A verdade sobre o filme Era uma vez em Hollywood

Era uma vez em Hollywood
- Publicidade -

Com os viciados nas ruas e a agitação nos estúdios, 1969 foi uma época de mudanças profundas não apenas em Hollywood, mas nos Estados Unidos em geral. Em todo o país, a contracultura estava em conflito com a autoridade. Enquanto isso, na indústria cinematográfica, novos cineastas desafiavam velhas suposições. Essas dinâmicas serviram, então, de pano de fundo para o nono filme do roteirista e diretor Quentin Tarantino, Era uma vez em Hollywood. Trata-se de uma ficção vagamente histórica estrelada por Leonardo DiCaprio como o fictício Rick Dalton, um ator de faroeste que enfrenta uma carreira decadente, e Brad Pitt como seu fiel dublê Cliff Booth.

- Publicidade -

À medida que o movimento da contracultura se consolidava, trazendo consigo drogas, amor livre, rock psicodélico e uma nova atitude em relação à vida americana, as normas também estavam mudando em Hollywood. “Esses diretores e atores mais jovens estão começando a fazer filmes, e muitos de seus filmes são muito populares – para irritação da Hollywood mais tradicional”, explica Christine Lamberson, historiadora da Angelo State University, no Texas. 

Final da década de 1960 marcava uma revolução cultural

Muitos desses filmes, então, derrubaram ideias antigas sobre o que poderia ser retratado na tela, incluindo níveis crescentes de violência, como em Bonnie e Clyde, de 1967, e maior liberdade em relação à sexualidade, como em A Primeira Noite de um Homem do mesmo ano. A nova Hollywood, como a TIME escreveu em 1967, desfrutava de “uma nova liberdade inebriante de fórmulas, convenções e censuras”.

- Publicidade -

Como as histórias em vários filmes anteriores de Tarantino, Era uma vez em Hollywood é uma narrativa ficcional ambientada em um pano de fundo amplamente histórico. Neste caso, a história de Dalton e Booth se desenrola sobre uma realidade histórica macabra, nos quais membros da Família Manson assassinaram brutalmente a atriz Sharon Tate e vários outros na noite de 8 para 9 de agosto de 1969. Aqui está a verdadeira história subjacente de Era uma vez em Hollywood.

Imagem: Getty

Quem eram Charles Manson e a Família Manson, retratados em Era uma vez em Hollywood?

Em Era uma vez em Hollywood, Dalton e Booth entram em contato com a Família Manson, um grupo cult de jovens mulheres e meninas sob o domínio de um carismático ex-presidiário, Charles Manson (interpretado por Damon Herriman). Na vida real, Manson viveu na área de Los Angeles no final dos anos 60, atraindo jovens vulneráveis ​​para sua órbita com ensinamentos pseudo-religiosos e técnicas de manipulação antiquadas. 

Cercado por acólitos, Manson se estabeleceu como algo entre um líder religioso e um cafetão. Ele ordenava que seus seguidores dormissem com o cego e fraco George Spahn (interpretado por Bruce Dern). Assim, a Família podia ficar de graça no rancho de Spahn. Os membros da Família Manson incluíam aqueles que cometeriam os assassinatos de Tate.

- Publicidade -

Leia também: As 11 melhores séries sobre crimes reais

Manson nutria sonhos de estrelato musical e fez amizade com muitos na indústria. Isso inclui o baterista do Beach Boys Dennis Wilson. O artista, em 1968, deixou o líder do culto e seus seguidores ficarem na casa de Wilson em Los Angeles. Eles ajudaram Manson a gravar um álbum. Os Beach Boys até acabaram gravando uma das músicas de Manson, “Cease to Exist”. Ela acabou sendo lançada, substancialmente alterada, como “Never Learn Not to Love” em 1968.

Mas Manson não era um parasita inofensivo da indústria da música. Tendo desenvolvido uma habilidade substancial em manipular garotas jovens e vulneráveis ​​à margem do movimento juvenil da Califórnia, Manson, um racista desequilibrado, pregou para eles sobre uma guerra racial apocalíptica que ele apelidou de “Helter Skelter”, em homenagem à música do Álbum Branco dos Beatles do mesmo nome. Essas crenças ridículas, juntamente com o controle quase total de Manson sobre seu grupo de seguidores, levariam o grupo a cometer uma série de assassinatos horríveis em 1969.

Imagem: Getty

Quem foram Sharon Tate e Roman Polanski?

Em Era uma vez em Hollywood, Margot Robbie interpreta Sharon Tate, uma atriz que mora ao lado de Rick Dalton, de DiCaprio. Tate está no início de uma carreira promissora, enquanto Dalton enfrenta estagnação em sua própria. Embora na vida real não houvesse Rick Dalton morando ao lado, grande parte das pessoas no filme existiu ou ainda existe.

- Publicidade -

Leia também: As 7 melhores séries de investigação criminal na Netflix

Como no filme, Tate estava alugando uma casa em 10050 Cielo Drive em Los Angeles durante o verão de 1969 com seu marido, o cineasta Roman Polanski. Tate era mais conhecida por seu papel no filme Valley of the Dolls (1967). Já Polanski estava recém-saído do sucesso do agora clássico O Bebê de Rosemary (1968). Em Era uma vez em Hollywood, por exemplo, Tate vai ver The Wrecking Crew (1968). Trata-se de um filme de ação de Dean Martin que foi um dos últimos filmes em que atuou. 

Em uma cena, Tate e Polanski vão a uma festa na mansão de Hugh Hefner na Playboy. É uma cena que fala da vida encantadora e despreocupada que eles viviam como membros da elite de Hollywood. Embora esta cena seja fiel ao espírito da época, não é literalmente precisa. Não havia modelos vestidos de coelhinhos na mansão da Playboy em 1969, já que Hefner não comprou a propriedade até 1971.

Mindhunter 3 temporada
Imagem: Divulgação. Caso é citado em Mindhunter, da Netflix

O que realmente aconteceu na noite de 8 de agosto de 1969?

Sem estragar o filme, basta dizer que em Era uma vez em Hollywood Tarantino adota sua abordagem revisionista da história. Os fatos reais de 8 de agosto de 1969, na Cielo Drive, no entanto, envolvem um dos crimes mais chocantes e indeléveis do século XX.

Na vida real, Manson ordenou que seus seguidores Charles “Tex” Watson (interpretado no filme por Austin Butler), Susan Atkins, Patricia Krenwinkel e Linda Kasabian fossem para a casa em 10050 Cielo Drive e matassem todos que encontrassem lá. A casa pertenceu anteriormente a Terry Melcher, um produtor musical que se recusou a assinar um contrato de gravação com Manson. Melcher não morava mais lá, e a casa estava sendo alugada por Polanski e Tate, que estava grávida de oito meses. Quando os membros da Família Manson bateram na porta, enfim, Polanski estava fora, trabalhando na Europa. Tate, entretanto, estava em casa, junto com um dos amigos de Polanski. Eles eram Wojciech Frykowski (Costa Ronin), sua namorada Abigail Folger (Samantha Robinson) e Jay Sebring (Emile Hirsch), um cabeleireiro de celebridades que era amigo e ex-namorado de Tate.

Do lado de fora da casa, os membros do culto encontraram Steven Parent, um adolescente visitando um amigo na rua, e o mataram. Então os quatro seguidores de Manson invadiram a casa e assassinaram Tate, Folger, Frykowski e Sebring com facas e uma pistola. Ao sair, Atkins rabiscou a palavra “PIG” na porta da frente com o sangue de Tate.

Leia também: 45 filmes bons para assistir em um sábado à noite

O derramamento de sangue, entretanto, não terminou aí. Na noite seguinte, Manson e um grupo de seguidores invadiram a casa do casal rico Rosemary e Leno LaBianca em Los Angeles. Eles os amarraram e, então, deixaram para trás um grupo de seguidores para matá-los.

Manson, que ordenou os assassinatos, mas não estava presente para eles, foi considerado culpado de assassinato e condenado à morte, mas sua sentença foi comutada para prisão perpétua depois que a Califórnia proibiu a pena capital em 1972. Os outros também foram condenados e receberam da mesma forma penas comutadas, exceto Kasabian, que serviu como principal testemunha de acusação e recebeu imunidade.

Os assassinatos enviaram ondas de choque pela cultura americana. Muitas delas ainda são sentidas hoje na presença contínua de Manson na cultura pop, mesmo após sua morte em 2017. Para muitos, no entanto, esses assassinatos horríveis, juntamente com outros eventos cruciais, como o desastroso Concerto de Altamont (um enorme festival de concertos improvisado na Califórnia que resultou em quatro mortes) contribuíram para o colapso do movimento.

- Publicidade -