11.22.63 – 1×08 – The Day in Question [SERIES FINALE]

IMAGEM: Pop Matters

Imagem: Pop Matters/Hulu/Divulgação

Quando terminei de escrever a review do último episódio, pensei muito no que poderia assistir no Minisseries Finale desta produção. Confesso que estava muito empolgado para saber como seria a visão dos envolvidos neste drama dos Estados Unidos, caso John F. Kennedy tivesse a oportunidade de completar seu mandato e, sem sombra de dúvida, ser reeleito nas eleições de 1968. Infelizmente, tal pensamento ficou bastante restrito ao livro de Stephen King, mas isso não quer dizer que não gostei do que assisti.

IMAGEM: Variety

Imagem: Hulu/Divulgação

Para a minha surpresa, o roteiro decidiu seguir com outro tipo de narrativa daquela que eu esperava que fizessem. Bem, porque, estamos extremamente mal acostumados com o tipo de entretenimento feito ultimamente. Sem qualquer sinal de apelação, a questão da morte do Presidente foi resolvida rapidamente, abrindo espaço para que explorassem um lado dos personagens que não tinha sido aproveitado até o momento – o humano. Os pensamentos, os medos e os sentimentos de Jake e Sadie se sobrepuseram na história e tomaram conta de toda a conclusão. O que, sinceramente, foi um grande acerto.

A direção é o que mais merece nossos elogios aqui. Construiu-se tamanha comoção nos momentos que se aproximavam do atentado, com a contagem do tempo, do casal sensação subindo as escadas com pressa, que tudo que estava a minha volta parou. Simplesmente espetacular o trabalho que foi feito aqui. Acredito que mesmo que não consigam emplacar uma indicação pela falta de força do Hulu, esta série já entrou para a história como uma das melhores produções de 2016.

Em entrevista para o The Hollywood Reporter, Bridget Carpenter, a produtora executiva, pontuou que eles queriam chegar mais próximos do livro possível. De fato conseguiram e fizeram isso, o que, como bem pontuou o jornalista, não é algo comum de se fazer, principalmente se analisarmos pelas lambanças feitas em Under The Dome Bag of Bones. O final, que quem assistiu terá que concordar comigo, foi um dos mais tocantes, sensíveis e delicados que está televisão já teve o prazer de assistir.

Em síntese, afirmo que quem teve o bom senso de dar uma chance para 11.22.63 terá assistido algo grandioso e que aproximou-se do perfeito em vários quesitos, principalmente na direção e no roteiro, que ultimamente viraram artigos de luxo em diversos dramas da TV aberta. James Franco consegue reafirmar sua grande qualidade e, que sempre foi, um ator sensacional, desde os tempos de Freaks And Geeks. Além de Sarah Gadon revelar-se para o público como uma grande promessa.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    lucas_santtos 30 maio, 2016 at 19:47 Responder

    Que final maravilhoso! Superou demais minhas expectativas e foi realmente um episódio lindão! Concordo contigo quando diz que a série foi uma das coisas mais bem feitas em 2016, porque com sua temporada curtinha, conseguiu entregar uma história completinha, com começo, meio e fim e tudo isso da melhor maneira possível. A direção está de parabéns, principalmente nesse series finale, pois foi tudo realmente perfeito! A maneira como encerraram essa história entre Jake e Sadie foi lindo de ver e ficou meio difícil não se emocionar aqui. Confesso que parei pra assistir o piloto por causa do James (e claro, o projeto MidSeason do Banco de Séries, hahaha), mas me surpreendi bastante e me deixou até com vontade rever em algum momento.

Post a new comment