Crítica: 8×10 de Chicago Fire teve brigas de personagens e trama interessante

Critica Chicago Fire 8x10
Imagem: NBC/Divulgação.

Chicago Fire está de volta!

Nossa amada série de bombeiros está de volta, e Chicago Fire está pronta para ação em 2020! Os episódios inéditos retornaram nos Estados Unidos pela NBC, e não poderíamos estar mais animados.

Continua após publicidade

Chicago Fire nos deixou com um gancho mortal, no último episódio de 2019, e a curiosidade dominou. No entanto, o retorno da série foi rodeado de surpresas.

Continua após a publicidade

Resolvendo as tramas

A história envolvendo Severide e o incendiário, com ambos ficando preso em um galpão, foi logo resolvida nos instantes iniciais. Claro, o rapaz se safou e, de quebra, ainda conseguiu sair do Centro de Investigações. É oficial: Kelly Severide está de volta ao Batalhão 51. Mas os desdobramentos da trama continuaram quando Seager ainda continuou tentando uma aproximação com o Tenente. Casey já havia alertado ao amigo mas parece que só agora que ele percebeu o movimento da colega de trabalho. No entanto, o flerte da moça não foi pra frente porque Severide fez questão de deixar claro que ele só tem olhos para uma coisa de cada vez. No caso, ele usou o Batalhão 51 como forma de fala, mas na verdade ele queria mencionar mesmo era Stella.

Continua após publicidade

Confesso que estou super orgulhoso do casal. Sempre torci por eles e morri de medo quando essa Seager surgiu. Mas o shipp está forte e não é qualquer uma que vai atrapalhar o romance deste casal querido.

Destaques merecidos

Preciso dizer que um dos pontos mais interessantes deste episódio foi o destaque que Gallo recebeu. O personagem se tornou regular na trama e, agora, deverá ganhar mais espaço. Eu achei que ele teria um envolvimento maior com Casey neste episódio – embora tenha rolado um ensinamento sobre a história de uma ferramenta que Gallo perdeu durante um chamado. Mas parece que teremos um desenvolvimento amoroso para o novato. Adorei!

Continua após publicidade

Gallo trouxe para o batalhão uma história de “ódio” com uma paramédica de outro Batalhão, que acabou por cruzar o caminho do 51. Porém, o que todo mundo enxergava aconteceu: o ódio era na verdade amor e acabou rolando a maior pegação entre os dois. Mal conheço a indivídua e já estou super shippando. Espero que Chicago Fire aposte no romance entre eles.

Briga entre personagens de Chicago Fire

O primeiro episódio de 2020 também foi marcado por uma baita briga entre Foster e Brett. Acontece que Foster passou a questionar a autoridade de Brett e isso começou a irrita-la profundamente. Convenhamos, Foster é meio nariz em pé e ela sempre acaba gerando uma confusão ou outra. Não que ela seja uma má personagem, mas ela sempre está envolvida nestas tramas.

Neste caso, eu fui total a favor de Brett que deu um chega para lá na moça. Só achei essa rixa meio “nada a ver”, uma vez que elas sempre demonstraram se entender nos turnos. Mas acho que ambiente de trabalho é isso: estamos sempre sujeitos a estranhamentos. Aparentemente, a questão foi resolvida – graças à intervenção de Stella. Mas sei lá, devido ao gênero difícil de Foster, pouco custa ela se estranhar com outro personagem. Isso poderia tirá-la de cena?

E então, o que acharam do retorno de Chicago Fire? Deixem nos comentários. Próxima semana tem mais!

Confira abaixo o trailer do próximo episódio:

https://www.youtube.com/watch?v=EeI-R3vf4cU

 

Criador do Mix de Séries, atua hoje como redator e editor chefe do portal. Especialista em SEO e construção de textos para internet, também atua como webwriter com foco em textos para o Google. Autor na internet desde 2011, passou pelos portais TeleSéries e Box de Séries. Fã de carteirinha de Friends, ER e One Tree Hill, é aficionado pelo mundo dos seriados. Também é fã de procedurais, sabendo tudo sobre o universo das séries Chicago, Grey's Anatomy, e séries de sucesso como La Casa de Papel e Lucifer. Também é fã da DC Comics, e acompanha produções inspiradas em personagens da editora, como Titans e até o mais recente produto da editora, Sweet Tooth.