Agatha Christie: Miss Marple e o caso do Hotel Bertram

Agatha Christie

 

O universo das séries de TV está repleto de investigadores de todos os tipos, do clássico detetive de polícia ao sociopata altamente funcional. Mas qual deles prefere a hora do chá para trabalhar? Jane Marple, a anciã moradora da aldeia de St. Mary Mead, é uma das personagens mais queridas de Agatha Christie, e é também conhecida como Miss Marple.

Jane pode até parecer uma idosa típica, mas não se engane, seu vasto conhecimento da natureza humana e raciocínio lógico são qualidades que ficam claras quando precisa intervir na investigação de eventuais crimes. Presente em pelo menos uma dúzia de romances e outros vinte contos da escritora britânica, a personagem também ganhou sua parcela de adaptações no cinema, no teatro e na tevê, com a série que segue o formato de telefilmes Agatha Christie’s Marple, exibida pelo ITV1 no Reino Unido desde 2004.

Continua após a publicidade

Entre os livros adaptados, estão os clássicos “Cem Gramas de Centeio” (A Pocket Full of Rye, 1953), “A Maldição do Espelho” (The Mirror Crack’d from Side to Side, 1962) e “Mistério no Caribe” (A Caribbean Mystery, 1964). Já uma das aventuras mais diferentes – diga-se de passagem – de Miss Marple ganhou seu episódio na estreia da terceira temporada da série. “O caso do Hotel Bertram” (At Bertram’s Hotel, 1965), apesar de ser um dos romances menos lembrados, gerou o telefilme mais empolgante até então.

O caso do Hotel BertramNa narrativa, Marple ganha a oportunidade de se hospedar no famoso Hotel Bertram, conhecido pelo luxo, preservação e seus hóspedes notáveis, e aproveita a hora do chá para observar as pessoas e acontecimentos ao redor. A história de Lady Bess Sedgwick e sua filha Elvira Blake não podia passar despercebida por Jane. Afinal, uma delas sofre uma tentativa de assassinato justo quando uma grande quantia em dinheiro estava em questão. Mas este não é o único caso a ser desvendado, já que o ponto de partida da trama é o desaparecimento de um clérigo. O interessante aqui é que uma coisa leva a outra, e as investigações do desaparecimento e do atentado acabam levando ao descobrimento de uma onda de crimes que estavam acontecendo na cidade.

O livro sofre com a presença de detalhes irrelevantes, chega a ser previsível e até mesmo a irritar o leitor com alguns acontecimentos. Além disso, Marple não tem participação central na história e alguns casos poderiam ter ganhado um melhor desenvolvimento – o que não compromete a qualidade do produto.

O episódio exibido em 2007 é mais focado em Marple, já que ela é a grande protagonista da série. Apesar do telefilme sofrer com algumas atuações pobres, surpreende ao entregar um final que o livro não mostrou, deixando o enredo mais parecido com o estilo que a Agatha Christie escrevia pra Jane. Sem dúvidas, o melhor episódio da série comparado com as temporadas anteriores. Vale lembrar que a adaptação não é fiel aos romances, diferente de outra produção baseada na obra da rainha do crime, Agatha Christie’s Poirot.

Não existe um padrão entre as temporadas. Geralmente, Agatha Christie’s Marple atinge a marca de dois ou até mesmo três anos sem novos episódios, da mesma maneira que uma temporada pode ter seus telefilmes distribuídos entre dois anos. Os três episódios da sexta temporada foram exibidos em dezembro de 2013, e ainda não há notícia sobre a renovação da série.

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

16 comments

Add yours
  1. Avatar
    CESGO 2011 4 agosto, 2014 at 19:59 Responder

    Adorei esse livro, não é um best seller, mas diverte, e amei o clérigo Pennyfather, se não me engano, todo cabeça de vento, tadinho, rs.

    • Avatar
      Rubens Rodrigues 4 agosto, 2014 at 21:19 Responder

      Apesar de perceber logo que o livro seria mais diferente eu me diverti com ele. Tem uns probleminhas de leve, mas está longe de ser ruim.

  2. Avatar
    CESGO 2011 4 agosto, 2014 at 19:59 Responder

    Adorei esse livro, não é um best seller, mas diverte, e amei o clérigo Pennyfather, se não me engano, todo cabeça de vento, tadinho, rs.

    • Avatar
      Rubens Rodrigues 4 agosto, 2014 at 21:19 Responder

      Apesar de perceber logo que o livro seria mais diferente eu me diverti com ele. Tem uns probleminhas de leve, mas está longe de ser ruim.

  3. Avatar
    Karla 4 agosto, 2014 at 22:56 Responder

    Eu nunca li um livro dela (shame on me) mas fiquei curiosa pela história dela depois de assistir o episódio de Doctor Who em que ela aparece!
    Preciso providenciar uma leitura urgente 🙂

  4. Avatar
    Karla 4 agosto, 2014 at 22:56 Responder

    Eu nunca li um livro dela (shame on me) mas fiquei curiosa pela história dela depois de assistir o episódio de Doctor Who em que ela aparece!
    Preciso providenciar uma leitura urgente 🙂

  5. Avatar
    Douglas Couto 5 agosto, 2014 at 01:39 Responder

    Ainda não li nenhum dela ainda vou me redimir disso kkk mas tenho aqui em casa “E Não Sobrou Nenhum” que é o Conto dos 10 Negrinhos. Dizem que é um dos melhores dela.

    • Avatar
      Rubens Rodrigues 5 agosto, 2014 at 08:59 Responder

      Douglas, “O Caso dos Dez Negrinhos” é meu favorito da Agatha Christie – arriscaria dizer que é uma obra prima da autora. É o maior clássico policial que já li. Inspirou filmes e até série 😉

  6. Avatar
    Douglas Couto 5 agosto, 2014 at 01:39 Responder

    Ainda não li nenhum dela ainda vou me redimir disso kkk mas tenho aqui em casa “E Não Sobrou Nenhum” que é o Conto dos 10 Negrinhos. Dizem que é um dos melhores dela.

    • Avatar
      Rubens Rodrigues 5 agosto, 2014 at 08:59 Responder

      Douglas, “O Caso dos Dez Negrinhos” é meu favorito da Agatha Christie – arriscaria dizer que é uma obra prima da autora. É o maior clássico policial que já li. Inspirou filmes e até série 😉

Post a new comment