5 Razões para começar a ver The Good Place

Imagem: NBC/Divulgação

“Você, Eleanor Shellstrop, está morta.”

Assim começa The Good Place. Já nos informando que estamos diante de uma comédia pós-morte.

Eleanor (Kristen Bell) teve uma vida exemplar. Cuidou de pessoas, plantou o bem e serviu a comunidade. Até o dia em que ela morreu. O resultado de suas ações na Terra lhe renderam uma vaga no Lugar Bom (o equivalente ao paraíso). Lá ela fica locada em uma vizinhança onde tudo é perfeito. Todos são felizes, possuem uma casa maravilhosa, a sorveteria tem milhões de sabores para escolher, a vida é pacífica, etc e tal. As pessoas inclusive têm a oportunidade de conhecer suas almas gêmeas na vizinhança! Só tem um problema: pegaram a Eleanor errada. A falsa Eleanor era uma mulher extremamente imoral que deveria estar no Lugar Ruim. Depois de perceber que não deveria estar ali, Eleanor vai tentar fazer de tudo para que não descubram sua identidade e a mandem para o inferno.

Continua após a publicidade

A sinopse do programa já é bem chamativa e convidativa, mas se você procura por mais motivos para dar uma chance para a comédia queridinha de público e crítica da atualidade, leia a seguir nossa lista de 5 Razões para começar a ver The Good Place. Seja bonzinho.

Tem na Netflix

A primeira coisa que perguntamos quando alguém nos indica algo é “Tem na Netflix?”. Pois bem, The Good Place tem na Netflix. E não somente está disponível na plataforma, como toda semana um novo episódio é liberado junto com a exibição americana. O baixo número de episódios – treze na primeira temporada e, atualmente, cinco na segunda – é um facilitador para colocar a série em dia. Uma maratona de fim de semana deve bastar.

Uma comédia diferente, leve e subversivamente fofa

Com tanta sitcom sobre família, trabalho e relacionamentos rodando por aí, é bom ter uma alternativa fora desse espectro. Apesar de algumas vezes tocar nesses temas, a comédia vai além das “crônicas da vida comum” e nos apresenta um mundo fantasioso e, por horas, meio bizarro. Afinal, é a história de uma mulher sem moral no paraíso, por favor. Alguns questionamentos existenciais surgem de vez em quando, mas nada muito agravante; Good Place ainda é uma série levinha e colorida (e deliciosamente subversiva). Estranho como um projeto tão diferente conseguiu sobreviver a implacável TV aberta americana.

Kristen Bell (e o elenco)

Seriadores experientes vão se lembrar de Kristen Bell em Veronica Mars, Heroes, House of Lies e Gossip Girl (ela era a narradora). Tempo de tela e talento é o que não falta para a atriz, isso é notável. Em The Good Place, Bell soube navegar pelos esterótipos de sua personagem e continuar crível como pessoa. Mas no fim, seu grande trunfo acaba sendo o timing cômico. Ela sabe fazer comédia, ponto. O restante do elenco, apesar de ser praticamente desconhecido, – com exceção de Ted Danson (CSI) – é bem competente e está nivelado com os grandes nomes da produção.

Não posso incluir o nome do Jianyu na afirmação acima (Desculpa).

 Janet!

Janet é uma guia no Lugar Bom. Ela é uma fonte de informações e pode conseguir qualquer coisa que alguém pedir. Se você estiver em sua casa às 2 da manhã e quiser batata frita, é só chamar o nome de Janet e ela irá se materializar ao seu lado para realizar seu pedido. Se você quiser saber o nome da maior estrela da galáxia, chame-a e ela irá te dizer. Janet sabe tudo. Essas características fazem dela a personagem mais engraçada do programa. Janet é uma criatura evoluída tentando agir como um humano comum, e isso desencadeia comportamentos estranhos e algumas tiradas hilárias. Quando você menos perceber, vai estar rindo de sua sinceridade ingênua e de seu sorriso prestativo constante.

Reviravoltas

Ninguém merece histórias planas em que nada acontece. The Good Place rende bastante coisa, o tempo todo. A história avança e bam!, uma reviravolta muda o caminho das coisas. Se você leu um pouco sobre a série por aí, deve ter visto pelo menos uma vez alguém comentando sobre o final chocante, e realmente, o final da primeira temporada deu novos ares para a produção. Seria mais fácil manter a saga de Eleanor tentando se enquadrar no Lugar Bom – uma trama assim renderia temporadas, – mas os roteiristas não foram pelo caminho mais fácil e o resultado foi o melhor. Se a comédia conseguir se reinventar com a mesma frequência e quebrar as expectativas, talvez sobreviva por vários anos. Qualidade pra isso ela tem.

Agora corre pra Netflix e comece essa maratona. Volte depois e nos diga o que achou 😉

Você pode conferir as resenhas de The Good Place aqui.

No comments

Add yours