Bake Off Brasil – 3×17 – O tombo da última cobra

Imagem: Artur Igrecias/SBT/Divulgação

Continua após as recomendações

reality show mais doce do Brasil chegou enfim a sua semifinal. Dário, José, Johanna e Ney disputaram de forma extremamente acirrada às três vagas para a grande final do Bake Off Brasil.

Agora de forma correta, o clima natalino veio com tudo na tenda, tanto na prova criativa quanto a técnica. Na primeira, os quatro participantes tiveram que fazer doces típicos de vitrine, utilizando como principal ingrediente o panetone. Logo de cara vimos aquele famoso bordão surtir efeito: “a justiça tarda, mas não falha”.

Continua após a publicidade

Alguns imprevistos aconteceram, como sempre, mas o saldo da prova em si foi super positivo. Dário, José e Johanna entregaram números lindos, que davam água na boca. Quando chegou a vez de Ney, entretanto, o clima esquentou. Pra começo de conversa, ele fugiu sim da proposta que os jurados estabeleceram, e o fato de colocar recheios diferentes fazem dos dois doces serem os mesmos sim. Pela primeira vez acho que adorei de verdade uma comida de rabo dada pelo Fasano, e por mais que ele e Beca continuassem dizendo sobre a proposta estar errada, o decorador persistiu em bater de frente com a dupla. O melhor disso tudo foi Carol dando uma encostada de leve no rapaz, como uma forma sutil de dizer “chega”.

Na prova técnica os participantes contaram mais uma vez com a presença do chocolatier Ale Costa. Dessa vez, o quarteto teve que preparar uma árvore de natal feita totalmente com diversas camadas de chocolate. Apesar de aparentar ser difícil, ainda mais com o fato de lidar com chocolate derretido, na minha opinião foi uma das mais fáceis da temporada, principalmente pelo tempo estipulado, que foi de duas horas e meia.

O exemplo claro disso foi o fato de praticamente todo mundo ter terminado seus respectivos pratos antes do tempo acabar, exceto Ney. Ele se desesperou, e meio que pagou a língua também, pois mesmo só, continuou destilando seu veneno principalmente para cima de Johanna. Como diz o ditado – estou cheio das citações hoje – “aqui se faz, aqui se paga”. Com tudo dando errado, eu amei a reação da publicitária, comendo seu chocolate toda plena, prestes a entregar a melhor árvore da prova técnica. Johanna nesse momento me representou profundamente.

O melhor aconteceu por último, com o tombo da última cobra da tenda. Demorou, mas Ney finalmente caiu fora da disputa, batendo na trave. Estava com um receio muito grande dele ir para a final, mas graças a Deus isso não aconteceu. Já vai tarde, meu caro.

Johanna volto a dizer que foi a participante que mais me surpreendeu nessa temporada, pois no começo ela andava com as cobras da Débora e Gigi, mas viu que isso acabaria lhe prejudicando e foi se afastando naturalmente, e aos poucos tendo seu merecido destaque na disputa. José eu apostava que ele não passaria da terceira semana, mas o lutador foi se superando, e ganhando meu favoritismo. Dário, esse nem preciso dizer nada, se tornou meu favorito desde o primeiro programa, nada mais justo seu lugar na final. Estamos indo ao fim dessa terceira temporada de forma justa, com três finalistas que fizeram por onde. Apesar do meu favoritismo pelo Dário desde o começo, ficarei bem satisfeito se José ou Johanna acabarem vencendo a disputa também.

Pra você, quem merece ser o grande vencedor da terceira temporada de Bake Off Brasil?

Por Eduardo Nogueira

Avatar

Team Mix Reality

#TeamReality no Mix de Séries é responsável pelos realities shows.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Bruno D Rangel 13 dezembro, 2017 at 13:25 Responder

    Eu só vou ficar feliz se Dario ganhar. Não tenho memória tão curta e lembro muito bem da Johanna se juntando com a Débora e do José querendo burlar as regras junto com a Gigi.

    Acredito até que a Johanna seja melhor que o Dario, mas torço muito pra ele.

    Comecei detestando Ney. Depois que ele se juntou com a Marina comecei a gostar dele e achar engraçado, mas quando ela foi embora da primeira vez e ele se juntou com a Gigi pra falar mal da Dona Iaiá nunca mais achei graça em nada dele. Ranço.

Post a new comment