A história por trás da abertura de Narcos

A criação de uma abertura é sempre uma arte à parte, mesmo com os altos e baixos ao longo da história da televisão, permitindo que o espectador tenha uma ideia do que está por vir. O texto dessa semana vai falar da história contada na abertura de Narcos, um sucesso da Netflix, que rendeu uma indicação ao Globo de Ouro para Wagner Moura.

A primeira temporada do drama foca em Pablo Escobar, sendo o desafio da abertura forjar um começo não centrado unicamente em torno do carismático chefão e, sim, em torno do narcotráfico colombiano em geral e a tentativa dos Estados Unidos para controlá-lo.

Com um fundo musical cantado por Rodrigo Amarante, a abertura de Narcos retrata a tentativa americana de rastrear Pablo Escobar, retratado por anotações em imagens de satélite da Colômbia. O tráfico é representado por explosões artísticas de pó branco, simbolizando a cocaína. Além disso, podemos ver uma pasta cheia com dinheiro até a borda, e as “misses” da Colômbia, ilustrando o glamour da época, enquanto arquivos de filmes e fotos com o mapa aéreo de Medéllin são sobrepostos. Tons vintage dominam os 30 segundos de abertura, alinhando passado e presente, realidade e ficção.

 

narcos_c2

 

Ao longo da abertura, Rodrigo Amarante canta “Tuyo” (Você, em espanhol), música composta especialmente para a série. A melodia nos lembra uma serenata romântica que, possivelmente, tenha sido inspirada por músicas que a mãe de Pablo Escobar possa ter escutado enquanto via o filho jovem e ambicioso se tornar um traficante infame.

A abertura, assim como a própria série, não exagera no caráter de Pablo Escobar. A sequência de cenas de violência ilustram consequências das nefastas ações de Escobar sobre a vida colombiana naquela época. Os créditos terminam com um carro em chamas, o que significa que nada de bom está para acontecer.

Você pode conferir a abertura completa aqui:

 

Share this post

Luana Andrade

Quer abrir uma funerária com a família Fisher, trabalhar com Fox Mulder e explodir uma bomba com Nicholas Brody. Apreciadora de aberturas, acredita que todo mundo deve assistir Arquivo X pelo menos uma vez na vida.