X Factor Brasil – 11×15/16 – Desafio das Cadeiras

txf br

Ok, duas semanas de Desafio das Cadeiras é tempo demais né? Mas e daí, é a melhor fase mesmo e nós adoramos. Essa semana veremos as escolhas de Aline (Mulheres) e Miklos (Grupos). Com times cheios de talentos, esses dois precisarão de muita inteligência para escolher os melhores e, principalmente, não se deixar influenciar pelo público que adora se meter. Vamos ao que interessa, então?

MULHERES (Let)

Por incrível que pareça, Aline, aquela que peguei ranço desde o início, foi a jurada mais coerente. Ok, quem sabe esse seja o grupo mais fácil, onde as melhores eram vistas de longe, mas ainda assim adorei a tranquilidade que foi a noite de segunda-feira. Em nenhum momento fiquei com o coração, só super tranquila.

AS ESCOLHIDAS

Já começamos a noite com lacre. Naomi chegou cantando um clássico do rock, com um look Amy Lee que fez meu coração de adolescente “emo” bater forte. Mesmo no lugar comum e fazendo tudo com muita segurança, Naomi mostrou força, inteligência e auto-conhecimento, amei. O mais lindo é que ela foi a única que ficou no mesmo lugar desde o início. E o que dizer de Jenni? De longe a dona absoluta da minha torcida, a moça arrasou cantando Supercombo, foi praticamente o crossover dos realitys musicais brasileiros. Lindo, forte e poderoso, fiquei encantada. O mesmo digo de Ariane, o que foi essa apresentação minha gente? Segura e poderosíssima, ela lacrou tudo e me ganhou. Já não tão segura ou certa do seu estilo, temos Heloá, a moça cantou muito bem, mas alguém explica pra ela Que Sam Smith não é rock, afinal, não era esse o estilo dela?

AS ELIMINADAS

Carol Sampaio conquistou nosso coração lá nas audições, mas depois disso foi tudo ladeira abaixo. Sua voz suave não aguenta qualquer tipo de música, principalmente uma música forte como a que ela escolheu. Sentou, mas logo foi embora. Já May morreu pela ganância, escolheu uma música grande demais e não conseguiu nem sentar. Já Ciana era uma das minhas apostas, e ela até foi bem, mesmo que com uma música pesada, doída, mas claro que ela não aguentou muito tempo. Primeira apresentação de V Killer que eu gosto, e ela é eliminada. Quem sabe ela foi cult demais, quem sabe ela realmente fez muito a “Elis”, mas confesso que já estava gostando da moça. Marcela é ótima, mas meio apagadona. Essa moça precisa realmente desistir dos realitys (ela também acabou não durando muito no The Voice Brasil) e tentar a carreira de outro jeito, afinal a voz boa não supera a falta de personalidade e presença de palco, fica tudo tão apenas ok que a gente nem liga muito se ela vai sobreviver ou não. Bruna Pires, a dona da voz mais deliciosa da competição, tropeçou em um erro comum, a escolha da música, e mesmo que eu tenha amado, nem todo mundo gostou. Com tanta gente boa e com mais apelo popular sentada, Bruna ir embora foi até justo.

GRUPOS (Luke)

Paulo Miklos esta semana vem com uma bomba em mãos. Os grupos sempre são muito aguardados e esperados, pela empolgação e alegria que eles passam. Com todas as dificuldades, o jurado conseguiu seu Top 4 bem representado e pronto para crescer ainda mais na competição.

OS ESCOLHIDOS

As escolhas do mentor foram criticamente difíceis, mas geraram um resultado positivo ao seu Top 4. TropeiraAfrica é o grupo alegria e diversão, e assim como Rick pontuou muito bem, não entendi porr* nenhuma mas achei muito bom. Eles tem uma história por trás da competição e estão no Brasil mostrando que o respeito supera qualquer barreira através da música. Seguindo na competição, Valter Júnior e Vinícius trouxeram o outro lado dos grupos, a emoção. A dupla fez uma escolha impecável, a música apresentada é tocante de se ouvir quando bem apresentada, e realmente remete um bom sentimento de nostalgia e paz. A nova criação não poderia ser menos aguardada,e Ravena realmente não parou nenhum segundo. As meninas ainda precisam de muita interação entre elas, isso é nítido a qualquer um, mas tem o potencial necessário para vencer essa competição. O público está do lado delas e isso dá uma força incrível para que elas voem cada vez mais alto. Para finalizar tivemos O Clã, que realmente não são a melhor voz, mas são tão divertidos e interativos em um palco a ponto de conquistar uma cadeira. Realmente foi uma escolha difícil a troca final com A’s Trinca, e agora eles tem que apostar ainda mais na performance, trabalhar incansavelmente nas vozes e fazer valer o último lugar na competição.

OS ELIMINADOS

A maioria dos eliminados saiu por justiça, e Paulo soube dosar muito bem suas críticas e suas opiniões a respeito das apresentações. O grupo Dó Maior sempre foi uma inconstância para mim, algumas apresentações são incríveis, outras nem tanto. Mas os garotos conseguiram mostrar seu lado brasileiro, representando bem suas verdades do sertão e encantando milhares de pessoas pelo Brasil. Em compensação, os três grupos a seguir realmente foram um grande desastre em cima do palco. O grupo Zennus chegou todo caracterizado, querendo impressionar, mas se embolaram no strip da canção, e isso prejudicou grandemente as vozes. Onix Acapella fez uma apresentação totalmente confusa, sem coerência de vozes, com um sertanejo mal arranjado e realmente não merecem continuar. A Dupla da Paulista é, nitidamente, não equilibrada. Temos uma brilhante cantora, que se destaca no palco e se entrega a performance, e a outra permaneceu totalmente apagada durante a apresentação. Andrew e Maylon ficaram naquele just ok, a canção não estava perfeita e eles necessitam refinar mais as vozes e o encontro vocal durante a canção. A’s Trinca foi a grande surpresa da noite. Fizeram uma linda homenagem ao Chorão, impuseram seu respeito em palco, apresentaram o rap de maneira coesa e brilhante. Foi tudo muito bom e infelizmente a competição terminou para as garotas. Queria ver mais delas, queria mais letras que apresentassem sua identidade, queria mais emoção nas próximas semanas, pois sei que seriam capazes de mostrar mais. Infelizmente, a esse nível da competição, nem tudo sai como esperado…

E vocês, o que acharam das escolhas dos jurados? Já estão ansiosos para ver o programa ao vivo?

About Team Mix Reality

#TeamReality no Mix de Séries é responsável pelos realities shows.
  • Kelly

    Realmente foi muito difícil, até agora estou em dúvida entre As Trinca e o Clã. Diferente do caso dos overs, os estilos foram bem dividos, sertanejo, girl pop, ritmo africano e aí temos dois grupos que tem semelhança em estilo. Como o Clã agita muito acaba ganhando a vaga. Creio que se As Trinca tivessem um pouco mais de qualidade vocal mereceriam mais a vaga, para representar o rap e ainda mais as mulheres dentro do rap.
    Só fiquei triste por Dó maior, para representar o forró, mas infelizmente como grupo eles teriam que animar ou emocionar e apesar de cantar muito bem não fizeram nenhum dos dois.
    Amo muito a voz da morena da dupla da paulista, mas ela precisava ter subido pelo menos uns dois tons. Dava pra ver que nenhum sequer ela estava na zona de conforto da voz dela. E a segunda voz nem sequer foi uma segunda voz. Talvez, e eu digo TALVEZ uma backing vocal.