Wayward Sisters é a melhor chance de continuar a manter Supernatural viva

Imagem: CW/Divulgação

Às vezes, é difícil de se lembrar que houve um momento antes de que Supernatural estivesse na TV. É igualmente difícil acreditar que a série esteve por várias vezes na bolha do cancelamento ou que chegou a ser relegada para o terrível horário das sextas após a conclusão do arco narrativo original do criador Eric Kripke na 5ª temporada.

Agora, em sua décima terceira temporada, o drama da CW estrelado por Jensen Ackles e Jared Padalecki é a série de fantasia/ação atual mais longa na história da TV. E enquanto ambos Ackles e Padalecki continuarem interessados ​​no “negócio familiar,” a CW continuará interessada também.

No entanto, apesar da teimosia dos Winchesters em face da morte, nada dura para sempre; e virá um dia em que os meninos decidirão empacotar suas lâminas de anjo e o seus sais exorcizadores para o que muitos fãs esperam ser um “por do sol celestial”. A boa notícia para The CW é: o piloto backdoor exibido na última quinta-feira (18), “Wayward Sisters“, dá a rede a melhor chance de manter o nome de Supernatural vivo, além de realizarem o sonho antigo de produzir um spin-off da série.

Imagem: CW/Divulgação

Wayward Sisters une personagens recorrentes da série como a Cherife Jody Mills (Kim Rhodes), Claire Novak (Kathryn Newton), Donna Hanscum (Briana Buckmaster) e Alex Jones (Katherine Ramdeen) com novos personagens como Patience Turner (Clark Backo) e Kaia Nieves (Yadira Guevara-Prip). Juntos, eles embarcam em uma missão para salvar Sam (Padalecki) e Dean (Ackles) do novo universo perigoso em que foram empurrados enquanto tentavam encontrar sua mãe (Samantha Smith) no final da primeira parte da temporada.

Claire, uma jovem caçadora e a filha de Jimmy Novak, o corpo humano que o anjo Castiel (Misha Collins) possuía pela primeira vez quando foi apresentado na 4ª temporada, acabou bem sucedida na missão de salvar Sam e Dean, mas o final revelou como cliffhanger um segundo portal para o outro mundo, que ainda está aberto e que uma mulher que se parece exatamente com Kaia percorreu até o mundo dos nossos heróis.

Para a CW, isso significa uma riqueza de argumentos para se explorar imediatamente, a nível de pedir uma série completa. Infelizmente, a potencial série ainda enfrentará uma batalha árdua para conquistar os corações dos maiores fãs de Supernatural.

Afinal, não é a primeira vez que a CW fez uma tentativa de spin-off. No episódio de 2014, “Bloodlines“, o show introduziu uma lista inteiramente nova de caçadores e criaturas sobrenaturais que entraram em conflito em Chicago. O piloto backdoor foi considerado um fracasso e, eventualmente, não foi desenvolvido como série, algo que o escritor e o atual produtor executivo de Supernatural, Andrew Dabb, alegou que foi provavelmente devido ao tempo e à semelhança com outra série da CW que estava estreando naquele ponto, The Originals.

Mas enquanto as semelhanças com o spin-off de The Vampire Diaries estavam certamente presentes, a verdade é que os maiores problemas que assolaram Bloodlines eram um elenco desconhecido, uma história que estava muito longe de Supernatural e uma surpreendente falta de humor que já é marca registrada. Resta saber se Wayward Sisters será capaz de empregar habilmente o último, mas a série potencial, pelo menos, possui personagens que muitos fãs conhecem e podem até se preocupar.

Sua configuração permanente em Sioux Falls é uma saída óbvia de uma parte fundamental da estrutura narrativa de Supernatural, que envolveu os Winchesters viajando de cidade em cidade a cada semana, mas limitar a narrativa de Wayward Sisters para uma área exclusiva pode realmente funcionar a favor da série, uma vez que os separam da narrativa épica de Sam e Dean e sua carga de salvarem o mundo.

O desafio mais urgente para Wayward Sisters, entretanto, será encontrar um novo gancho narrativo para alguns de seus personagens. Se a série pode ultrapassar os ritmos familiares para explorar novos territórios – algo que pode ser difícil, porque Supernatural também lutou ao longo dos anos para encontrar novas maneiras de explorar seus personagens – existe a possibilidade da série encontrar uma audiência, desde que os fãs estejam dispostos em se preocuparem com personagens que não são chamados de Sam, Dean ou mesmo de Castiel.

O potencial spin-off também vem para corrigir uma falha de Supernatural: a falta de oportunidade para personagens femininos. Jody, Donna e Claire, por exemplo, são personagens fascinantes e que apresentam potencial incrível para ser explorado ao longo de uma série. Elas podem se tornar um símbolo e referência para uma grande fã-base feminina de Supernatural, mostrando a relação entre poder e complexidade.

No final do dia, obviamente, não há garantia de que Wayward Sisters seja encomendada como série ou até mesmo encontre sucesso, e muito menos conte histórias intrigantes. E dada a reação que Supernatural recebeu ao longo dos anos para o tratamento de personagens femininas, há uma certa quantidade de apreensão que vem com um spin-off feminino, especialmente um sem nenhuma mulher atualmente anexada atrás dos bastidores.

Mas é refrescante ver essas mulheres ferozes obterem um momento muito necessário no centro das atenções. E se nada vier disso, bem, pelo menos a CW tentou…

Informações: TVGuide

About Anderson Narciso

Anderson Narciso
Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.