Crítica: 15ª temporada de Grey’s Anatomy estreia com humor e bastante confusão

Imagem: Divulgação/ABC

É dada a largada para a temporada do amor…

Quem poderia imaginar que o amor estaria pintando nos quatro quantos do hospital mais azarado da TV? Pois bem, isso parece estar realmente acontecendo. Com doses de humor e drama, a estreia da décima quinta temporada de Grey’s Anatomy veio bombando. E eu nem estou falando dos sonhos de Meredith Grey.

Sim, os sonhos para lá de eróticos da Mer foram divertidíssimos e foi impossível não sorrir com seus surtos. Não sei vocês, mas eu até que curti os cinco minutos de Mer e DeLuca no sonho. Quem sabe não veremos um novo casal surgindo no seriado?

Imagem: Divulgação/ABC

O fato é que eles deixaram claro que Meredith está pronta para se relacionar novamente, e que ela não quer ser vista como “a mulher que é casada com o trabalho”. Porque, no final das contas, ela não quer ser essa mulher. Ela quer voltar a viver uma vida onde ela possa dividir um sentimento com alguém. E isso, sem dúvidas, fará muito bem para ela.

Novela mexicana?

O que todo mundo vive dizendo sobre a vida da Meredith Grey ser digna de uma novela mexicana parece estar correto. A protagonista é quem sofreu mais durante esses 15 anos do show. Acontece que a esta nova temporada já veio mostrando que Mer não será a única a enfrentar dilemas dignos de uma boa trama da Televisa

Teddy, Owen e Amelia são a prova viva de que este triângulo amoroso tem tudo para deixar os fãs com os cabelos em pé. Sim, isso tudo porque Teddy acredita que está invadindo a união dos dois e que o pequeno Leo é filho de Owen e da Amelia. Mal sabe ela que a história é mais complicada do que parece.

Imagem: ABC/Divulgação

E com estas dúvidas surgindo na cabeça da mais nova mamãe do pedaço, Grey’s Anatomy entra numa zona perigosa. Insistir em Omelia é algo complicado, visto que eles tinham tudo para criar uma história digna, mas que acabou com um tsumani chamado ‘é tudo culpa do tumor’.

Agora os roteiristas estão insistindo em juntar Amelia e Owen e, de quebra, trouxeram Teddy de volta. O resultado tem tudo para ser desastroso, pois sabemos muito bem que alguém sairá ferido nessa história. Se Owen descobrir que será pai e que Teddy mentiu, veremos mais confusões e eu não estou afim de entrar nessa zona mexicana.

Sobre os novos médicos… 

É interessante destacar que esta estreia dupla introduziu dois novos médicos. O Deus da Orto, interpretado por Chris Carmack, Dr. Link, além do médico Nico – que é assumidamente gay. Apesar de termos essa informação, só vemos um flerte dele com Glasses, que já foi o suficiente para os fãs começaram a torcer pelos dois.

Já o Dr. Link parece ser bastante superficial. Mas teremos de aguardar para ver se sua história será desenvolvida com mais profundamente. Até esse momento, saudades Callie.

Jo Wilson

Em contrapartida, os recém casados Jo e Alex parecem que estão curtindo a nova vida juntos. E como foi gostoso de se assistir uma lua de mel sem tiroteios, mortes, desgraças ou afins. Pela primeira vez no seriado, pudemos aproveitar a união de dois médicos sem confusões. E olha que eu amei tudo isso!

Sem mencionar o quanto que eu fiquei feliz por ver o amadurecimento da personagem. Toda essa história sobre Bailey ter a comprado foi divertida e leve. Realmente, se Jo e Alex tivessem saído do hospital, estaríamos perdendo um plot bastante promissor. Foi incrível ver ela vir com uma ideia muito boa e conseguir vendê-la para o hospital. Prova que ela se esforçou, durante todo esse tempo, para conseguir chegar onde chegou, mesmo com todas as dificuldades.

O fato é que graças a esta novidade, veremos Alex Karev como chefe interino e isso é tudo o que eu pedi a Deus, pois se existe alguém que merece mais destaque e histórias melhores, esse alguém é Alex Karev. Já estou ansiosa para saber o que ele vai aprontar (ou não) com sua nova função.

P.S.: Adorei o caso médico e chorei com a morte da paciente. O problema é que parece que já vi esta história antes em Grey’s Anatomy.

Avatar

Gabriella Siggia

Quem eu sou? Eu sou uma em um milhão: escritora nas horas vagas, seriadora de coração, cinemática de plantão e amante da literatura. Divertida, alto astral e bastante bem humorada. Só não achei ainda minha outra pessoa. Ah, música faz parte da minha vida.

No comments

Add yours