Crítica: 2ª temporada de Killing Eve insere nova assassina pra agitar a trama

Killing Eve voltou com tudo!

A nova temporada de Killing Eve estreou com tudo. O segundo ano da atração começou exatamente 30 segundos após o desfecho da primeira temporada, não dando tempo do público respirar após Eve esfaquear Villanelle em um final surpreendente.

Continua após a publicidade

Trazendo a vencedora do Globo de Ouro, Sandra Oh brilha mais uma vez no papel de Eve, e carrega consigo ótimos momentos na trama. Mas após um ano de estreia triunfal, Killing Eve precisava se renovar. E tudo está indicando que ela vai conseguir.

Uma nova assassina no pedaço

Os três primeiros episódios da nova temporada constroem o arco para introduzir uma nova assassina na trama. Sim, Villanelle talvez tenha inspirado alguém a agir desenfreadamente como ela. Mas Villanelle possui um charme que essa nova assassina não tem, e cabe a Eve diferenciar esses eventos.

Com uma nova equipe, Eve volta para Londres a fim de investigar esses casos. Os novos personagens são bons, mas Sandra Oh simplesmente engole qualquer um que divide cena consigo. Ainda mais agora que sua personagem está com sede de descobrir quem está por trás destes novos crimes. Mesmo assim, Villanelle não sai de cena. Jodie Comer dá vida a uma personagem psicótica e engraçada de um jeito único. Sem falar que ainda há uma forte conexão entre as duas protagonistas.

Resultado de imagem para killing eve season 2 villanelle

Jodie Comer rouba ainda mais a cena de Killing Eve em sua segunda temporada. Imagem: BBC America/Divulgação.

Também é importante ressaltar que nossa heroína ficou mexida por ter esfaqueado a assassina. Ela mudou. E de alguma forma isso deverá impactar suas atitudes nos próximos episódios.

Ainda não ficou claro, neste começo de episódio, o porquê dessa assassina estar agindo. Se são vítimas aleatórias ou se há algo por trás disso. O que ficou claro é que a companhia para qual Villanelle trabalha tem um plano, que vai servir de motor para os capítulos restantes. A ameaça dos “Doze” é constante. Mas a vilã precisa se cuidar, porque com essa nova concorrente em cena ela poderá perder seu emprego facilmente.

Roteiro ainda melhor

Killing Eve era para ser, inicialmente, uma minissérie. Se ela tivesse acabado na primeira temporada, o final lançaria uma onda de suspense e dúvidas na cabeça do espectador. Agora, com esse segundo ano, havia um risco da trama se perder. Mas ela, de alguma forma, está ainda melhor.

Há uma sede de vingança por parte das duas personagens. A faca de Villanelle se curou, mas obsessão mútua entre elas não. Outra grande vantagem da segunda temporada, é que ela não precisa ficar introduzindo personagens, situações ou ambientações. Killing Eve já começa agitada, sem se preocupar em estabelecer qualquer tom. Logo em seguida, abaixa a poeira. E então, no episódio seguinte, começa novamente uma maratona de emoções. Dessa forma, o espectador não sabe, literalmente, o que esperar da trama.

Entretanto, a qualidade no roteiro se destaca pela nebulosidade em relação ao caminho que a série vai seguir. Aparentemente, ficar apenas nesse jogo de gato e rato poderá se esgotar de forma fácil nos próximos episódios. Assim, a trama não dá indícios de onde vamos chegar. Aliás, há uma perspectiva em foco diante dos eventos da série. Não há qualquer chance das duas saírem vivas deste confronto. Pelo menos não se elas continuarem nessa obsessão mútua, que parece só crescer.

Vale destacar também que o humor continua presente nos diálogos, sendo um artifício extremamente interessante – e necessário – para fazer o espectador simpatizar com as atitudes de cada um deles. Bem como, entender o que se passa em suas mentes. No primeiro episódio, Villanelle é a protagonista das cenas de humor, transformando um assassinato em ponte para piadas. O mesmo acontece com Eve nos episódios seguintes, que protagoniza uma cena de “esporro” de sua chefe na maior calma.

Dessa forma, Killing Eve ainda vale a pena. Com uma trama interessante, estamos curiosos para compreender o que o futuro da série nos reserva. E enquanto ela persistir nessa forma criativa de contar histórias, certamente é uma série que irá merecer a atenção do mundo.

No Brasil, a temporada estreia de forma completa no dia 24 de maio, pela Globoplay.

Leia também: “Ninguém está seguro”, diz Sandra Oh sobre segunda temporada de Killing Eve

 

Nota dos Episódios9
9
Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours