Chicago Med – 1×02 – iNO

Chicago Med 1x02

Imagem: NBC/Divulgação

Continua após as recomendações

 

Chicago Med trouxe assuntos delicados em seu segundo episódio e conseguiu segurar o pique do começo ao fim. O diferencial desta série foi expressa exatamente em casos como os apresentados aqui. Até onde o médico deve se deixar envolver e até onde ele deve julgar um paciente?

Continua após a publicidade

Em mais um dia agitado na emergência do Chicago Medical Center, a Dra. Manning e o Dr. Rhodes são conduzidos à um delicado caso, envolvendo uma garota de 14 anos que dá a luz no meio da rua e abandona o bebê sem prestar ajuda. No meio da confusão, o Dr. Choi acaba se envolvendo e um dilema entre os médicos é lançado: ela deve ser inocentada por ser apenas uma menina sem saber o que fazer da vida ou deveria ser acusada de tentativa de homicídio mesmo sendo menor de idade? Os nervos estiveram a flor da pele, e mesmo após descobrirem que ela trabalhava como prostituta, a divisão sobre como proceder com o caso foi o destaque do episódio.

Ethan acabou tomando partido contra a garota e passou por cima de Connor ao realizar um procedimento sem sua autorização. Essa história levantou um questionamento importante sobre o quão o médico deve deixar seu julgamento – bom ou ruim – influenciar no atendimento a pacientes. Nath acabou colocando os instintos de mãe para trabalhar, e ficou no meio de um fogo cruzado. No final ela acabou vendo que as vezes, mesmo lutando por uma pessoa, as coisas podem não sair como planejado. A garota acabou fugindo da polícia e deixando o bebê no hospital, provavelmente para continuar a vida que a conduziu para tal ato.

Halstead teve um boa história com um paciente cardíaco, e também levantou a hipótese de erro médico para familiares. Será mesmo que os médicos estão atentos a tudo que se passa no paciente? E a família, está pronta para aceitar a opinião do médico em qualquer hipótese? Querendo ou não, o complexo de Deus que Will tem já está o tornando um dos personagens mais chatos de Chicago Med, quem diria. Acho que, se Dick Wolf quer conduzi-lo a protagonista masculino, é melhor dar uma mudada rápida.

Já o Dr. Charles teve uma excelente história com a estudante Sarah, e foi para mim, um dos pontos altos do episódio. Ao atenderem uma senhora diagnosticada erroneamente com Alzhimer, eles descobrem um fluido no cérebro da senhora que a fazia ter confusão mental. A forma como Charles tratou a senhora e a dinâmica com Reese foi excelente. Precisamos de mais cenas dos dois, urgentemente.

Ainda é um pouco cedo para analisar os conflitos pessoais de cada um destes médicos, mas aos poucos, suas histórias vão ganhando mais espaços. Será que a gravidez de Nath vai alterar o fato dela agora estar sozinha? Estão batendo muito nesta tecla para uma personagem que se mostra independente. Talvez venha algo por aí… E achei um pouco aleatório o quase “rápido envolvimento” de Will com a farmacêutica. Não deu pra criar uma emoção entre os dois, muito menos por eles não terem se encontrado no final. Queremos um shipp para essa série logo…

Agora, algo que achei interessante foi Connor e seu pai. Parece que houve conflitos bem tensos no passado entre os dois, como as cenas entre eles deixaram a entender. Semana que vem, isso deverá ser explorado melhor. Alguém curioso?

 

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=nP_oVMoe8G8[/youtube]