Outlander

Os bastidores de Outlander: curiosidades por trás das câmeras

Outlander

Imagem: Starz/Divulgação

Semanas antes de iniciar o desenvolvimento da coluna desta semana, estava numa dúvida cruel: qual série colocaria como tema para honrar o Dia dos Namorados? Primeiramente pensei em Crazy Ex-Girlfriend. No entanto, tenho certeza que esse não é o primeiro título que você pensa quando busca um sinônimo para história de amor na televisão. Então porque não Friends? Afinal de contas poderíamos fazer referência ao dia da amizade, comemorado na última sexta-feira (08). O problema é que a série já serviu como inspiração para um dos nossos Bastidores de 2017. Voltamos à estaca zero.

Dias depois e sem nem lembrar da coluna, resolvi assistir o piloto de Outlander. Série histórica, que sempre me deixou fascinando, impressionado e curioso pela sua proposta original. Após assistir cinco episódios da primeira temporada, soube que estava diante não só do meu tema, como também de uma das melhores e mais profundas histórias de amor atualmente em exibição na televisão. Poderia citar uma série de outros motivos do porquê ela deveria receber nossa atenção, mas você ficaria cansado em ler.

Sei que é um tanto piegas desenvolver essas ideias apoiando-se em datas comemorativas, afinal de contas temos que dar o leitor o que ele quer. Mas o Dia dos Namorados é diferente e mesmo que essa data lhe torne um pouco rabugento, pelo menos pense pelo lado positivo: descobrir um pouquinho mais sobre Outlander, uma série realmente espetacular que poucos já descobriram. Vamos em frente?

Continua após a publicidade

Autenticidade

De acordo com Ronald D. Moore (responsável pelo desenvolvimento de Outlander), sua equipe decidiu manter diálogos em galego ao invés de traduzi-las para o inglês. Tal deliberação permitiu que a história fosse narrada em primeira pessoa ao mostrar a inabilidade de Claire em compreender a língua galega. Essa ideia foi sugerida por um dos produtores, David Brown, que afirmou ter visto algo similar em Skin Deep (filme de 1998).

Como tudo começou

Frazer Hines in the Doctor Who

Imagem: Doctor Who Collectors/Divulgação

A autora dos livros que deram origem a série, Diana Gabaldon, afirmou ter se inspirado em Frazer Hines no período que protagonizou Doctor Who, mais precisamente no episódio The War Games, na qual usava um kilt (ao lado) para escrever o primeiro volume de Outlander. Anos depois, Hines seria convidado para fazer uma participação especial no drama como Sir Fletcher Gordon, no episódio Wentworth Prison.

Realidade e Ficção. Tudo ao mesmo tempo.

Apesar da ambientação fantásticas e de inúmeras referências à bruxaria, a história de Outlander é mais apoiada em ficção científica do que fantasia. Gabaldon recentemente explicou, durante o painel da série na PaleyFest, que viagem no tempo é ficção científica e não magia e que sabe perfeitamente diferenciar os dois gêneros. Os personagens têm que compreender essa situação durante suas jornadas, isso porque toda a história é inteiramente situada no mundo real e acontecimentos reais. Tanto que na primeira temporada, Jamie e Claire acabam inseridos no imbróglio da política escocesa.

Me ajuda aí

David Cameron

Imagem: Toby Melville

Lembram do ataque hacker que a Sony sofreu em dezembro de 2014? Pois bem, Outlander tem uma ligação bem interessante com o crime. Isso porque emails vazados pelos criminosos mostraram que o então primeiro ministro do Reino Unido, David Cameron, encontrou-se com executivos do estúdio no intuito de atrasar a estreia da série no país. O motivo? Política, claro. Mas qual relação a série teria com a disputa entre os Conservadores e os Trabalhistas?

Na primeira temporada o drama contou a história de rebeldes escoceses contra o comando inglês durante o Jacobitismo nos anos de 1700. Tal recorte histórico poderia impulsionar alguns escoceses a votar pela independência do Reino Unido. Isso porque em 2014 a Escócia foi às urnas para decidir se permaneceria no reino. Cameron percebeu essas semelhanças e pediu para que a estreia da série fosse atrasada para depois de setembro visando apaziguar esse sentimento anti Inglaterra.

O pedido foi aparentemente foi aceito pelos executivos, tanto que Outlander só estrearia em março de 2015 em terras inglesas. Porém mesmo que a Escócia tenha votado (55% dos votos válidos) para permanecer no Reino Unido, é improvável afirmar que a manobra de David Cameron tenha tido algum efeito.

Constrangedor

Elas podem ser, digamos, interessantes de assistir, mas as cenas de sexo são complicadas para filmar. Viola Davis confessou no passado que foi um dos seus piores momentos filmando How To Get Away with Murder. Em Outlander, a dificuldade foi a mesma. As filmagens dessas cenas são feitas num estúdio fechado e com uma equipe pequena, em torno de oito ou nove. Todavia, elas são gravadas com os atores semi-nus, eles têm que interpretar ao mesmo tempo que precisam ser cuidados com o (a) parceiro (a) de cena e ainda dar a antender que os personagens estão realmente apaixonados.

https://www.youtube.com/watch?v=9Tl9V66wcl8

Medalhões

Outlander

Imagem: Sony Pictures/Divulgação; Starz/Divulgação; Lionsgate/Divulgaçnao

Neste momento é impossível pensar em alguém que interpretaria Jamie melhor do que Sam Heughan, não é mesmo? Mas nem sempre foi assim, pois de acordo com a autora dos livros ela imaginava atores como Liam Neeson e Sean Connery. “Isso foi há anos atrás quando eu fui procurada para avaliar a ideia de adaptar Outlander para o cinema,” disse Diana Gabaldan ao E! News.

“Porém Liam Neeson e Sean Connery eram as principais escolhas para Jamie,” afirma. Durante a antrevista, a autora foi um pouquinho além no seu rasgo de sinceridade. Diana confessou que ao ser questionada sobre o que pensava da ideia de de escalar Sam, sua primeira reação foi classificar a escolha como “grotesca”. Agora ela mudou de ideia e diz que a escalação foi perfeita”.

Continua após a publicidade

E então, quem aí é também apaixonado pela série?

Leia mais BASTIDORES das séries

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours