Better Call Saul – 1×02 – Mijo

Better Call Saul 1x02

It’s show time, folks! Agora sim Better Call Saul realmente mostrou a que veio. E que episódio mais… Breaking Bad! Sim, vou começar a usar isso como adjetivo e é praticamente o máximo que se pode conseguir. O que foi toda aquela sequência de cenas com o Tuco? Já nas primeiras palavras pronunciadas por sua avó e ele, eu já estava maravilhada com o quanto a série é diferenciada até nos momentos mais banais e o quanto o universo e o clima de Breaking Bad estão presentes ali, ao mesmo tempo em que a série não se encosta em sua antecessora, mas constrói seu próprio atrativo. O protagonista é carismático e interessante e certamente será válido acompanhar sua trajetória, principalmente nessa fase fracassada, à qual adoramos comparar nossa própria vida e nos sentir bem em relação a ela.

Aquela tensão cômica conduzida de forma a prender totalmente nossa atenção num êxtase difícil de explicar e antes sentida apenas em Breaking Bad, está escancarada ali, naquela cena do deserto, e só esperando que a história de Jimmy se desenvolva e chegue a um ponto em que se possa usar esse poder em um momento de maior relevância e nos extasiar com essa surpreendente ressurreição de um dos principais elementos que fez a fama da série que originou essa. No entanto, acredito que Better Call Saul intenciona ser mais “passiva” que a outra, afinal Jimmy não tem e certamente nunca terá o espírito badass de Heisenberg. E isso não é uma coisa ruim, é claro, é apenas a distinção necessária a duas séries diferentes. Tenho novamente que frisar a qualidade técnica dessa série (roteiro, fotografia, atuações). Aquela cena no deserto evidenciou tudo que tem de melhor nesse sentido. Sou muito leiga para descrever e julgar mais detalhadamente, mas é impossível não reconhecer. Que roteiro sensacional, principalmente na cena em que Jimmy tenta convencer Tuco a não matar os skatistas. Eu não sabia se ria, se aplaudia, ou se me concentrava em tentar prever o que ele iria decidir.

“Hey, I talked you down from death sentence to six months probation. I’m the best lawyer ever.”

E o que continua a impressionar mais no nosso futuro Saul, é a sua capacidade de se livrar de qualquer situação apenas na conversa. Me impressiona ainda mais o fato de que, com tal lábia e poder de persuasão já evidentes, ele ainda seja um advogado fracassado. Não mostram o resultado daqueles casos que ele pega para ganhar os U$700,00, mas presumo que ele ganhe todos, porque olha, ele seria capaz até de me convencer a usar minhas últimas semanas de férias para maratonar Pretty Little Liars. Mas parece que impressionou também aquele capanga de Tuco, que aparenta ter mais poder sobre ele do que o próprio gostaria de admitir. E acho que ele será o elo de ligação entre Jimmy e Tuco, que torço para que renda mais cenas espetaculares como aquelas. Tuco é um personagem como poucos, com uma personalidade peculiarmente dividida entre psicopatia e inocência, que o torna tão temível quanto cômico. A forma como ele se preocupa com a família, principalmente dele, mas também dos outros, ao mesmo tempo que tem aquela necessidade e prazer em machucar qualquer um que fuja deste círculo; o quanto ele ama o poder ao mesmo tempo que é incrivelmente influenciável e ingênuo, todas essas características provam que ele seria um perfeito adendo à série, por isso espero que ele permaneça.

Continua após a publicidade

Tell your mama you’re sorry, bitch!

E o que ainda tem para ser desenvolvido não progrediu muito nesse segundo episódio. Sobre Chuck ainda só sabemos que ele tem algum problema que o impede de encostar ou ficar próximo de aparelhos como celulares, além do que já sabíamos com o piloto, então acredito que isso vai se desenvolver lentamente, talvez como principal plot paralelo à carreira de Jimmy. Mike continua sendo só o cara do estacionamento obcecado por adesivos, mas a dinâmica dele com Jimmy já é admirável, então é outra relação muito promissora, como já sabíamos.

E é isso, Better Call Saul sem dúvidas promete ainda muito mais do que isso, já que a própria Breaking Bad não conseguiu todo seu hype logo no início, precisou das temporadas seguintes para começar a sentir o gosto do reconhecimento que tem hoje, então se já no segundo episódio seu spin-off chegou a esse nível, o caminho natural é que daqui pra frente se aproxime ainda mais da excelência e se estabeleça como uma das melhores produções em atividade. Vince Gilligan certamente conheceu o caminho para o sucesso. E pretende segui-lo.

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

No comments

Add yours