5 razões que fazem House of Cards ser a melhor série da Netflix

Imagem: Netflix/Divulgação. Arte: Mix de Séries.

Continua após as recomendações

Deslumbrante. Se eu fosse definir House of Cards em uma palavra, seria deslumbrante. Mas ainda bem que eu tenho a oportunidade de traçar 5 razões que a definem, em minha humilde opinião, como a melhor coisa que a Netflix já fez em toda a sua história.

E olha que eu não dei o braço a torcer para a série. Achava que ela poderia viajar, ou não sabia por qual território seguir. Mas à medida que as temporadas passam, é impressionante a qualidade de roteiro de House of Cards, e a cada estreia de temporada é impossível não consumir os episódios de uma só vez. Inclusive, deixo minha revolta pelos episódios desta temporada estrearem numa terça, tornando impossível eu devorar todos os 13 novos capítulos rapidamente. Talvez, acabe sendo uma coisa boa.

Continua após a publicidade

Mas se você ainda não está convencido de que estamos tratando da melhor série do serviço de streaming, eis as 5 razões para te convencer de tal fato:

É a primeira série original de sucesso da Netflix…

House of Cards surgiu em uma época que a Netflix era, praticamente, insignificante em um mundo que ainda era dominado por produções convencionais da televisão, seja aberta ou fechada. A série chegou para mudar padrões e continua, 4 anos depois, revolucionando neste quesito. Dizem que a “primeira vez é inesquecível”. De fato, mesmo com tantas produções originais no catálogo, House of Cards segue com uma qualidade absurda e fiel a sua proposta, tornando-a em minha opinião a melhor série original do serviço de streaming.

A trama é absurdamente real.

Ok, há quatro anos atrás você poderia virar para mim e falar que isso era algo puramente ficcional. Mas nós, brasileiros, tivemos o mérito – ou desprazer – de ver que se você conseguir mexer bem os “pauzinhos”, tornar-se Presidente da República sem ter recebido um voto não é tão difícil assim. Por isso, caracterizei com o termo “absurdo” por vermos que ela pode retratar uma história real.

Frank Underwood, melhor – pior – personagem que você respeita!

A verdade é que House of Cards não seria nada sem um protagonista carismático, ou por quem você se importe. O Frank Underwood de Kevin Spacey pode ser o personagem mais sem escrúpulos, algo que não víamos desde Tony Soprano de The Sopranos, mas é impossível não “torcer” ou ficar curioso para ver onde a trajetória de Frank irá parar. Até porque, ele conversa diretamente conosco, quebrando a quarta parede de forma sensacional! Coisas que só House of Cards nos proporciona…

A qualidade do roteiro…

Convenhamos, a qualidade do roteiro de House of Cards é nitidamente superior a muitas produções da Netflix. Isso se dá no refinamento dos diálogos, na condução das histórias dos personagens que acabam se refletindo a uma direção que casa perfeitamente no que a série necessita. Não existem reviravoltas extraordinárias em um estilo “Scandal” ou “How To Get Away With Murder”, mas reviravoltas que o mundo real proporcionam, e como me referi acima, absurdamente reais. House of Cards transcende a barreira da ficção quando se permite a quase ser uma série documental.

Igualdade feminina…

Eu não poderia excluir Claire Underwood dessa 5 razões. Afinal, aprendemos que ela é tão importante quanto Frank Underwood para a trama. A maneira como Robin Wright interpreta sua personagem é deslumbrante, e a forma como ela luta por ela também. Vocês sabiam que ela exigiu receber o mesmo salário que Spacey, uma vez que ela achava a importância de sua personagem a mesma que a do seu colega de elenco? E isso se faz refletir na tela. À medida que a história passa, vemos como Claire é importante e decisiva na vida de Frank, e sem ela o Presidente não chegaria a lugar algum.

Obviamente, eu poderia ficar aqui citando muitos outros motivos pelas quais essa série é a melhor coisa na história da Netflix, e se você ainda se deu ao luxo de não assistir, recomendo honestamente que assista. É uma das melhores coisas no ar atualmente e, sem dúvidas, já deixou sua marca na história da TV.