Crítica: Criatividade e clima de Natal são pilares de um episódio delicioso de 9-1-1

Merry Ex-Mas, 9-1-1
Merry Ex-Mas, 9-1-1

Imagem: Jack Zeman / FOX

Continua após a publicidade

Se há alguma característica de 9-1-1 que nós, telespectadores assíduos da série não podemos reclamar, é a criatividade. Embora saibamos que grande parte das emergências retratadas na ficção sejam baseadas na vida real, algo que até hoje me impressiona, é sempre um deleite ver o quão longe os roteiristas estão dispostos a nos levar. Neste especial de Natal, eles nos surpreenderam mais uma vez. Contudo, o roteiro nos mostrou que é sim, possível fazer um episódio agradável e comemorativo sem ser piegas ou açucarado.

Merry Ex-Mas, 9-1-1

Imagem: Jack Zeman / FOX

Merry Ex-Mas começa com dois vizinhos disputando quem tem a decoração natalina mais chamativa do bairro. O leitor pode até achar que é coisa de ficção, mas lembro que neste momento a ABC exibe um dos seus mais tradicionais reality shows de final de ano – o The Great Christmas Light Fight, justamente sobre a disputa da melhor decoração. A equipe é rapidamente chamada, nos proporcionando um começo de episódio delicioso.

Contudo, essa emergência natalina não supera a outra que o episódio introduz no decorrer do episódio. Onde o funcionário de uma distribuidora acaba, literalmente, sendo encaixotado com destino a Milwakee. O problema é que o oxigênio é limitado numa viagem de mais de 3 mil quilômetros da Califórnia para Wisconsin. É uma situação de pura adrenalina, que certamente remete aos primeiros episódios do ano inaugural de 9-1-1.

É sabido que essa época tende a ser uma das mais açucaradas do ano, vencendo até mesmo fevereiro quando é Dia dos Namorados por lá. O Hallmark Channel, por exemplo, apresenta uma verdadeira overdose de títulos natalinos por esses tempos. Por isso acredito ser notável a balança perfeita que a série conseguiu fazer aqui, onde ao mesmo tempo que trouxe elementos fofinhos e bonitinhos, conseguiu empolgar com histórias interessantes.

Quem não ama o Natal?

Meu problema com esse episódio é o quão óbvio o showrunner foi ao trabalhar essa história de violência doméstica da Maddie. É claro que o homem seguindo Chimney durante todo o episódio é o ex-marido da irmã de Buck. Desde quando a personagem apareceu lá no Season Premiere, estava claro que a estratégia era empurrar essa narrativa o máximo possível para que pudessem elaborar um cliffhanger.

O tópico é pontual, é necessário e perfeito para o momento na qual estamos passando. Lembro que uma entre quatro mulheres já sofreu algum tipo de violência do parceiro nos Estados Unidos. Por isso é essencial que essa trama seja trabalhada com postura e seriedade, não como uma reviravolta novelesca. Espero que quando a série retorne em março, o roteiro tenha evoluído e aprendido como é que se faz uma boa história com sobre o tema.

Em suma, temos grandes possibilidades de 9-1-1 para 2019. Não só festas, e provavelmente bebês, como também novas histórias e novas possibilidades. Violência doméstica, casamento interracial, vício em sexo, criar uma criança com necessidades especiais, enfim, as possibilidades são inúmeras. Basta querer e desenvolver com qualidade e vontade.

Tags 9-1-1
Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours