A base do Castelo – A Origem de House of Cards

House of Cards Estante

 

House of Cards está prestes a retornar e o Da Estante Para a TV traz para você algumas curiosidades sobre como este, que é um dos melhores dramas da atualidade (o melhor, na opinião deste que vos escreve, mas sejamos democráticos), surgiu.

Para começar, a série da Netflix é baseada em um livro homônimo que, por sua vez, gerou uma minissérie britânica da BBC em 1990. House of Cards foi o primeiro de uma trilogia escrita por Michael Dobbs, político e escritor britânico. Tanto no livro quanto na minissérie, Underwood vira Urquhart. O Francis permanece, mas muita coisa muda junto com o sobrenome. Para começar, o material de origem se passa nos bastidores políticos da Inglaterra, enquanto o drama atual é ambientado em Washington D.C. e mostra um político sem escrúpulos que anseia se tornar o novo presidente dos Estados Unidos. As diferenças já estão nos próprios Francis: enquanto o britânico é um tanto “almofadinha”, o americano estrangula com as próprias mãos um cão que agoniza após um atropelamento nos segundos inicias da série. Além disso, American Frank parece sentir prazer nas artimanhas que planeja.

Continua após a publicidade

house of cards livroNo livro, Francis é um escocês que deseja ser recompensado por seus serviços se tornando Primeiro Ministro (Rei é que não seria, claro), o que acaba não acontecendo, como você deve suspeitar. Já na versão televisiva americana, Frank é um político tão dedicado a conseguir o que quer de qualquer maneira, que o cargo de Secretário de Estado lhe fora prometido antes da posse do futuro Presidente. Eis que o sujeito vence a eleição e o cargo prometido a Francis vai para outra pessoa. A ideia é a mesma, o que muda, óbvio, são os cargos e o modo de governo, claramente distinto. A partir de então, britânico e americano começam sua escalada ao poder.

O que há de mais interessante nas três versões de House of Cards (literárias, minissérie e série) é comparação e as eventuais diferenças entre os modos de governo de cada lugar. Enquanto em uma é Washington e a Casa Branca que ornam a trama política, em outra é Westminster que serve como cenário. Enquanto o British Francis é conservador, o americano tem uma veia liberal, apesar de que Underwood muda seu estilo e abordagem de acordo com o alvo. É interessante perceber, por exemplo, que a ideia para o livro surgiu na época em que a eleição para Primeiro Ministro estava prestes a ocorrer e Margaret Thatcher veio a se tornar a eleita.

E as mudanças continuam: todos os personagens na série da Netflix parecem mais inescrupulosos e durões do que no livro. Zoe é durona que a personagem no livro; Claire, esposa de Frank, é um dos elementos vitais na série, mas mera coadjuvante nas páginas do livro. Claire, inclusive, parece que irá protagonizar a terceira temporada de House of Cards ao lado de Frank. Os vídeos promocionais já entregam: a relação do casal está abalada e será desenvolvida comHouse of Cards - Cartão Postal 1 destaque no decorrer da temporada.

Para finalizar, a grande diferença reside, claro, na época em que cada adaptação se passa: o livro foi escrito na década de 80, enquanto a minissérie veio em 90 e a Netflix lançou sua série em 2013. Enquanto agora a tecnologia está avançada e políticos e jornalistas usam diferentes tipos de aparelhos, na década de 80 esta realidade estava longe de acontecer. Nos livros, a União Soviética é uma das ameaças; na série, que se passa bem depois da ameaça soviética, as ameaças são outras: os professores, os sindicatos, os chineses, etc.

A terceira temporada de House of Cards estreia na Netflix na próxima sexta-feira, 27 de fevereiro.

Obs.: Este texto foi baseado em diversos textos e entrevistas onde o autor de House of Cards, Michael Dobbs, fala sobre seus livros e suas respectivas adaptações.

Matheus Pereira

Matheus Pereira

Gaúcho, estudante de jornalismo e viciado em séries. Tem séries pra assistir de mais e tempo de menos. Séries favoritas? Six Feet Under e Breaking Bad.

2 comments

Add yours
  1. Avatar
    Michele 23 fevereiro, 2015 at 16:21 Responder

    HoC <3 Francis é espetacular. Não sabia desse livro e nem das adaptações. Termino essa semana minha maratona da 2ª temporada para acompanhar a 3ª.
    Como sempre, ótimo texto Matheus.

Post a new comment