Crítica: 2×06 mostra que 9-1-1 ainda não sabe qual tipo de drama quer ser

Dosed, 9-1-1
Dosed, 9-1-1

Imagem: Michael Becker/FOX/Divulgação

Humor é bom, mas com moderação

Quando a segunda temporada começou, há mais de um mês, entendi, ou pelo menos pensei ter entendido, que 9-1-1 seria um drama leve, mas disposto a ir mais longe quando a história pedisse. No entanto, o sexto episódio não trouxe nada disso. Na verdade vimos um roteiro cauteloso e tímido para falar de assuntos necessários e que outrora eram apresentados como prioritários. Embora, Dosed tenha escolhido Bobby (Peter Krause) como protagonista, Maddie (Jennifer Love Hewitt) foi quem, na verdade, roubou a cena de forma bem sucedida.

Dosed, 9-1-1

Imagem: GlobalTV/Divulgação

Voltando a forma na qual lhe fez bem sucedida, 9-1-1 nos trouxe três emergências distintas, mas que no final faziam uma interessante interseção. Tudo começa com um acidente envolvendo uma equipe de reportagem que tentava fazer uma transmissão sobre o trânsito. O problema é que, por alguma razão não explicada, o helicóptero acaba caindo e o piloto perde completamente o comando. No desenvolvimento do episódio temos um festival de fisiculturismo onde um dos participantes acaba tendo problemas. Por fim, e o mais divertido de todos, é uma briga entre mães de um concurso de beleza para crianças.

Continua após a publicidade

As boas intenções do roteiro aparecem logo nos primeiros minutos do desenvolvimento. Eles querem ressaltar a necessidade (e a qualidade) da imprensa local. Assunto que eu adoro e reverencio, principalmente num momento que muito se fala (e infelizmente só se fala) de liberdade de imprensa. Segundo uma pesquisa do Instituto Poynter, a confiança na mídia local cresceu nos últimos meses nos Estados Unidos. E 9-1-1 mostra, mesmo que superficialmente, o porquê isso é importante. São aqueles jornalistas que mostram como está o trânsito a a previsão do tempo para aquele dia. Além disso, são eles os responsáveis em fiscalizar políticos locais e falar de assuntos que impactam a vida de americanos normais.

Está rindo do quê?

Dosed me ganhou ao falar do papel da imprensa local, principalmente numa região tão diversificada como a grande Los Angeles. No entanto, o roteiro pecou em alguns aspectos. Quem realmente acredita que drogar os bombeiros seria uma boa ideia? Tudo bem que é engraçadinho e nós demos umas gargalhadas aqui e ali, mas será mesmo que foi o melhor momento? Acredito que a ideia de apresentar uma briga entre mães num concurso de beleza infantil é uma piada pronta. Não há qualquer necessidade de injetar ainda mais humor numa narrativa como essa. O resultado? Um pastelão do pior nível.

Embora o roteiro tenha tentado, repito tentado, alçar Bobby ao posto de protagonista, Maddie roubou a cena mais uma vez. A personagem, por menos destaque que tenha ganhado aqui, chamou atenção do telespectador pela espontaneidade. Será muito interessante, e sinceramente divertido, descobrir como que vão desenvolver essa provável relação com Chimney. Quebra de esterótipos e humor involuntário são ingredientes que a gente gosta.

Em suma, acredito que o episódio foi bom em alguns aspectos, mas errou em outros. Foi constrangedor vê-los drogados atendendo uma emergência, mas um verdadeiro alívio ver a imprensa local ganhando tal prestígio. É preciso que se estabeleça exatamente a missão que 9-1-1 que desenvolver daqui para frente. Qual será o tom? Será um drama leve? Uma comédia com toques de drama? Infelizmente, ainda não sabemos e isso prejudica qualquer estratégia em construir boas histórias.

Tags 9-1-1911
Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours