A linda minissérie A Casa das Sete Mulheres

A casa das sete mulheres

Continua após publicidade

Vamos de série nacional hoje? Eeeee! Venho aqui falar de uma minissérie, nem tão mini assim, que assisti duas vezes já e que roubou meu coração quando passou na Globo há 12 anos atrás (gente me senti idosa agora). Assisti em 2006 quando passou de novo!

Continua após a publicidade

Adaptação do livro de mesmo nome, da gaúcha Letícia Wierzchowski, mostra o papel das mulheres nos bastidores da revolta conhecida como Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha. Insatisfeitos com o governo Imperial, os sulistas da província de São Pedro do Rio Grande do Sul, queriam independência da província como estado republicano, tornando-se a República Rio-Grandense!!! Bah Tchê.

Continua após publicidade

Quem viu, uma ou duas vezes como eu, se apaixonou pelas paisagens, trilha sonora e interpretações dessa minissérie que foi um sucesso da Rede Globo – não se fazem mais como essa. A história gira em torno da família do líder dos farrapos, Bento Gonçalves (Werner Schunemann). Eles moram todos em uma casa grande de fazenda, onde ocorrem as festas, casamentos, separações, mortes e retornos das guerras.

Vamos falar das protagonistas, as sete corajosas mulheres que defenderam sua honra, sua terra e os ideais de seus maridos à ferro e fogo. Primeiramente a Dona Caetana (Eliane Giardini), esposa de Bento Gonçalves, que tem um terecoteco com Bento Manuel (Luís Melo). Dona Ana Joaquina (Bete Mendes), sempre muito bondosa e acolhedora ao contrário de sua irmã Dona Maria (Nívea Maria) que faz suas três filhas sofrerem o diabo, ambas são irmãs de Bento Gonçalves que ajudam Caetana cuidar da Instância. As filhas sofredoras da Dona Maria são Manuela (Camila Morgado), Rosário (Mariana Ximenes) e Mariana (Samara Felippo), que tem uma sina de chorar pelo amor de seus homens durante toda a história, sendo que Rosário é até meio delusional, mas garanto que todas têm histórias lindas de viver. Com a filha mais velha de Caetana e Bento, Perpétua (Daniela Escobar), as quatro formam um grupo imbatível, escapam, lutam pela suas felicidades, tão difíceis de alcançar. Ainda mais as filhas de Dona Maria que precisam permanecer virgens até o casamento, pense numa coisa difícil no meio de um exército de homens de uniforme! Tô falando dos inimigos também hein.

Continua após publicidade

 

A casa das sete  mulheres

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

 

Brincadeiras à parte… Rosário, por exemplo, se apaixona por Estevão (Thiago Fragoso), um soldado das tropas inimigas de seu tio Bento, fazendo ciúmes no seu prometido, Afonso Corte Real (Murilo Rosa), que não é de se jogar fora – mesmo. Mas é outro romance que fica mais em destaque mesmo não sendo meu preferido: Manuela e Giuseppe Garibaldi (Thiago Lacerda), é ela que narra a história escrevendo em seu diário sobre o período da Revolução. É simplesmente espetacular a narração dela, é o que dá emoção, ótima atriz que fez um grande papel! Na minissérie ela é prometida a Joaquim e a família não deixa ela casar com Giuseppe, no livro é Manuela que não tem coragem que ir pra guerra com ele. Tudo pelo drama né, porque na telinha, a viagem dela para reencontrar seu amor seria boa de ver, principalmente quando ela desse de cara com Anita (não a do funk pelo amor de Deus) que se tornou a guerreira mais conhecida do sul do Brasil, ao lado do amado Garibaldi, e se tornou mais tarde Anita Garibaldi, que dá nome a uma cidade de SC junto de Bento Gonçalves no RS. Muito amor não é mesmo?

Vou resumir agora, vale muito a pena ver, assistam! Vou economizar e comprar os DVDs pra ver de novo. Mais algumas curiosidades pra vocês: A adaptação da Globo mudou outras coisas – acho que para não chocar tanto com os costumes do século retrasado. Por exemplo, no livro, Manuela tinha 15 anos, na TV no mínimo 20, e daí já correu atrás do Giuseppe dela. Dona Maria não era amarga no livro, mas como eu disse, tudo pelo drama ! E não importa quantos papéis Thiago Lacerda faça depois desse, ele sempre parece o Giuseppe para mim.

Adorei relembrar um pouquinho dessa delícia de série e contar um tantinho da história do meu sul. Se vocês lembram de ter assistido, comentem as melhores cenas aí, a minha é a cena da ida do barco para Laguna, e a sua?