Chicago Med – 2×16 – Prisoner’s Dilemma

Imagem: NBC
Imagem: NBC

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Med esta semana desenvolveu mais um bom episódio com diversos dramas apresentados e não foi à toa que seu nome teve a ver com a palavra dilema. “Prisoner’s Dilemma”  continuou mostrando o sofrimento de April ao perder seu bebê, por conta de sua doença, e a maneira como ela está seguindo em frente com o apoio dos seus colegas de trabalho. Tivemos também a volta de Dr. Latham, personagem revelação da temporada.

Continua após a publicidade

Vários casos complexos dominaram o episódio. April, Jeff e Dr. Choi protagonizaram um dos casos mais importantes do episódio: Uma mãe precisando de tratamento para filha traficou cocaína para que a filha pudesse receber tratamento no hospital. Mas gente, sabemos que é uma série, e algo tende a dar errado nestes casos. Foi o que aconteceu. A mãe começou a passar mal e os médicos descobriram sobre o tráfico.  Houve toda aquela história que ela fez pela filha e April – ainda muito sensível pela sua perda – conseguiu convencer os médicos a não entregarem a mãe para Goodwin. Certo que Dr. Choi com seu espírito “politicamente correto” não concordou muito, mas consentiu.

Continua após publicidade

Sobre a filha, Lathan e Rhodes ficaram encarregados da cirurgia. Em textos anteriores já foi mencionado a doença de Latham. Pois bem, ela resolveu dar as caras na mesa de operação. Connor percebendo isso, tomou a frente da cirurgia e conduziu o processo com excelência. Toda esta situação me fez pensar o quanto uma mãe não é capaz de fazer para salvar a vida de um filho, não é mesmo? Inclusive quebrando as regras por um bem maior. É uma situação muito complexa que poderia terminar da pior forma para ambas as partes, mas que, de certa forma o desfecho foi positivo.

Outros casos completaram o episódio como a paciente descoberta em uma clínica psiquiátrica por Sarah Rheese. Esse caso mostra o quanto à força de uma palavra tem poder. Bastou Sarah dizer à menina que nunca chamaria ela de “louca” que a paciente já tentou de alguma forma manipulá-la e tentar ser sua amiga dizendo que estava ali, mas que era por culpa de sua mãe. Um caso que seriamente me deixou com dúvidas. Será que ela é realmente louca? Até achei que não, mas na hora que ela própria se cortou, tive certeza. Por mais que ela não quisesse voltar para a clínica psiquiátrica, não justifica tal ato em seu próprio corpo, não acham?

Continua após publicidade

Por fim, Dr. Manning chata como sempre – Ops –  teve de ajudar dois pais a tomarem uma decisão difícil ao descobrirem uma gravidez, gerada por um estupro, na filha do casal que estava em coma há cinco anos. Pelo menos, desta vez, ela estava certa em lutar pela paciente. Natalie foi tão persistente que descobriu que a garota nunca esteve em coma. Na verdade, ela possuía um tipo de paralisia, onde tinha plena lucidez, inclusive sobre seu estupro. Imagino o sofrimento desta menina, calada por anos. Finalmente uma “bola dentro” para alegria de todos.

Natalie é uma ótima médica, porém deve entender mais o lado dos pacientes às vezes. Não sei, sinto que ela se envolve demais nos casos quando não deveria ser envolver tanto. Tá certo que ela é um ser humano com emoções mas, acima de tudo, deve-se manter sempre em sua ética profissional.

Um episódio bem eficiente, que deu uma guinada na temporada que anda meio paradinha, não acham? Deixem suas impressões aqui! Segue promo do próximo aqui no Mix. Abraço à todos. 🙂

[spacer height=”20px”]

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=t2a8NeB9FvQ[/youtube]