American Crime – 2×08 – Episode 8

Imagem: Arquivo Pessoal/Izabella Viana

Imagem: Arquivo Pessoal/Izabella Viana

Continua após as recomendações

 

And you wonder why Taylor stole a gun and came here looking for you?

No episódio dessa semana, vemos as consequências do ato de Taylor Blaine. Não só para ele, mas para toda a comunidade escolar. Um episódio que devemos prestar bastante atenção, pois aqui assuntos bastante pertinentes do nosso cotidiano são praticamente escancarados na nossa cara. American Crime e esse seu jeitinho sutil de fazer série.

Continua após a publicidade

Felicity Huffman é um verdadeiro camaleão. A capacidade dessa atriz de se transformar, de se adaptar e de se entregar ao seu personagem é admirável. Leslie finalmente desaba. Sua máscara cai e vemos a fragilidade que há detrás daquela face que impõe poder e soberania.  Por outro lado também, vemos Terri LaCroix se redimindo com sua funcionária, agindo como ela nunca agiria na vida. Isso tudo por quê? Porque as pessoas só começam a se importar com algo quando é a sua vida que está em jogo. Foi preciso uma blacklist na qual seus nomes se encontravam para que elas passassem a mostrar um pouco de humanidade. Foi preciso terem suas vidas ameaçadas – a do seu filho, no caso de Terri – para se compadecerem com o caso.

Aqui a série consegue ser clara e transmitir muito bem a sua mensagem. O ser humano precisa de empatia. As pessoas precisam se colocar no lugar das outras. Elas precisam se importar umas com as outras. Caso Leslie desse a devida atenção a Taylor e Anne, será mesmo que o rapaz chegaria ao seu extremo esperando a diretora para poder matá-la? Será que se ele não fosse agredido única e exclusivamente por causa de sua orientação sexual ele não guardaria tanto rancor dentro de si? É notório que Taylor é a maior vítima da situação. As circunstâncias o fizeram ficar tão abalado mentalmente que o menino não teve discernimento para compreender os seus atos.

Imagem: Arquivo Pessoal/Izabella Viana

Imagem: Arquivo Pessoal/Izabella Viana

Vemos aqui até onde a hipocrisia de alguém pode chegar. Dan, o treinador do time, passa o episódio inteiro julgando Leslie, dizendo que ela nunca pensou no bem dos alunos, somente no da escola e no seu – algo que ele se encontra coberto de razão. Mas a partir do momento em que ele vê que sua filha é traficante de drogas e que foi ela a responsável por drogar Taylor, culminando na ocorrência do crime, o trainador já começa a tirar o dele da reta, ou seja, a pensar no próprio umbigo. Fácil apontar o erro nos outros quando o próprio comete os mesmos erros. Não duvido nada que ele não faria diferente se fosse ele o encarregado pela direção de Leyland.

Por fim, para dar um tom ainda maior de credibilidade, a série traz depoimentos reais de pessoas que já passaram por bullying, racismo e homofobia. Recurso esse maravilhoso, pois serve para colocar o caso da temporada ainda mais próximo da realidade. Agora a única salvação de Anne e Taylor é Sebastian. Fico me perguntando quais são as cartas na manga que ele possui, porque, afinal, a situação do Taylor não é nada boa. E com a finale se aproximando fico me perguntando se eles vão ou não revelar o que aconteceu de verdade naquela festa. Nessa altura do campeonato, isso já nem é mais tão importante, mas a verdade podia ser dita só a título de curiosidade, não é mesmo? E vocês, o que acharam?

2 comentários

Adicione o seu
    • Izabella Viana
      Izabella Viana 28 fevereiro, 2016 at 07:54 Responder

      Volta!!! Essa temporada está um absurdo, eu estou muito encantada com essa série! Melhor coisa que você vai fazer é voltar a assistir :)))

Post a new comment