Big Little Lies – 1×03 – Living the Dream

Imagem: IMDb/Divulgação

Infelizmente a tendência de minisséries é apresentar um piloto ótimo e ir decaindo no decorrer de sua curta duração, mas com certeza Big Little Lies não se encaixa na regra. Após 3 episódios, o elenco continua bom (e melhorando ainda mais), a história sustenta o que prometeu desde o inicio e o desenvolvimento do roteiro permanece consistente.

Em “Living the Dream”, o interessante foi ver algumas imagens se desconstruindo. Aquelas mulheres tentam ignorar os problemas, medos e inseguranças, mas começam a entrar em um caminho sem volta. Graças a Deus, a HBO conseguiu desenvolver vários plots, assim como o livro, em apenas um episódio e ainda assim causar uma boa impressão e fechamento adequado, o que não é para todos. O cerco começou a se fechar e é fácil ver isso. Pudemos notar, pelo número maior de depoimentos sendo inseridos entre as cenas, além dos flashforwards da noite do crime com maior duração, que o destaque para o crime vai ficando maior, é possível começar a criar teorias de assassino e vítima.

Nessa semana, Renata se destacou mais. Com a rivalidade entre a festa de Amabella e a viagem para o Frozen on Ice, Madeline e ela finalmente declaram guerra, através da ligação falsamente entusiasmada. Algumas mães começam a escolher seus lados, o que levou Laura Dern à brilhante interpretação, a análise de sua vida e casamento é interessante, a tentativa de dar tudo para sua filha, quando ela mesma não tem. A tentativa de apoio no marido foi bonita apesar dele ser extremamente sem reações, e claro, a cena cômica de sexo no banheiro, com todos do escritório ouvindo.

Continua após a publicidade

Madeline que era a mulher forte, destemida e que não era atingida por nada, vê seu mundo dar um giro de 360º. Maddie criou Abigail sozinha boa parte da vida, sem ajuda de ninguém e não se arrepende disso. Agora a filha começa a se distanciar muito daquilo que sempre fora, as discussões em casa, a necessidade de apoiar a mãe ou a madrasta, interferem agora na vida escolar da menina. A abordagem do assunto é extremamente diferente do livro, mas a cena valeu pela cortada na orientadora, sem sombra de dúvida. A tentativa de permanecer forte fica clara na atuação de Reese no decorrer do episódio, a busca pela colocação social começa a consumi-la. É interessante vermos o carinho dela por Jane, na amiga ela encontra um choque entre seu passado e seu presente, o que a leva à querer protegê-lá, juntamente com Ziggy.

Imagem: Arquivo Pessoal

Falando nele, Ziggy mostrou uma faceta diferente no episódio. Ele quer a todo custo saber o nome de seu pai para que possa ser colocado em sua árvore genealógica, quando sua mãe se nega, o menino simplesmente se revolta e chuta tudo que está na sua frente, surpreendendo Jane e Madeline. O que nos leva a confissão, os flashbacks de uma mulher na praia eram de Jane, que foi estuprada. Ela era somente uma garota em um bar, que topou ir para o quarto de um cara que não conhecia, mas para a surpresa dela, ele se tornou extremamente violento. Ziggy foi concebido nesta noite, o que mantém a memória viva. A lembrança foi meio desfigurada, deixando uma espécie de lacuna no espaço temporal e a dúvida: Jane tentou se suicidar após o ocorrido? O medo ainda vive presente nela, vimos claramente pela alucinação que ela teve de alguém invadindo sua casa (provavelmente o pai de Ziggy) e com isso descobrimos que ela guarda uma arma debaixo do travesseiro. O desabafo com Madeline foi de comover, ainda mais quando a amiga desaba no carro, mas nos resta saber se foi realmente benéfico para Jane, ou se as coisas passam a desandar daqui pra frente.

Nesse sentido, chegamos em Celeste e Perry. As agressões começam a ficar mais frequentes e tentam ser escondidas através de presentes caros e afeto logo em seguida. Após Celeste ameaçar deixá-lo, eles concordam em tentar uma terapia. Quando chegam lá, os dois entram em estado de negação e, após muita pressão da terapeuta, é Perry quem conta que seu casamento é abusivo. Eles explicam que as coisas ficam um pouco “voláteis”, que utilizam o sexo para canalizar a raiva/paixão existente ali. Ele tenta justificar seus erros culpando sua insegurança, pelo medo de perdê-la e ela tenta agir como se o relacionamento deles fosse normal. Celeste largou tudo pelo seu casamento e acredito que ela tenha medo de descobrir que na verdade, trocou tudo pela escolha erada (o que nós sabemos que é verdade).

Ainda temos mais alguns episódios antes da verdade, então é hora de criar as teorias: Quem é pai de Ziggy? Quem morreu? Quem matou? Amabella foi realmente enforcada por Ziggy? Madeline vai aguentar esse baque de ficar sem uma das filhas? É só esperar pra ver.

O quarto episódio é intitulado “Push Comes to Shove“. Nele, Nathan convida Madeline e Ed para um jantar de casais, para falarem sobre Abigail. Celeste se prepara para uma reunião na Câmara Municipal sobre a peça de Madeline. Jane se encontra com a professora de Ziggy, que sugere que ele seja avaliado por um médico. Confere o trailer do episódio e espero vocês na próxima review. Até lá!

Nota: Prevejo prêmios futuros para Reese por interpretar Madeline.
Nota 2: Curiosa para saber se eles vão seguir o livro ou vão mudar o rumo das coisas no que diz respeito à Jane.
Nota 3: Vocês sabiam que Maddie, no livro, tem um filho do meio? Mas ele não faz muita diferença mesmo, entendo a decisão de tirá-lo.

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=VhVlLtrFhhw [/youtube]

Avatar

Gabriela Scampini

Paulista, estudante de Direito e geminiana. Apaixonada por livros e séries, mesmo sem ter tempo pra nenhum dos dois. No Mix, escreve a coluna #MixAudiência, além das reviews de American Crime Story, Black Mirror, Chicago Fire e The 100.

No comments

Add yours