Bates Motel – 4×05 – Refraction

Norma e Romero
Imagem: Banco de Séries.

[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

Depois de uma pausa de uma semana, Bates Motel voltou e encerrou a metade dessa temporada. “Refraction” foi um episódio com menos ação que os anteriores mas igualmente interessante.

Continua após a publicidade

Começamos pelo no núcleo envolvendo Dylan e Emma. Vimos o casal cada vez mais distante dos problemas que envolvem a família Bates. Ao que tudo indica, o casal irá mesmo se mudar para Seattle, em busca de seu final feliz. Estou com um pé atrás em relação a esse novo emprego do Dylan. Foi muito fácil. E aprendemos nessas quatro temporadas que nada é tão simples na vida de todos aqueles que estão ligados à Norma Bates.

Continua após publicidade

No núcleo envolvendo Norma e Romero, percebemos os dois cada vez mais parecidos com um casal de verdade. Vida longa a Normero (ou não?). E o que dizer sobre o assunto Bob Paris? Parece que a cada episódio que passa, Romero fica cada vez mais preso a ele. Agora até Norma sabe que ele matou o empresário. Não estou esperando um desfecho muito agradável para o xerife. Uma hora a bomba vai estourar. Nesse mesmo núcleo, o ex-vizinho louco do Dylan saiu da mata e resolveu ir atrás de Norma. Apesar de não entender muito o porquê de sua participação na série, todas as vezes que ele aparece eu fico apreensivo. Ele não é um cara normal. Achei que ia demorar mais para ele revelar suas verdadeiras intenções. Parecia que a relação dele com Norma teria mais desenvolvimento antes dele falar que estava atrás do Caleb. Achei que o Caleb tinha deixado a série de vez, mas parece que estava enganado.

No núcleo mais interessante da série, Norman começa o episódio aparentando certa melhora e termina tendo outro apagão. No episódio passado, vimos Norman/Norma usando todo o seu arsenal para seduzir a dançarina, nesse, por um momento mais curto, pareceu que o jovem tentaria seduzir seu médico. A cena dele conversando com o Dr. Gregg mostrou, mais uma vez, o quão bom Freddie Highmore está no papel. Confesso que, por alguns instantes, cheguei a acreditar na conversa que ele teve com sua mãe. Por mais que a visita fosse repentina, de certa forma parecia real. Assim como Norman, eu me surpreendi quando o médico perguntou-lhe se Norma realmente tinha estado no instituto. Além disso, um fato que me chamou a atenção foi o estado de Julian quando Norman tentou conversar com ele. Não sei se isso terá desdobramentos nos próximos episódios, mas estou curioso para saber em que pé está a pseudo amizade dos dois, pois parecia ser algo promissor. Enfim, esse foi mais um dia normal na vida de Norman Bates.

Continua após publicidade
Paulista, nerd, viciado em séries e fã do Rei Leão e do Homem-Aranha. No Mix escrevo sobre The Big Bang Theory e Star Trek: Discovery.