Crítica: 2ª Temporada de 13 Reasons Why é confusa, falha, e não faz jus a primeira

Imagem: Netflix/Divulgação

Continua após a publicidade

Lançada a 2ª temporada de 13 Reasons Why, a série volta para o grande julgamento. 

Geralmente, a segunda temporada de uma série é sempre um divisor de águas. Porque os personagens já foram apresentados, o enredo já foi montado, e agora só precisa continuar. A nova temporada de 13 Reason Why teoricamente segue essa estratégia: gira em torno do julgamento sobre o processo pais da Hannah contra a escola Liberty. Então, a série é narrada pelos próprios personagens contando suas versões sobre os acontecidos.

Até aí a série funciona bem, trazendo um misto de passado e presente que mesmo não agradando, parece dar certo. O problema, entretanto, acontece quando a trama começa mostrar lados das histórias que parecem não bater com as de Hannah. Sendo assim, o fio condutor da série acaba se perdendo em meio a tanto informação nova que nos vai sendo apresentada. Com esse lado diferente dos personagens a trama acaba te levando a ter empatia pelos demais, o que proporciona a perda do foco da história: o Bullying sofrido pela jovem (já que parece que não foi bem do jeito que ela havia contado).

Muito era especulado como a personagem de Hannah voltaria para a trama. Além das lembranças, retratadas pelos outros personagens, ela volta também de uma outra forma, para Clay – uma espécie de fantasma que confronta seus pensamentos.

Continua após a publicidade

Falha catastrófica… 

A série erra também sobre as mensagens que tentam passar. Forçando o tempo todo as lições de auto ajuda, acaba perdendo o fôlego em meio aos típicos “dramas de série teen“. Acaba havendo um ruído e a ideia não chega para quem realmente precisa ouvir.

Imagem: Netflix

Alguns personagens que na primeira temporada foram construídos de uma maneira, tornaram-se outros. Contudo, relata jovens reais que namoram, usam drogas, entram na onda dos amigos para incluírem-se em grupos e sentirem-se partes de algo.

Bryce, por exemplo, continua sendo o antagonista perfeito. A série trabalha a imagem do personagem o tempo inteiro. Fatores que o levaram a ser como é e ainda assim, continuar desprezível.

Ainda que a primeira temporada tenha chocado mais, a segunda parte continua com cenas explicitas que não precisava ser mostrada em uma série teen e com um elenco tão jovem. Ela também desenrola devagar, deixando muitos plots para o final – e muitos deles, sem respostas aparentes. Atropelando uma informação atrás da outra, a trama não rende o esperado, é longa, sofrida, e sem sentido em diversos momentos.

Motivos que podem levar você a assistir:

Lidar com um trauma não é fácil, e a série conduz a aceitação de Jess de uma maneira bonita e harmoniosa. Isso faz com que a personagem entenda seu tempo e hora para falar sobre o problema. O show me ganha também, ao falar sobre isolamento e espaço. Entender que os personagens sofrem cada um na sua maneira. Seja atirando contra a própria cabeça para não aceitar, como também, apenas dizer que está tudo bem ou esconder-se atrás de amigos.

Continua após a publicidade

Mas honestamente, se fosse para recomendar… Vamos olhar outra coisa no catálogo da Netflix?

Avatar

Letícia Garcia

Paulista, porém mora na Carolina do Norte. Jornalista e apaixonada por séries e futebol. Grey's Anatomy é a série da vida, mas também é fã de Spartacus, Supernatural, Vikings e Friends. No Mix de Séries escreve as reviews de Vikings, Prison Break, 13 Reasons Why e Riverdale.

4 comments

Add yours
  1. Avatar
    Anny C. 19 maio, 2018 at 22:59 Responder

    Creio que a ideia era justamente nos fazer sentir empatia pelos bullies, porque eles não fazem o que fazem porque nasceram maus e simplesmente querem. Nessa temp mostra mais o que cada um passa consigo mesmo, em casa, etc, que nos fazem entender, ou pelo menos ter uma noção do pq fazem o que fazem, pq fizeram aquelas coisas com Hannah. E também foi bom mostrar que as pessoas podem se arrepender e tentar se redimir. Não quer dizer que viraram outras pessoas, estão evoluindo ali, crescendo.
    E deixam claro na série, até quando Clay questiona pra si e pros outros sem parar, que a história da Hannah foi exatamente como ela contou. Ela deixou nas fitas momentos específicos, pelo ponto de vista dela, falando o que ela sentiu.
    Nessa temp mostra o ponto de vista dos outros, mas não desvalida a versão dela não. Isso é exatamente o que mostram, que no tribunal fizeram desvalidar as palavras dela, distorceram tudo e continuaram a criar aquela Hannah que os alunos já haviam criado, com todas as mentiras e fofocas.
    E as cenas fortes pra mim foram no nível da primeira ainda, só que nessa tudo estava mais dark, ai ficou pesado. E o público é teen, mas a classificação é pra maiores e tem os avisos em todos os eps com essas cenas, e ainda creio que eram cenas necessárias pra atingir o objetivo da série.
    Eles dizem que querem abrir diálogos com a série e acho que essa temp precisa de muito mais, até pra entendermos tudo porque é muita informação, não segue uma única linha de acontecimentos, né.
    Na minha opinião teve muito mais coisas positivas nessa temporada, que negativas, as pessoas só precisam prestar mais atenção e tentar entender cada uma delas, e a que conclusões cada tópico ali pode nos fazer chegar e quais lições podemos tirar de tudo.

    • Avatar
      Andrei Henrique de Paula Silva 23 julho, 2018 at 05:47 Responder

      Perfeito.. Essa crítica analisou com olhar de quem nunca sofreu bullying na escola… Essa critica foi muito injusta… Essa segunda temporada teve muito mais coisas positivas que Negativas..concordo

  2. Avatar
    Bruno Maia 20 maio, 2018 at 07:50 Responder

    Eu acho que já no final da primeira temporada a série se perdeu por excessos. Uma menina que já sabe o estuprador não vai ficar na casa dele pra espairecer as ideias. Sei lá… Forçaram algumas coisas na primeira temporada que já fez perder algum crédito.

    Boa critica de hoje. Sinceramente me fez perder o interesse de continuar assistindo e terminar a segunda temporada.

    • Avatar
      Lucas Caetano 21 maio, 2018 at 23:46 Responder

      E não bastando apenas ir em uma festa na casa do estuprador ela entra na hidro do cara apenas de calcinha e sutiã, tem certas coisa em séries teens que ultrapassam o ridículo

Post a new comment