A magia na abertura do Castelo Rá-Tim-Bum

Castelo

Continua após as recomendações

 

A coluna Aberturas dessa semana é cheia de nostalgia. Fico muito feliz e emocionada de falar da minha série preferida, do tempo que eu nem sabia o que era série, mas eu sabia o que era bom! Um programa recheado de aprendizado e coisas legais. Eu sinto muito pelas gerações que não vão conhecer o Castelo Rá-Tim-Bum. Os meus filhos irão conhecer com certeza, mesmo se não passar mais na TV Brasil! É considerado um dos melhores produtos audiovisuais da história da televisão brasileira. O programa marcava audiência média de 12 pontos, a maior de qualquer outro programa educativo da TV Cultura. Exibido originalmente entre 9 de maio de 1994 e 24 de dezembro de 1997, totalizando 90 lindos episódios (sim você está velho!).

Continua após a publicidade

Pra quem viu (ou ainda vê as vezes como eu) sabe o quanto a abertura era contagiante. A montagem do Castelo, a magia, mesmo com as imagens do tempo do Mario em pixels, qualidade ruim, eu acho que era a mágica envolvida mesmo, que fazia do programa e da abertura as melhores coisas que eu já vi. A construção de um pequeno sonho da minha geração, as paredes sólidas surgindo, os detalhes, a bandeira, ai que emoção.

 

Castelo 1

 

Do nada, no meio da cidade, temos um Castelo, onde vive um menino que não cresce, ele tem 300 anos e mora com os tios (bruxos: Morgana e Victor), possui uma cobra rosa de estimação que vive na árvore no meio da sala (daí vem meu desejo de morar em uma casa na árvore), móveis interativos que contam histórias super interessantes, lustres que cantam, ratinhos que te ensinam sobre banho e higiene pessoal, o espertinho do “porque sim não é resposta“…

Nossa quanta coisa, que saudades! Nino era uma peça, seus pais estavam em viagem ao espaço sideral, com os irmãos mais novos. Mas como ele queria amigos, acabou fazendo um feitiço e trouxe a bola de três crianças para dentro do Castelo. E então começa a aventura! Biba, Pedro e Zequinha com nosso eterno Nino.

Eu não posso esquecer do Etevaldo, Mau, Gato pintado, Godofredo, Porteiro, Tíbio e Perônio, Relógio, Fura-bolos, Adelaide, Caipora e Dr. Abobrinha! Esse último queria derrubar o castelo com seus planos sempre horríveis. Tô dando risada só de lembrar. Depois de uma idade você começa a lembrar do passado, como queríamos crescer logo, ser adulto, mas as pontinhas soltas sempre se amarram e aparecem na memória trazendo saudades. Castelo, assim como Harry Potter, Senhor dos Anéis, Turma da Mônica etc. fazem parte de mim, e jamais serão esquecidos.

 

Tchau, não! Até amanhã! – Nino

 

Quer relembrar a abertura, clica no play e viaje no tempo com a gente:

 

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=Vrf4mdnOi10 [/youtube]

Caroline Marques

Caroline Marques

Engenheira de Alimentos, mestre em química de alimentos, um tanto quanto viciada em séries, filmes e livros. Fã de Hannibal, Dexter, Grey's Anatomy, Demolidor, Sherlock e Stranger Things. Reviewer de Chicago PD.

2 comments

Add yours
  1. Eduardo Nogueira
    Eduardo Nogueira 10 junho, 2015 at 11:18 Responder

    Ai gente que nostalgia boa de se relembrar, que até senti uma leve tentativa de suor em meus olhos, rs.
    Quem diria que 21 anos depois, essa relíquia ainda faz sucesso inacreditável? Pois mesmo sendo reprisada diversas vezes, continua sendo uma das maiores audiências da TV Cultura. Lindo texto Carolinda!
    Obrigado por relembrar da segunda melhor coisa na TV durante minha infância, pq a primeira foi Chaves (e continua sendo).

Post a new comment