Jane the Virgin – 4×01 – Chapter Sixty-Five

Imagem: Youtube/Reprodução

A temporada começa exatamente onde parou, com Jane e Adam se reencontrando após oito anos e ele lhe trazendo a carta que foi deixada por Michael. A introdução do personagem de Tyler Posey foi bem engraçadinha e com direito a trocadilho e piadinhas de signos. Mais alguém adorou a inserção da narradora feminina? Quero ela lá pra sempre!

Apesar de terem sido noivos há muitos anos, a família de Jane ainda não superou que Adam “Amorzinho” a abandonou no dia de seu casamento – mesmo que tenham sido elas a fazerem com que isso tivesse acontecido. A sequência de cenas onde elas espionam os dois e Rogelio está muito confusa, é muito engraçada e só melhora com Matelio querendo ser o herói de sua mãe e acaba em uma situação bem embaraçosa.

Continua após a publicidade

Imagem: Yputube/Reprodução

O triangulo amoroso – que mais parece um quadrado – ultimamente estava bem balançado e parecia que não ia melhorar nada com as tramoias de Anezka e Luiza. Vale lembrar que Rafael perdeu seu dinheiro por conta de sua irmã e Petra quase foi assassinada pela dela. Entretanto, ela e Rafael puderam se entender e Jane pode finalmente seguir em frente. Nesse meio tempo, descobrimos que a música tema das cenas românticas presentes na série foi composta por ninguém mais e ninguém menos do que (rufem os tambores)… Adam!

No geral, a premiere foi muito boa e manteve o ritmo dos episódios anteriores. O tempo todo a história trazia elementos que prendiam quem estava assistindo impedindo que a pessoa se entediasse e isso é essencial em primeiros episódios. A série tem tomado rumos diferentes desde a temporada passada, ela começou como uma série de comédia romântica com pitadas de mistério e suspense, agora ela está com um ar mais sério e maduro, mas como o narrador disse: “In novellas, you must be prepared for change after all”.

No comments

Add yours