Crítica: 2×19 de A Million Little Things encerrou 2ª temporada de forma trágica

Critica: 2x19 de A Million Little Things encerrou sua segunda temporada com um final trágico

A Million Little Things encerra sua temporada do mesmo jeito que começou, com mentiras, muito drama e um final trágico!

Se eu pudesse escolher uma palavra para definir A Million Little Things, sem sombra de dúvidas seria Recomeçar. Desde a morte do Jon, no início da primeira temporada, seus amigos buscaram diferentes maneiras para seguir em frente. No entanto, nesse segundo ano, podemos dizer que todos, sem exceção, se dedicaram em recomeçar suas vidas, ou com um novo emprego, um novo amor, renovação de votos, e um filho…

Continua após as recomendações

Ao terminar de assistir o último episódio de A Million Little Things, fiquei curioso pra saber se o DJ Nash, criador e showrunner da série, fez algum curso com Shonda Rhimes (Criadora de Grey’s Anatomy), já que esse final lembrou muito as seasons finales dos anos de glória da série médica. O título até que dava pra enganar, Til death do us part (até que a morte nos separe), pois era esperado a celebração e renovação dos votos entre Katherine e Eddie. No entanto, o autor levou ao pé da letra o título desse último capítulo, porque tirando Delilah e o Gary, que estão curtindo seus novos relacionamentos, todos os outros personagens terminaram a temporada com o coração partido. E um deles (espero que não) poderá não voltar vivo caso ABC confirme a terceira temporada. 

Recomeçar é preciso, Delilah e Gary entenderam bem isso

Quem leu minha review do episódio anterior pode observar que levantei muitas possibilidades de como a temporada iria encerrar. E, mesmo que contrariado, acertei quase todos os palpites. Miles vem buscando seu espaço na série e no coração de Delilah, e nesse episódio ele teve seu merecido destaque, enquanto dava um verdadeiro suporte a todos no hospital. Além disso, ele não conquistou somente a Delilah, mas todos os amigos e seus filhos também. Confesso que achei fofo Sophie e Danny flertando ao mesmo tempo com Miles antes de descobrirem quem ele era de verdade. Idade não diz nada sobre o caráter de uma pessoa, Miles demonstra sinceridade no seu sentimento, e a D está feliz. Felicidades ao casal!

Continua após a publicidade

Ademais, finalmente Maggie foi pra Oxford. Não me entendam mal, eu gosto da personagem, mas ela precisava fazer algo bom pra ela que não fosse se entregar para o câncer ou deixar Gary de lado por fantasmas/problemas de seu passado. Ela até que fez sua parte, tentou até o último momento recuperar o que tinha com Gary, – a lembrança do sanduíche e o detalhe no hospital do Gary, deixando a sua parte do sanduíche pra ela, disfarçadamente, mostrou a conexão que existe entre eles e que não acabou junto com a relação.

Gary não estava errado

Maggie tomou coragem, esqueceu que a Darcy existia e se declarou para o Gary, disse tudo o que estava sentindo. E posso confessar que no primeiro momento achei que ele iria ter uma recaída. Mas ele surpreendeu, falou umas verdades. A Maggie não merecia ouvir aquilo tudo e daquela maneira como foi dito. No entanto, precisamos entender que Gary não estava errado, ele esperou por muito tempo por aquele momento. E quando finalmente ele consegue seguir em frente, ela decide aparecer? Não seria justo com ele e nem com a Darcy, que como disse anteriormente, é muito bem resolvida e está fazendo o Gary feliz. No entanto, ele se arrepende no final, depois de ter deixado a Maggie falando sozinha lá no hospital, e foi encontrar com ela no aeroporto. Mas não pediu pra ela ficar e nem se declarou, mas disse que estava feliz com a Darcy, que Maggie precisa realmente ir pra Oxford e merece muito ser feliz (Obrigado DJ Nash).

Enfim, está bem nítido como o Gary está mais leve com a amiga da Katherine, sem aquele peso todo dramático que ele estava ao lado da Maggie. Se a terceira temporada existir (espero muito que sim), que a Maggie volte renovada e feliz, da mesma maneira como Gary está com a Darcy. 

Recomeçar será preciso para Rome e Gina depois dessa perda repentina

Eu já havia cantado essa pedra na semana passada, depois do susto na hora do parto: Eve muda de ideia e decide que não vai mais colocar seu filho para adoção. Ela diz que com a ajuda de Rome e Gina, ela percebeu que pode sim ser mãe e criar a criança. Foi triste ver o Rome desesperado após essa decisão, e desolado logo depois de ter segurado o filho no colo pela primeira e última vez.

Gina chega a pedir o consentimento de Delilah para colocar o nome do bebê de Jon. Ela já tinha tudo planejado e estava pronta para ser mãe, por isso que ela foi a que mais sentiu a dor da perda. E foi doloroso ver sua fisionomia dilacerada pela decisão de Eve. Foi de partir o coração, até mesmo para a gente que já desconfiava.

Para piorar a situação, com uma mistura de mágoa e raiva, Gina joga a culpa para cima do Rome – “você me fez querer isso”, dizendo que a ideia da adoção partiu de Rome. E deixa ele sozinho no apartamento em frente as coisas que eles ganharam/compraram para a criança. Se essa terceira temporada acontecer, esse casal vai precisar de muita terapia para superar essa perda.

Recomeçar é preciso, mas Eddie não soube valorizar esse momento

Estava tudo praticamente pronto para a renovação dos votos entre Katherine e Eddie. Em um primeiro momento seria na casa deles, mas Eve entrou em trabalho de parto, todos correram para a maternidade, então Katherine transfere o evento para a capela do hospital.

Mas como era esperado, Eddie não apareceu. Desde que soube que ele poderia estar envolvido na morte de Alex, Eddie não sossegou até conseguir respostas. Mesmo depois da própria irmã de Alex pedir para ele esquecer, Eddie pergunta pra sua irmã aonde ela escondeu suas roupas molhadas. Ele, então, vai até o local indicado, (e que previsível), a mochila estava lá do mesmo jeito que ela deixou, sem mofo, sujeira ou nada, mesmo depois de mais de 20 anos, ou mais, daquela noite. Eddie encontra a pulseira que ele havia dado pra Alex, e ele lembra que estava no barco com ela, que ela cai, mas ele não consegue resgata-la, e só consegue pegar a pulseira. Ele revela pra Lindsey que lembrou de tudo e, devastado, para no primeiro bar que encontra no seu caminho. 

Katherine que estava tão feliz, pressiona Lindsey para contar a verdade, ela tenta disfarçar, mas acaba contando a verdade e Katherine tenta ligar para seu marido que ignora as ligações. Já nos minutos finais, ele chega a pedir um drink, mas acorda pra vida antes de ter uma recaída e tomar o primeiro gole. Eddie sai do bar, liga pra Katherine enquanto caminha para seu carro, e por telefone pede desculpas para sua esposa. Diz que a ama e… é atropelado logo em seguida! 

Fim trágico e muitas dúvidas

Sim, a segunda temporada encerrou dessa maneira, e como ainda não temos uma confirmação oficial da terceira temporada, ficaremos com essas dúvidas no ar. Será se o Eddie irá sobreviver? E voltaremos a ver Maggie? Ou já que sua única ligação era o Gary, e como eles não estão mais juntos, ela não voltará para Boston? E será se Rome e Gina vão conseguir superar essa perda juntos? Deixe nos comentários sua opinião.

Enfim, como A Million Little Things encerrou sua temporada, comecei assistir uma nova série chamada Little Fires Everywhere, do  Hulu, que exibirá novos episódios toda quarta-feira em sua plataforma, e vou escrever a crítica dos episódios toda semana aqui no Mix de Séries (já escrevi dos três primeiros episódios que já estão liberados). Fica a dica e espero que curtem, enquanto A Million Little Things não retorna.

Segue abaixo o trailer da série para quem ainda não conhece. Super recomendo!

Nota do episódio10
Crítica do décimo nono episódio e season finale da segunda temporada de A Million Little Things, drama da ABC, intitulado "'til death to us part".
10

6 comments

Add yours
  1. Avatar
    Solange de Souza Silva 4 abril, 2020 at 15:40 Responder

    Quero que o seriado continue sendo dublado. Espisodios 17e18, em inglês. Sem interesse de continuar vendo a série no Globo play.

  2. Avatar
    Carlos 7 abril, 2020 at 02:52 Responder

    Estava assistindo ao lado da minha mulher e fui cantando todas as pedras até o final. Episódio bastante previsível, mas foi bom mesmo assim.

  3. Avatar
    Nathalia 25 abril, 2020 at 13:54 Responder

    Por mais que a Darcy seja incrível, eu acho que ela e o Gary são melhores juntos, embora tenha sido uma grande mancada esse término e o tempo que passaram afastados. Achei que estão dando uma péssima “história” para Eddie. Como se desde a problemática dele ser amante da Delilah não tivessem mais o quê fazer com ele e ficaram inventando coisas sem pé nem cabeça. Um pouco insatisfeita com tudo dando errado pra quase todo mundo, mas ansiosa pela próxima temporada.

  4. Avatar
    Welton Souza 16 maio, 2020 at 14:28 Responder

    Ola Anderson, gostei de suas criticas , espero que a 3 temporada venha com agitação para a trama de Gary e Maggie, pois de fato os dois dão liga, agora a Delilah está como coadjuvante dos filhos, que o Daniel foi maravilhoso no papel de homossexual e gary dando super suporte, isso foi demais pra mim!!

Post a new comment