Billions – 1×03 – Yumtime

Billions - 1x03 - Yumtime
Imagem: Make Me Feed

 

Continua após publicidade

Chegando ao seu terceiro episódio com a sua segunda temporada já confirmada pelo Showtime, Billions apresenta em Yumtime” uma narrativa que cativa pela quantidade de informações entregue em seus primeiros minutos e um desenvolver magistral ao seu decorrer, abordando de maneira satisfatória histórias e personagens sem lhes tornar desnecessários.

Continua após a publicidade

Ao som de Get Up and Get Down do The Dramatics, Yumtime” nos mostra em sua primeira cena que o sexo muitas vezes é a definitiva chave de essência do ser humano. Não apenas para o nosso bel prazer, mas para o alcance de algo muito maior e almejado: o poder. Para conseguir que seu livro de memórias sobre o 11 de Setembro, intitulado “09/12: The Day After”, seja publicado, June Raichlein (Melissa Errico) recorre ao sexo para conseguir à sua tão almejada publicação. Suas memórias são vívidas e coerentes, com fatos que causaram o seu bem próprio bem estar e paz de espírito, mas que por outro lado causará não apenas uma mancha em Bobby Axelrod, mas como também a sua ruína, já que ela possui informações mais do que importantes sobre o seu passado. É nesse pequeno arco iniciado e concluído em “Yumtime” que Lara Axelrod (Malin Akerman) brilha em cena, mostrando o quão importante ela é para a série, mesmo sendo uma personagem posta em segundo plano.

Continua após publicidade

No episódio anterior, Naming Rights”, Lara teve uma participação muito especial que mostrava a diferença entre ela e seu marido com relação a praticamente tudo, demonstrando-se uma mulher mais prestativa, atenciosa e carinhosa para com os outros. Yumtime” equaliza esses fatores junto de sua inteligência e perspicácia, mostrando do que ela é realmente capaz de fazer para ter o que lhe for necessário. Sua personalidade tranquila e calma guarda uma mente poderosa e estratégica que consegue montar os quebra-cabeças certos para garantir as suas necessidades, aproximando-a ainda mais da personalidade de seu marido. Porém, eu acho que falta uma química no casal. As poucas cenas que temos deles juntos são vazias e não nos transmitem um sentimento de que eles possuem alguma ligação que não seja o casamento e seus dois filhos. Mesmo em cenas mais intimas, não há sentimento o suficiente para mostrar que eles realmente se amam, mas isso não é algo apenas deles, nenhum casal do seriado parece ter algum tipo de química. De fato os casais foram pouco explorados até agora, a história foca mais em Chuck e Axe, mas ainda assim as cenas que temos não são convincentes.

Direta ou indiretamente, Axe estava presente em todas as cenas que moveram esse episódio e a atuação de Damian Lewis consegue mostrar-se cada vez mais competente. Um dos pontos que mais me chamam a atenção em Axe – e o que eu considero o mais forte – é o fato de ele ser um bilionário que não esquece as suas raízes, quem estava em seu caminho para ajudá-lo ou prejudicá-lo e o que ele teve de fazer pra trilhar esse caminho tempestuoso e obscuro. Isso é muito bem desenvolvido em cenas simplistas que demonstram um pouco mais da pessoa que ele é, como por exemplo usar roupas casuais para participar de reuniões, ou em diálogos simples com objetivos diretos e estabelecidos, como por exemplo, na conversa que ele tem com Jerry Purkheiser (John Henry Cox) que é algo tão simples, mas tão significativo para a construção do personagem. Um excelente trabalho de roteiro e atuação.

Continua após publicidade

Axe nesse episódio mostra todos os recursos que ele possui, seja em chantagem ou em persuasão. Sua inteligência é algo inegável, e ele sabe muito bem como utilizá-la para gerar benefícios. Percebemos isso em cenas na qual ele se auto instiga a comprar a empresa YumTime. Essas cenas de negociações definem que o dinheiro toca à tudo e à todos, e não há lugar que Billions não possa ir quando isso está em foco. Embora Axe se sinta em um pedestal cercado por pessoas que possuem a sua confiança e confiam nele, Spyros (Stephen Kunken) da S&C entrou em negociação e entregou o caso contra Axe, proposto inicialmente à Chuck que é do Distrito Oeste, diretamente ao Distrito Leste dos Procuradores Americanos. Caso esse que, além de levar Axe para a cadeia, fará todo o seu império ser desmantelado.

Enquanto Chuck focava-se em Pete Decker (Scott Cohen), que possui dinheiro ativo em recursos sob comando que ligam diretamente à Axe, ele é surpreendido por essa notícia e agora tem que trabalhar em um jeito de trazer o caso de volta para suas mãos, e isso acaba gerando as melhores cenas do episódio, inclusive cômicas. Chuck possui uma antipatia tão grande por Spyros, que é demonstrada desde o piloto, que para nós é algo completamente racional devido a toda situação em que os personagens estão postos. Essa parte “cômica” de Billions é um ponto forte, eles conseguem colocar piadas sarcásticas em cenas tensas em sérias no tempo perfeito. Elas não incomodam nenhum pouco, não é algo que destoa, na verdade elas humanizam ainda mais os personagens e “relaxam” na trama séria. Seja ela feita de maneira indireta com o presidente da YumTime entrando em seu escritório e recebendo sorrisos alegres que se tornam  rostos amargurados e fechados assim que ele cruza, ou apenas uma singela frase de ofensa de uma funcionária,  “You old cocksucker”, que recebe a brilhante resposta de seu chefe, “The same might be Said of you, my dear

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Uma das cenas de destaque desse episódio é justamente essa mescla, que é a cena introdutória de Chuck. Ele avista um homem no parque que não recolhe as fezes de seu cachorro e então começa argumentar com o homem sobre isso. A conversa começa a evoluir em todos os aspectos, seja no tom de voz, nos argumentos ou até mesmo dos personagens. Chuck eleva a conversa a um certo ponto que ela deixa de se focar nas fezes e evolui para saques, assaltos e assassinatos, tornando-se uma grande crítica coerente contra a sociedade preguiçosa e desajustada em que vivemos, e que nós mesmos à tornamos.

“Yumtime” apresentou, pela primeira vez no seriado, uma trilha sonora decente e condizente com as cenas, misturando gêneros que variam do Blues ao Soul e do Pop à Eletrônica. Isso foi um chamativo muito grande para o episódio, diferente de seus antecessores que a trilha era muito escassa e deixava o enredo até mesmo monótono. Monótono inclusive é a palavra que Billions adotou em definitivo. Embora tenha uma história rica e personagens interessantes e bem explorados, Billions vem seguindo uma linha do “X da semana” que pode se tornar um problema se seguir esse lado com mais contundência até o final da temporada. Mas não se engane quanto ao conteúdo que o seriado apresenta, tudo o que temos nele não é de graça e é muito bem vindo. As informações que os personagens possuem seguem um caminho correto e interligado com todo o resto, talvez seja isso o que faça Billions tão interessante: tudo importa.