American Horror Story – 6×02 – Chapter 2

Sem título
Imagem: Arquivo pessoal

[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

O chato “Chapter 2” da sexta temporada de American Horror Story.

Continua após a publicidade

Bom, quando o assunto é a sexta temporada de American Horror Story uma enorme confusão vem às nossas cabeças. Afinal, que história a série vai nos contar este ano? Depois daquele hype que permeou a estreia a respeito do tema desta temporada, o primeiro episódio não nos trouxe todas as respostas que queríamos. O novo tom documental trouxe uma inesperada, porém necessária, inovação para série e é justamente do título desse programa de documentário, que vem sendo o fio condutor dessa temporada, que temos a melhor pista de que direção a história vai nos levar: My Roanoke Nightmare, remetendo diretamente (assim estamos supondo) a colônia de Roanoke. Mas o que vem a ser essa colônia? Vamos voltar ao século XVI.

Continua após publicidade

A colônia de Roanoke foi uma das primeiras tentativas de colonização da América do Norte, naquela época conhecida como Virgínia, ela foi estabelecida na atual Carolina do Norte numa expedição vinda da Inglaterra liderada por John White, que era formada aproximadamente por 113 pessoas. Após diversas dificuldades, John White se viu obrigado a voltar para a Inglaterra em busca de suprimentos. Antes de partir, ele deixou uma ordem aos seus colonos: caso eles necessitassem abandonar a colônia por conta de algum ataque de nativos da região, eles deveriam gravar seu novo destino e uma cruz de malta numa árvore, para orientá-los na sua volta e com isso John finalmente voltou para Inglaterra. Contudo, devido à grande guerra que assolava a Europa, a ideia de voltar rapidamente a Roanoke caiu por terra e apenas três anos depois John White conseguiu regressar a colônia. Chegando lá não havia se quer um sinal das 113 pessoas que John deixara três anos antes e numa árvore, ao invés da cruz de malta como combinado, estava escrito a palavra CROATOAN. Desde então várias teorias foram apresentadas sobre o desaparecimento dos 113 colonos, mas a verdade nunca foi descoberta.

Como esta temporada vem sendo vendida como uma “real” História de Horror Americana, faz total sentido abordarem a colônia de Roanoke já que esse é um dos maiores mistérios da história dos estadunidenses, mas segundo o próprio Ryan Murphy uma grande virada está prevista para acontecer na série e pode ser que todas essas teorias que nós, reles fãs mortais, estamos criando também caiam por terra. Mesmo que Roanoke não venha a ser o caso, pegar pessoas reais e icônicas da “cultura” norte-americana e inseri-los na história é algo corriqueiro para série, pessoas como: Madame LaLaurie, Dália Negra, Lizzie Borden, Edward Mondrake, dentre outros já foram usados por Ryan Murphy e sua equipe de roteiristas no universo American Horror Story e nessa temporada não foi diferente.

Continua após publicidade

Numa das cenas desse novo episódio Matt (Cuba Gooding Jr) acorda no meio da noite ouvindo barulhos estranhos, ao descer as escadas e chegar a sala ele tem a visão de duas mulheres vestidas de enfermeiras matando uma idosa e com seu sangue elas escrevem a letra “M” na parede. Transtornado, Matt chama a polícia que obviamente não encontra nada quando chega ao local. Depois de ter amanhecido Matt e Shelby descobrem um alçapão na frente da casa que leva a um pequeno bunker, lá eles encontram uma câmera e ao assistir o vídeo gravado por essa câmera nos é apresentado o personagem de Denis O’Hare (saudades Liz Taylor), ele se chama Elias Cunningham, um escritor que anos atrás foi até a casa fazer uma pesquisa para seu novo livro, ele nos revela que as enfermeiras da visão de Matt se chamam Miranda e Bridget Jane e que décadas atrás elas abriram um asilo onde hoje é a casa de Matt e Shelby. Acontece que elas são sádicas e abriram o asilo apenas com o objetivo de matar os pobres idosos.

Tais enfermeiras retratam duas assassinas norte-americanas reais chamadas Cathy Wood e Gwendolyn Graham acusadas de matar oito idosos em Michigan na década de 80. As reais Cathy e Gwendolyn vivem até hoje e continuam presas. A série já usou e abusou dessa mitologia do espirito da pessoa ficar preso ao local onde ela morreu e eu espero que não seja o caso agora. O preocupante é todo esse tom documental que a série está apresentando. Percebam, estamos acompanhando os acontecimentos narrados pelos personagens que estão lá no estúdio dando suas entrevistas vivos e muito bem obrigado. O que nos impede (creio eu) de temer por esses personagens, já que tudo indica que no final disso tudo eles conseguirão se salvar…

Com a temporada reduzida para apenas 10 episódios, ao invés dos 13 habituais, American Horror Story caminha para seu terceiro episódio sem dá muitas cartadas, numa entrevista Ryan informou que a prometida virada na série está prevista para o sexto episódio. Será que teremos mais três episódios de mais enrolação do que informação? É esperar para ver. Até semana que vem!

[spacer size = “20”]

Roanoke 1: Depois de todos os acontecimentos a Lee levar sua filha para aquela casa foi algo irresponsável e imaturo. Era previsível que algo trágico iria acontecer, por isso o sumiço da menina não causou surpresa e o gancho não funcionou como deveria.

Roanoke 2: Se na review passada eu disse que Cuba Gooding Jr. estava na medida, nessa digo que ele está péssimo. As caras de susto que ele faz não convencem e a ausência de química dele com a Sarah é gritante. Ryan porque não escalou o Sterling K. Brown para o papel?

Roanoke 3: Prestem bem atenção que a Lady Gaga faz uma ponta nesse episódio 😉

[spacer size = “20”]

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=UorUMNoKolo [\youtube]