Chicago Fire – 5×13 – Trading in Scuttlebutt

Imagem: Banco de Séries/Divulgação
Imagem: Banco de Séries

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Achei que ia ser totalmente focado em Severide e sua faca de dois gumes ao visitar Springfield, mas fui feita de trouxa. Segue a review.

Continua após a publicidade

Focando primeiro em Severide, ele realmente ficou muito em dúvida sobre aceitar ou não a oferta de trabalho em Springfield. Tanto que visitou o batalhão mesmo. E é claro, mesmo ele falando que não tinha nada a ver com os sentimentos por Anna, tem tudo a ver. Ele jamais cogitaria sair de sua zona de conforto, que é Chicago, para ir à uma cidade menor se não tivesse um interesse amoroso envolvido. Kelly, depois de cinco anos usando a razão, está finalmente usando o coração. Ele não quer ser igual a seu pai. Ele quer seguir sua vida longe da sombra de ser filho de Benny Severide. Francamente, não sei o que pensar de como estão conduzindo o personagem. É algo que ainda estou pagando para ver, e só acredito se o Taylor realmente se afastar da série.

Continua após publicidade

Brett, após o rompimento do namoro com Antonio, está perdida. Como ela não dá certo com ninguém, ela quer melhorar e não sabe como. Mesmo com Dawson e Kidd a ajudando, ela realmente está estranha. Queria um plot com ela e Mouch novamente, pois foi uma das melhores participações dos dois durante a série. A melhor parte do episódio foi ela na balada com o cara que queria um green card. Que momento, senhores! Brett já foi melhor aproveitada.

Herrmann, que estava bem apagado, teve seu momento de brilhar. Foi zoado o episódio inteiro pelo insuportável do Otis, porque foi benevolente o suficiente para dar alguns dólares para um homem qualquer que pediu, apenas pela compaixão de ver o cara sem esperança nenhuma, mas com a vontade de crescer na vida, arrumar um emprego e rever a filha. Isso foi o que Herrmann mediu em sua balança moral. Ele certamente se pôs no lugar de Greg, que não tinha um mísero centavo para comprar uma roupa mais adequada para uma entrevista de emprego. Foi horrível ver o Otis zoando o coitado do Herrmann, que por mais esquentado que fosse, se segurou o suficiente para não dar uma surra nele. Foi ótimo rever Cindy e os cinco filhos do bombeiro, e ver que mesmo correndo perigo de vida, ele faz de tudo para não decepcionar os filhos. E foi ótimo ver Otis quebrando a cara ao ver que Herrmann teve o dinheiro de volta, em ver que Greg não era um drogado, era honesto.

Continua após publicidade

Agora, não tem plot mais reciclado do que jogar algum grandão do Departamento dos Bombeiros de Chicago em cima do Boden. Dessa vez foi um Comandante que teve uma promoção, e tem sérios problemas com seu ego. Depois de uma chamada onde Boden agiu de forma rápida para não ter mais pessoas feridas, o Comandante Anderson, que foi promovido, achou que Boden o afrontou. Infernizou o coitado do Comandante da 51 até Wallace realmente ficar incomodado. E quando menos esperamos, Anderson conseguiu aos 40 minutos para ser o personagem mais odiado de Chicago Fire. Ele separou o batalhão, realocando Kidd, Mouch, Herrmann, Cruz, Brett e Otis para outros batalhões. Esse vai ser um grande inimigo de Boden, e eu quero estar lá quando o 14º episódio da série, “Purgatory”, for ao ar!

[spacer height=”20px”]

[youtube] https://youtu.be/Sh57H73YgLI [/youtube]

Jornalista e uma decepção como digital influencer e youtuber. Desde 1993 sendo trouxa e shippando quem não deve. Aqui no Mix de Séries é editora e tradutora de notícias e escreve reviews de The Last Ship e The Rookie.