Como Marilyn Monroe morreu? A verdade sobre doc da Netflix

Tudo sobre a real causa da morte de Marilyn Monroe, tema de novo documentário da Netflix.

Marilyn Monroe documentário
Continua após publicidade

A Netflix lançou um novo documentário sobre Marilyn Monroe que chega antes do 60º aniversário de sua morte em agosto. Com o nome O Mistério Marilyn Monroe: Gravações Inéditas, o doc tenta oferecer “uma nova perspectiva daquela noite fatídica”, de acordo com um resumo da trama da Netflix.

Continua após publicidade

O documentário de Marilyn Monroe também visa desmascarar algumas das teorias da conspiração que surgiram em torno de sua morte. Isso inclui a crença que muitos sustentaram por anos de que ela foi morta pelos Kennedy para encobrir possíveis relacionamentos românticos com John e Robert. Ou, como o documentário postula de forma breve, porque ela conhecia muitos segredos nucleares.

A verdade de como Marilyn Monroe morreu, como muitas histórias que geram teorias da conspiração, é mais banal e mais trágica do que as histórias que surgiram mais tarde. A verdade é que Monroe era uma mulher infeliz que tirou a própria vida aos 36 anos.

Continua após publicidade
Continua após publicidade
Marilyn Monroe documentário
Imagem: Divulgação.

Como Marilyn Monroe morreu?

No domingo, 5 de agosto de 1962, por volta das 3 da manhã, a governanta de Monroe, Eunice Murray, foi verificar a atriz no quarto de sua casa em Brentwood, Los Angeles. Murray, a quem o psiquiatra de Monroe pediu para ficar na casa da estrela, encontrou a porta trancada. E Monroe não respondeu, apesar da luz estar acesa. Ela alertou o psiquiatra, que quebrou a janela e encontrou a estrela morta. A atriz estava deitada nua em sua cama com o telefone na mão e com frascos de comprimidos vazios espalhados pelo quarto.

Leia também: Bridgerton, personagem deve roubar atenção na 3ª temporada

A polícia investigou e não encontrou nenhum crime. No relatório que seguiu, disse que a morte foi “causada por uma overdose auto-administrada de drogas sedativas e que o modo da morte é provável suicídio“. Uma overdose acidental foi descartada devido à quantidade de pílulas em seu sistema – pílulas para as quais ela teve sua prescrição preenchida no dia anterior.

Continua após publicidade

Monroe passou o dia de sua morte em sua casa, onde recebeu inúmeros visitantes. Seu massagista lhe fez uma visita, assim como seu psiquiatra e fotógrafo. Este último, com quem ela estava discutindo uma série de fotos nuas que havia tirado para a Playboy. Ela também fez e recebeu inúmeros telefonemas, inclusive para o filho de seu ex-amante, Joe DiMaggio Jr..

Continua após publicidade
Marilyn Monroe documentário
Imagem: Divulgação.

O final de Marilyn Monroe

Até onde sabemos, as palavras finais de Monroe foram aquelas que ela disse ao telefone para Lawford: “Diga adeus a Pat [esposa de Lawford], diga adeus ao presidente [cunhado de Lawford] e diga adeus a si mesmo, porque você é um cara legal.” Ela atendeu a ligação logo depois de ir para o quarto às 20h, e sua autópsia estimou sua morte entre as 20h30 e 22h30.

Continua após publicidade

Leia também: 365 Dias Hoje é péssimo, catastrófico e frígido

O relatório do legista após sua morte, no entanto, dá uma visão de seu estado mental no momento da tentativa. “A senhorita Monroe sofria de distúrbios psiquiátricos há muito tempo… As mudanças de humor eram abruptas e imprevisíveis. Entre os sintomas de desorganização, o distúrbio do sono era proeminente, para o qual ela estava tomando medicamentos sedativos por muitos anos.

Continua após publicidade

O relatório continuou: “Miss Monroe muitas vezes expressou desejos de desistir, desistir e até morrer. Em mais de uma ocasião no passado, ela fez uma tentativa de suicídio, usando drogas sedativas. Nessas ocasiões, ela ligou para por ajuda e foi resgatado. É nossa opinião que o mesmo padrão se repetiu na noite de 4 de agosto, exceto pelo resgate.“.

Continua após publicidade

O documentário de Marilyn Monroe na Netflix

O Mistério Marilyn Monroe: Gravações Inéditas tem um gancho em entrevistas gravadas com aqueles que a conheceram. Mas compensa isso com um dispositivo desajeitado para ilustrar essas conversas.

As gravações são cortesia de Anthony Summers, autor do livro de 1985 sobre Monroe, Goddess“. As entrevistas incluem uma ampla gama de pessoas que cruzaram seu caminho. E então, oferecendo o velho chute de Hollywood de ouvir trechos de suas conversas com os diretores John Huston e Billy Wilder e a co-estrela de “Os Homens Preferem as Loiras” de Monroe, Jane Russell.

O documentário mina isso, infelizmente, com a ruga desnecessária de ter atores “interpretando” essas pessoas dublando o áudio. O que se torna, portanto, uma tentativa inútil de criar a impressão de que o espectador está vendo o outro lado dessas conversas.

Dado que há muitos vídeos e filmagens de Monroe para tecer, é uma indulgência que é fofa demais para seu próprio bem. Entretanto, adicionando uma sensação boba do showbiz que não faz nada para reforçar a credibilidade do projeto.

O documentário já está disponível na Netflix. E então, você já conferiu? O que achou?

Criador do Mix de Séries, atua hoje como redator e editor chefe do portal. Especialista em SEO e construção de textos para internet, também atua como webwriter com foco em textos para o Google. Autor na internet desde 2011, passou pelos portais TeleSéries e Box de Séries. Fã de carteirinha de Friends, ER e One Tree Hill, é aficionado pelo mundo dos seriados. Também é fã de procedurais, sabendo tudo sobre o universo das séries Chicago, Grey's Anatomy, e séries de sucesso como La Casa de Papel e Lucifer. Também é fã da DC Comics, e acompanha produções inspiradas em personagens da editora, como Titans e até o mais recente produto da editora, Sweet Tooth.