo de voz e estilo de música. Adam, meu amor, por favor, não me decepciona, faz essa criança crescer. P.S: Luke, se tem Gavin na voz dele já quero várias performances pra gente gritar.

 

D.R. King – “Believer”

Bernardo: É um erro quando esses cantores amadores acreditam que conseguem cantar uma música cheia de efeitos computadorizados, sonorização e outras bondades. Há formas muito mais interessantes (e criativas) de mostrar o quão boa sua voz é, sem precisar arriscar o escárnio em rede nacional. A boa notícia é D.R. King conseguiu deixar a apresentação naquela categoria do “bom, poderia ser pior”. Espero que melhore, sinceramente.

Edu: Eu não gosto muito dessa música, mas até que foi uma apresentação bacana. D.R. conseguiu dar conta do recado, e será curioso ver seu desempenho daqui pra frente.

Luke: Boa parte da galera tá mandando bem demais nas song choices, e D.R. King não fez diferente, porque “Believer” é uma das que mais tenho ouvido ultimamente. Ainda assim acho essa música difícil pra caramba, e não é qualquer pessoa que consegue cantar bem. Pra mim o rapaz realmente conseguiu fazer um bom trabalho e mereceu seguir pra próxima fase. Que ele continue com essa originalidade e volte surpreendendo ainda mais.

Renata: O amigo não veio para brincar! Mandou ver e deixou sua marca. Adorei todo o conjunto da apresentação e o trabalho mostrado. É difícil prever uma jornada, porque geralmente tudo que a gente acha cai na próxima fase. Mas, torço muito que D.R. vá longe.

 

Kaleb Lee – “Never Wanted Nothing More”

Bernardo: Eu adorei. É impressionante saber que ele é da Flórida, eu realmente esperava algo como Texas ou Tennessee, não apenas pela voz, mas também pela escolha musical. O meu problema com o Kaleb foi ter escolhido o Team Blake, acredito que a Kelly tem as melhores ferramentas para corrigir os problemas. Sem contar que agora ele se torna mais um cantor country no time do Sr. Shelton.

Edu: Foi uma apresentação leve, gostosa, e curti bastante. Adorei a história dele, e os filhos subindo ao palco. Sobre a escolha, já era de se esperar que seria o Blake, não é mesmo?

Luke: Não sou aqui o maior fã de country, mas foi um tanto impossível não torcer pro Kaleb se sair bem depois de mostrarem aquela história do rapaz e sua família. Muito bacana o lance da adoção e sim, deu uma mexida boa aqui com meu emocional. Em relação a audição em si, ele fez um trabalho bacana e mostrou ter uma voz interessante, não vou dizer que o vejo chegando longe, mas fiquei feliz por terem virado.

Renata: Começamos a filtrar a parte country, achei bem legalzinho, geralmente é um ou outro que destaca. Kaleb é bom, mas o trabalho vai ter que ser grande para que ele vá bem mais longe.

 

Mackenzie Thomas – “Redbone”

Bernardo: Essa apresentação é uma lástima. Primeiro porque ela não canta mal, na verdade demonstrou ter talento, mas claramente precisava de mais prática, mais treinamento e quem sabe até outra música. É frustrante, sinceramente.

Edu: Eu esperava um tiro dos bons, e me decepcionei.

Luke: Poxa, não rolou pra guria e pra mim boa parte disso foi por causa da música que não ajudou muito. Achei a voz dela interessante, mas realmente faltou alguma coisa ali. Uma pena!

Renata: Pela música achei que ela pisar muito, já diriam vocês… mas, no fim ficou no quase. Voz bem boazinha, porém nada demais.

 

Justin Kilgore  – “Tomorrow”

Bernardo: Justin é sensacional em todos os sentidos. Finalmente eles encontraram um eye candy que saiba cantar. É sempre uma coisa ou outra, mas acredito que esse é um dos motivos pelo qual ele foi o último dessa Season Premiere. Foi lindo, emocionante e uma perspectiva sensacional.

Edu: QUE GRANDE SURPRESA! Não esperava que Justin destruiria em sua audição, e muito menos que teria as quatro cadeiras viradas. Ele ainda está cru, mas tendo Kelly como sua coach, tenho certeza que vai lapidá-lo na medida certa, e já estou mega ansioso por isso.

Luke: Eita, não estava esperando sair essa voz do rapaz, então já foi uma bela surpresa. Ele tem um tom daqueles que tu fica vidrado já no começo da música, e o bom é que foi crescendo junto com ela. Todo mundo virou, mas Blake foi tombado novamente com Alicia usando o “block”e eu ri demais aqui de toda aquela zueira. Kelly fazendo a dancinha já entrou pra minha pasta de gifs aqui e tipo, achei que o cara mandou muito bem escolhendo ela como mentora. Claro que vai sair coisa boa disso aí, e foi pra fechar essa premiere da melhor maneira possível.

Renata: Sendo sincera, eu achei bem chato no início. Conforme a música foi passando ele foi crescendo. Realmente, um vozeirão daqueles, mas não me prendeu. Não sei o que aconteceu que não me tocou. Vamos ver se Kelly muda isso!

SEGUNDO DIA

 

Davison – “To Love Somebody”

Bernardo: Eu gosto de quando esses cantores cujas histórias difíceis lhes fazem brilhar ainda mais no palco. O problema é que eu não acredito que ele tenha dado o seu melhor. Ele parece ter talento e fome de ir além, mas não foi nessa apresentação. Veremos.

Edu: Davison tem aquele perfil de act embuste, e já não gostei dele. Sua apresentação foi tão pedante, que me distrai com outras coisas.

Luke: Aquela música que mexe com a gente, então foi meio difícil não gostar da blind do Davison. E deixando meu gosto pela música de lado, achei a voz do rapaz bem interessante e pra mim ele não mostrou nem metade do seu potencial.

Renata: Bem água com açúcar, mas gostosinho demais de ouvir. Gostei da versão e do geral. Não faz eu me arrepender.

 

Jaclyn Lovey – “Can’t Help Falling In Love”

Bernardo: A Jaclyn tinha que seriamente pensar na ideia de aprender a tocar uma harpa, porque seria sensacional uma apresentação como essa impulsionada por um instrumento musical. Posso estar viajando depois de passar o dia sob efeito de cafeína.

Edu: Já ouvi inúmeras versões desse clássico de Elvis, mas confesso que me encantei com essa. Jaclyn tem uma voz doce, angelical, impossível não se apaixonar e torcer pela garota. Ela tem o mesmo “quê” leve e amável de Addison Agen, nossa vice-campeã da temporada passada. Já se tornou uma das minhas favoritas, e espero que nossa girl on fire não cometa nenhuma injustiça com a garota.

Luke: Aquela jovenzinha com a voz suave que te faz viajar junto. Adorei a Jaclyn e fiquei muito feliz por ela ter passado. Sim, acredito que precisa de treino pra melhorar alguns pontos, mas a primeira impressão foi ótima. Jurava que escolheria Blake, mas deu pra ficar curioso pra ver como será ela e Alicia trabalhando juntas.

Renata: Que lindeza, minha gente! Doce e sutil, fiquei totalmente encantada com tudo. Mas vou com calma, pois tenho é medo.

 

Sophia Dion – “What a Man”

Edu: Tchau linda, você esqueceu o sal em casa.

Luke: Passo!

Renata: Eu jurava que iam virar! Pois adoram ocupar vaga com gente blé! Eu gostei do timbre, mas a amiga não tem presença de palco. Faltou uma coisinha a mais.

 

Molly Stevens – “Heavenly Day”

Bernardo: É um alívio ver uma mulher madura se apresentando. Confesso que, por um momento, pensei que estávamos no The Voice Kids com os candidatos variando entre 14 e 17 anos. Dito isso, confesso que gostei muito do começo dessa apresentação e odiei da metade para o final.

Edu: Molly é uma maravilhosa, e eu já amei sua audição. Ela me lembrou em alguns momentos a Stephanie Rice, da season 12, e algo me diz que podemos ainda nos surpreender com essa lindeza. Rainha Kelly está moldando seu time de forma incrível, e essa foi uma adição e tanto. Já quero ela pegando toda a nata do country, e deixando os mais blehs para o Blake. #paz

Luke: Ela definitivamente é bem puxada pro country, mas enxerguei uma originalidade nela que me fez gostar demais. Achei toda a audição muito boa, começou bem leve e foi crescendo junto com a música, mostrando que voz tem de sobra pra mostrar. Ela e Kelly vai ser coisa linda de assistir, além de claro, ri demais de mais uma tombada que o Blake levou, rs.

Renata: Que potente e linda! Kelly deu uma bela rasteira em Blake e pegou uma candidata e tanto. Certo que, country não vai faltar, agora que preste sim!

Dylan Hartigan – “Danny’s Song”

Bernardo: Noite passada eu elogiei a escolha de eye candy, mas meus amigos da produção, vocês capricharam mesmo. Sério. Mas enfim, foco na apresentação. Dylan tem talento, certamente tem as características que o mercado adora e está com a coach perfeita para corrigir os seus problemas. Vai ser bem interessante ter alguém desse gênero competindo no futuro, principalmente nas Batalhas.

Edu: “Danny’s Song” é uma música muito densa e profunda, que sempre cativa. Achei Dylan muito robótico, sem emoção, mas com uma voz interessante. Se ele vai durar muito tempo na disputa é algo que ainda não dá pra dizer, mas que Kelly pelo menos tentará lapidá-lo ao máximo, aí isso é uma certeza.

Luke: Estava na certeza aqui que ninguém iria virar e não porque achei o Dylan ruim, mas pra mim faltou alguma coisa a mais ali naquela apresentação. Ainda assim, vou aguardar pela sua próxima apresentação, até porque vai que me impressiona?

Renata: Quando olhei de longe achei a cara do MC Livinho! E Dylan tem aquela fórmula que pode dar certo, bonito, canta bem, e se Kelly colocar nos eixos leva ele longe. Adam consegue fazer isso como mágica! Não que eu goste, porque tem uns que sinceramente… Torço para que ele dê uma leve melhorada.

 

Pryor Baid – “I Don’t Need No Doctor”

Bernardo: Não há maneira melhor de encerrar a primeira semana desta 14ª temporada do que uma apresentação do Pryor. Sabemos que o gênero não será novidade neste ano, mas são poucos aqueles que realmente se destacam. O Sr. Baid é um deles. Com muita qualidade, força, sabedoria e concentração ele entregou uma das melhores que eu assisti em muito, muito tempo. Que continuemos assim.

Edu: QUE APRESENTAÇÃO!! Olha só, já tive essa percepção com diversos candidatos, entre eles Jordan Smith, Alisan Porter e Billy Gilman. Pra mim Pryor tem tudo para ir longe na disputa, e até mesmo chegar a final. Ele tem uma voz surpreendente, poderosa, e um pacote completo para conquistar a audiência. Esperava e muito, entretanto, que ele escolhesse Adam. Ai que ódio disso, pois já sabemos que Blake pode estar com um possível finalista em mãos já.

Luke: Eita, hein?! O rapaz veio disposto a derrubar o negócio todo com sua blind. Não vou falar que já está entre os meus preferidos, pois estaria mentindo. Ainda assim Pryor tem talento de sobra e literalmente contagiou todo o lugar com sua apresentação. Ótima voz, baita presença de palco e potencial pra ir bem longe na competição com o Blake.

Renata: Rpaaaaaaz, me pega aqui no chão! O tanto que eu amo essa voz rasgada e potência. Só me pergunto se ele vai manter essa qualidade o show inteiro. Mas isso agora não importa, Blake levou e tem um histórico de deixar correr pelos dedos os melhores! hahahaha  

 

RESULTADO

Team Adam: Rayshun LaMarr, Drew Cole, Davison

Team Alicia: Britton Buchanan, Kelsea Johnson, Jaclun Lovey

Team Blake: Kyla Jade, Kaleb Lee, Pryor Baid

Team Kelly: Brynn Cartelli, D.R. King, Justin Kilgore, Molly Stevens

 

O que acharam dessa premiere? Pelo visto teremos fortes candidatos nessa temporada, e vamos torcer para que o índice de injustiças seja menor.

Até a próxima semana!

About Team Mix Reality

#TeamReality no Mix de Séries é responsável pelos realities shows.