Blindspot – 1×14 – Rules in Defiance

Imagem: Spoiler TV
Imagem: Spoiler TV

 

Continua após publicidade

Blindspot é uma das séries mais instáveis que tenho o prazer de assistir em muito tempo, visto que não consegue dizer para o telespectador qual é o seu tipo de narrativa e qual o público que quer atrair, porque se observarmos o que aconteceu até o terceiro episódio desta temporada, tivemos a oportunidade de assistir aquele tipo de programa destinado ao demográfico masculino que só sabe quebrar e explodir coisas, mas não tem muita inteligência na sua história.

Continua após a publicidade
Imagem: TV Eskimo
Imagem: TV Eskimo

Entretanto, a partir desse ponto o roteiro concentrou-se mais em desenvolver seus personagens, seja com a ajuda desnecessárias dos exaustivos flashbacks ou até mesmo com o auxílio de diálogos ultra explicativos, o que ajudou a tornar figuras como duras como Kurt e Mayfair em seres mais humanos e simpáticos ao olhar do telespectador que precisa, de alguma forma, gostar de alguém. Todavia, neste episódio catorze temos mais uma mudança de direção – tira-se o foco de pontos individuais da história, para concentrarem-se mais em Blindspot como um todo.

Continua após publicidade

Com toda a problemática de Jane (Taylor Shaw? Não sei como chamar, sinceramente) sendo deixada um pouquinho de lado, temos a oportunidade ver como é que os roteiristas conseguem construir um plot principal forte, que tenha sentido e que não esteja ali apenas para preencher o vácuo entre o Fall Finale e o Season Finale. Pois bem, com a boa escolha de Zapata para estar a frente deste caso, visto que a própria atriz vem dando sinais que consegue sim, trabalhar com desafios, principalmente se analisarmos seu desempenho na caçada ao agente duplo feito no episódio anterior.

A personagem é ajudada pelo incrível mérito do roteiro em construir tramas paralelas poderosas, por que por mais clichê que a história sobre prostituição e abuso possa parecer, ela ajuda o episódio a crescer e aumenta um pouquinho o nível para o que virá em seguida, pois não adiantaria nada nos trazer algo empolgante se a amarração final é amadora e incoerente. Entretanto, dentre conflitos morais e éticos, ganchos sendo abertos e concluídos, arrisco dizer que Rules in Defiance foi um divisor de águas para Blindspot.

Continua após publicidade

Em síntese, afirmo que este foi um dos melhores episódios desta primeira temporada com grandes chances de tornar-se o melhor, caso tudo continue do jeito que está. Todavia, é visível a melhora que este roteiro vem tendo desde aquele piloto horroroso que nos fora apresentado em 2015, o que se compararmos com os outros dramas da TV aberta atualmente, essa curva é algo impressionante de se acontecer. Espero só que consigam continuar com o bom trabalho.

Catarinense e bacharel de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.