A Ponte – The Bridge Brasil traz uma proposta inovadora e emocionante

Esqueça tudo que você sabe sobre reality show, A Ponte: The Bridge Brasil te convida a uma nova experiência.

A Ponte: The Bridge Brasil
- Publicidade -

Verdade seja dita, o brasileiro adora um reality show. Acompanhar uma disputa por um prêmio mexe com a cabeça das pessoas. Enquanto alguns garantem um momento “saudável” de alienação e puro entretenimento, outros focam no aprendizado, na troca de experiências e na superação.

- Publicidade -

A Ponte: The Bridge Brasil é o novo reality show da HBO Max e merece sua atenção. Com uma experiência bem diferente, a proposta cria uma metáfora sobre a construção de pontes e relações entre pessoas diferentes, mas com um objetivo em comum.

Não se trata de uma competição comum sobre resistência e sobrevivência em busca de um prêmio. O programa fala sobre empatia e senso de coletividade. Criar laços em momentos difíceis e ver até onde esses podem levar os participantes.

- Publicidade -

Com um elenco eclético que mistura famosos e anônimos, o grande diferencial é dar um propósito a cada participante e não apenas inflamar com intrigas o jogo em busca do prêmio. Mas estamos falando de pessoas diferentes convivendo em situações extremas. Então você pode esperar por alguns momentos de tensão, brigas e desentendimentos.

Elenco e formato de A Ponte: The Bridge Brasil

O formato é inédito no Brasil e apresenta 14 participantes isolados em uma área na mata atlântica com uma missão. Eles devem construir uma ponte de bambu de 300 metros para alcançar uma torre no meio de um lago com um baú com o prêmio de R$ 500 mil reais no prazo de 20 dias.

Mas conquistar o prêmio não é uma tarefa fácil. Ou seja, requer esforço físico, habilidades manuais, disciplina, paciência e senso coletivo. No decorrer dos dias alguns participantes percebem a importância de criar pontes/alianças para chegar na final. A estratégia é válida e pode garantir ao participante sua permanência no jogo.

- Publicidade -

O elenco do programa aposta na diversidade e na pluralidade. A cantora Pepita, a atriz Danielle Winits, o cantor Badauí (CPM22), a modelo Suyane Moreira, a atriz Polly Marinho e o ator Fábio Beltrão se unem aos anônimos Priscila Sena, Boaventura Carneiro, Jordana Louise, Diego Del Rio, Henrique Fares, Paola Santerini, Artur Carvalhaes e Claudinha Gadelha. A seleção do elenco se revela um dos grandes acertos da produção. Com perfis tão diferentes, as oportunidades de alianças e conflitos estão na mesa.

Enquanto isso, cada um contribui de alguma forma com suas vivências e experiências externas. Eles contam suas histórias e constroem narrativas que esbarram em pautas importantes. Por diversas vezes, o grupo se vê confrontado por algum dilema moral.

Por outro lado, a maior reviravolta do jogo é que nem todos vão atravessar a ponte no final, e aqueles que conseguirem deverão escolher apenas um vencedor. Cabe à pessoa escolhida decidir se divide o prêmio ou não com os demais participantes. No jogo de A Ponte: The Bridge Brasil, uma decisão pode mudar tudo!

- Publicidade -

Reality show garante muitas reviravoltas que mudam a dinâmica do jogo

Todo jogo precisa de um mestre, alguém para movimentar as engrenagens. E quem assume esse posto é o ator Murilo Rosa. Ele representa uma figura misteriosa com ares às vezes caricatos, mas funciona porque tudo é colocado de forma intencional. Murilo é o condutor dessa jornada, suas narrações refletem as questões de convivência e principalmente sobre a construção da ponte. O ator está bastante à vontade e entrega um trabalho diferente de tudo que o público já viu.

Para a construção da ponte fluir, o grupo precisa de um guia que é escolhido em votação aberta. A figura do guia deve direcionar e comandar o trabalho manual para garantir o cumprimento da missão. Mas ser líder não é uma tarefa fácil nesse jogo. O baú é um dispositivo de enredo muito interessante, usado de forma inteligente ao longo da temporada. Mas é preciso entender que o programa não se trata de um jogo de competição, mas sim de união.

Acima de tudo os participantes confrontam sempre algum dilema que resulta em um ganho e um sacrifício para o grupo. O jogo sempre desafia seus participantes a tomar decisões difíceis que podem custar a diminuição do prêmio, a eliminação de alguém ou até mesmo um imprevisto com a ponte em construção. Todo episódio guarda surpresas e reviravoltas muito interessantes.

Vale a pena assistir A Ponte: The Bridge Brasil?

A direção é muito sensível ao explorar a natureza e a beleza do meio ambiente. Em alguns momentos pode parecer um filme, pois cria essa história sobre uma jornada épica de sobrevivência, superação e autoconhecimento. A qualidade técnica, a fotografia e a edição são um show à parte. A cabana que acolhe os participantes foi construída com madeira de reflorestamento. Além disso, a produção recebeu o acompanhamento de ambientalistas para monitorar possíveis impactos pela construção da ponte.

Sem energia elétrica, os participantes utilizam lampiões para iluminar o ambiente interno e externo da cabana. Com o fim das gravações, 3 mil mudas de árvores nativas foram plantadas no local. O programa enfrentou o desafio de filmar em meio à pandemia. Todos os protocolos sanitários foram seguidos e não houve registro de casos de C0VID-19.

Portanto, com o sucesso no streaming e a boa repercussão nas redes sociais, a produtora responsável, Endemol, já estuda a possibilidade de uma segunda temporada para o ano que vem. A Ponte: The Bridge Brasil possui oito episódios em sua primeira temporada.

Mas aqui fica uma dica. Tente não passar raiva com o episódio final que revela o grande vencedor do programa e a decisão tomada sobre o destino do prêmio.

- Publicidade -