13 Reasons Why aumentou pesquisas sobre suicídio – inclusive como fazê-lo, relata estudo

Imagem: Divulgação/Netflix

Continua após a publicidade

13 Reasons Why, a popular série da Netflix que mostrou uma adolescente acabando com sua própria vida, pode ter desencadeado um aumento nas pesquisas online sobre suicídio – incluindo como fazê-lo. Os dados vieram de acordo com um novo estudo sobre a primeira temporada, que conteve 13 episódios lançados pela Netflix em 31 de março.

Os pesquisadores descobriram que, durante quase três semanas depois, havia pelo menos 900 mil buscas a mais do que o esperado do Google, incluindo a palavra “suicídio”. Esse é um aumento de 19 por cento com base em previsões usando Tendências do Google e tendências de pesquisa histórica. As pesquisas incluíram métodos de suicídio, linhas de atendimento suicida e prevenção de suicídios.

O estudo, que não prov nenhum um link ou que não examinou nenhuma conexão com suicídios ou tentativas reais, foi publicado  nesta segunda-feira (31) na JAMA Internal Medicine.

Um editorial da revista disse que não está claro se as pesquisas “foram feitas por curiosidade ou por indivíduos suicidas que contemplam uma tentativa”. Mas argumenta que os produtores da série poderiam ter feito mais para enfatizar a prevenção do suicídio, incluindo listagem de recursos para onde encontrar ajuda antes e depois de cada episódio.

Alguns defensores da saúde mental dizem que a série tornou o suicídio glamoroso, e muitas escolas dos EUA enviaram cartas de advertência dos pais sobre a série.

A série é sobre uma garota do ensino médio que deixou para trás 13 fitas de áudio onde ela revelou agressão sexual, abuso de substâncias e bullying, que levou à sua decisão de tomar sua própria vida. O último episódio da primeira temporada mostra o seu suicídio. Mesmo com avisos iniciais, a Netflix reforçou-os após diversas polêmicas envolvendo o caso.

John Ayers, um pesquisador da Universidade Estadual de São Diego, que liderou a pesquisa, disse que a série pode desencadear adolescentes problemáticos e que os produtores devem remover e editar os episódios para se concentrar na prevenção do suicídio. “Muitas pessoas vão à beira e voltam, e têm satisfação com essa decisão”, disse ele.

Em uma declaração escrita, a Netflix disse: “Nós sempre acreditamos que esta série aumentaria a discussão em torno deste assunto difícil. Este é um interessante estudo, quase experimental, que confirma isso. Esperamos mais pesquisas e vamos levar tudo o que aprendemos conosco, ao nos preparar para a temporada 2.”

Madelyn Gould, um pesquisador de prevenção de suicídios da Universidade de Columbia, observou que o projeto do estudo era menos rigoroso do que alguns métodos de pesquisa, mas disse que os resultados “devem ser levados a sério”.

“Minha principal preocupação era que o suicídio fosse retratado como uma consequência inevitável das adversidades da vida ao invés de descrever o que seria uma mensagem realmente mais apropriada, que é que há ajuda quando você se sente suicida ao invés de recorrer a se matar”, Gould disse.

Fonte: The Hollywood Reporter

No comments

Add yours