2ª temporada de Law & Order Organized Crime estreia fraca

Trama principal sem muita criatividade e elenco coadjuvante perdido são os principais problemas. Mas ela ainda pode crescer!

Law & Order Organized Crime
Imagem: Zach Dilgard / NBC

Quando Law & Order: Organized Crime concluiu sua primeira temporada, eu estava empolgado. A série que começara lenta, truncada e com pouca perspectiva, superou-se e conseguiu mostrar a que veio. A Season Finale foi intensa, cheia de ação e que propôs amarrações satisfatórias. Sem nenhuma surpresa, minha expectativa para o segundo ano era grande. Não só pela possibilidade de melhora, mas também pelo anúncio da NBC de que novidades criativas estavam a caminho. Será que deu bom?

Continua após publicidade

Em The Man with No Identity, temos o detetive Stabler (Christopher Meloni) tendo que embarcar numa missão perigosa. Ele deve, no intuito de desbaratinar uma família do crime, trabalhar com disfarce. Contudo, é importante lembrar que essa não é qualquer operação. Elliot é incumbido de coletar informações para impedir que uma notória dinastia transgressora tome controle do tráfico de cocaína na cidade de Nova York. Será que vai dar certo sem qualquer problema? Veremos…

Continua após a publicidade
The Man with No Identity, Law & Order - Organized Crime
Imagem: Zach Dilgard / NBC

Tradicional funciona. Por enquanto…

A proposta de uma narrativa com essa estrutura logo na Season Premiere é compreensível. Uma ideia conservadora que, se bem desenvolvida, é perfeita para dar o pontapé inicial num momento decisivo para Organized Crime.

Continua após publicidade

Leia também: Law & Order SVU estreia 23ª temporada com grande acerto

Afinal, a segunda temporada de qualquer série é o tradicional: “ou vai ou racha”. Não adianta ter bons números de audiência, se está criativamente morta. Foi assim com Revolution e The Gifted, por exemplo, há alguns anos.

Uma família do crime é algo bastante interessante. Diria que faz parte da própria história da cidade de Nova York. Afinal, essas quadrilhas continuam, até hoje, no controle dos serviços de táxi, coleta de lixo e outros. Minha preocupação é que o roteiro, em algum momento, vá falhar, ao apostar na reciclagem e manter-se no piloto automático. É um acerto hoje, mas será que, se continuar no mesmo ritmo, continuará como um acerto amanhã?

Continua após publicidade
The Man with No Identity, Law & Order - Organized Crime
Imagem: NBC / Divulgação

As tramas paralelas de Law & Order: Organized Crime sumiram

Sim, uma Season Premiere é um momento inglório para qualquer produtor e/ou roteirista. Afinal, tem que agradar o telespectador, que busca razões para voltar na semana seguinte. Da mesma forma que precisa entreter os chatonildos, como este que vos escreve, que vê problemas em tudo. Contudo, é preciso entender que há problemas que precisam ser trabalhados de forma um tanto urgente em Law & Order: Organized Crime. Principalmente no que se refere ao elenco de coadjuvantes.

Não me refiro exclusivamente a Ayanna, que mesmo sendo chefe do departamento, segue apagadíssima. Mas também ao restante dos atores que fazem parte do elenco de apoio. Não faz o menor sentido essa narrativa de “pai legalzão, porém ausente”, tampouco esse visual hippie do protagonista. É preciso dar um pouco mais de ousadia à trama principal, mas também dar uma sustança às tramas paralelas, que seguem completamente deslocadas e sem sentido.

Em suma, Law & Order: Organized Crime volta com história fraca, mas com muito espaço para crescer. Nós já vimos isso diversas vezes, basta saber se os roteiristas entregarão o que a gente espera ou se sairão do lugar comum. A franquia Law & Order, quem diria, poderia aprender uma coisa ou outra com FBI.

Nota: 2.5/5