Bake Off Brasil – 3×06 – Senta lá, Débora

Imagem: Artur Igrecias/SBT

Depois de dois desafios extremamente difíceis, a produção deu uma relaxada ao propor receitas mais simples e fáceis de fazer, como um rocambole criativo na primeira etapa e stromboli, que nada mais é do que um tipo de focaccia. A situação interessante é que, mesmo trazendo essa simplicidade, o drama na tenda voltou com força em razão de figuras que nós já conhecemos bem – Débora e Johanna, mas que desta vez trouxeram uma Carol jamais vista. Sorte a nossa.

Continua após publicidade
Imagem: Artur Igrecias/SBT

Confesso que mesmo julgando como um grande clichê a proposta de fazer um rocambole na sexta semana de programa, até porque vimos essa receita nas duas temporadas anteriores, acredito que o resultado serviu para mostrar o quão criativos os confeiteiros amadores são desde o conceito até a escolha do tema. Não entendi muito bem o motivo do atrito entre Ney e Johanna, algo me diz que a discussão não passou de capricho, mas que ajudou a colocar o programa rapidamente nos trending topics.

Continua após a publicidade

O melhor momento, entretanto, ainda estava por vir quando Débora achou que poderia criticar a crítica do Fasano, por não julgar “construtiva” e que não lhe “ajudará a atingir seu sonho”. Sinceramente? Julgo como louvável e inspirador o fato da pessoa colocar seu sonho acima de tudo, fazer o possível para realiza-lo e dar o melhor de si, mas quando você está numa competição, ainda mais televisionada, e precisa de dicas e aperfeiçoamento para crescer vai escutar e processar em seguida. Às vezes os comentários passam do limite? Não tenha dúvida, mas engole-se o choro e reserve-o para o travesseiro. Aprendi algo muito importante na cobertura da campanha americana de 2016 – “Se você não aguenta o calor, saia da cozinha”.

Continua após publicidade

Gosto da ideia de trazer um especialista para lecionar uma masterclass, mesmo sabendo que o formato original não possui a mesma tradição. É uma excelente oportunidade para os confeiteiros amadores, e também para o telespectador, aprenderem algo diferente e interessante de alguém que entenda. A aula foi tão boa que o resultado final foi o menos desastroso até aqui com a maioria dos participantes errando no tempo de cozimento da massa.

A eliminação foi tão esperada e necessária que eu não contive minha alegria com o anúncio. Acredito que semana passada cometeram uma grande injustiça ao eliminarem a Marina, ao invés da Monique, pelos mesmos motivos desta semana – não se mostrou preparada para aguentar a pressão, não carregava a bagagem de conhecimento que a competição pedia, e sequer experimentou outras cozinhas além da mineira. É claro que ela terá uma nova oportunidade na repescagem, mas tomara que volte mais madura.

Continua após publicidade

Por Bernardo Vieira